Pular para o conteúdo principal

PREpara que a música ainda vai ficar pior

Melhor cantor do ano: Luan Santana
Melhor cantora do ano: Ivete Sangalo
Melhor videoclipe: “Show das Poderosas” (Anitta)
Música-chiclete: idem

Esse foi o resultado da votação popular do Prêmio Multishow 2013, que ainda premiou o Sorriso Maroto como Melhor Grupo. Veja que foi o voto popular que elegeu os melhores do ano. Como não é o caso de ficar falando mal do povo e do gosto popular, vamos pensar em algumas perguntas:

Quem é que está votando?
Não sei. Talvez seja o mesmo pessoal que votaria em “Crepúsculo” ou “Velozes e Furiosos trocentos” como melhor filme. Ou são os mesmos que acham que o humor da turma do Porta dos Fundos é a coisa mais inteligente e divertida que há.

Não havia concorrentes melhores?
Não. Luan Santana disputava o prêmio com Fiuk, Thiaguinho (que ganhou o prêmio de Melhor Música com “Buquê de Flores”) e o vocalista do NX Zero, enquanto o funk de Anitta concorria com representantes da fina flor da música brasileira, como “Camaro Amarelo” e “Gatinha Assanhada”.

Por que esses artistas foram considerados os melhores?
É provável que, em vez de analisar itens ultrapassados como refinamento de letra e inventividade melódica, os eleitores do Multishow valorizem mais certos fatores indispensáveis para uma canção, como: número de caras e bocas do cantor por frase cantada, profundidade do decote, capacidade de se aprender a coreografia, refrão com a onamatopeia mais maliciosa. Em resumo, está claro que qualidade musical tem outra definição nos dias de hoje.

Nossa música popular está em decadência?
A música brasileira não teve só Noel Rosa, Ary Barroso, Tom Jobim, Chico Buarque ou Gilberto Gil. Há 30 anos, Gretchen rebolava na TV ao som de “Conga la conga”, e se na época houvesse um prêmio de “música-chiclete” do ano, ela (ou Sidney Magal) venceria. Mas me parece que a música popular mais sofisticada perdeu o vigor e a música popular menos inteligente perdeu a vergonha.

A música pop estrangeira é melhor do que a brasileira?
Descontando o fato de que música ruim é sempre a dos outros, música ruim é música ruim em qualquer parte do mundo. Mas para um país que já exportou “Aquarela do Brasil”, “Tico-Tico no Fubá” e “Garota de Ipanema”, ver o mundo inteiro dançando “Ai se eu te pego” e o Bon Jovi cantando “Camaro Amarelo” é constrangedor. Ou pelo menos era pra ser constrangedor.

O que aconteceu com a música brasileira?
Talvez tenha ocorrido um processo de franco emburrecimento da pátria. Décadas atrás, músicos sem maior instrução escolar, como Adoniran Barbosa, Luiz Gonzaga e Tonico & Tinoco produziam bonitas canções. Hoje, são os cursos universitários que promovem festas à base de Naldo, Luan Santana, Sorriso Maroto e outros congêneres que rebaixaram tanto o nível que Reginaldo Rossi parece o Stevie Wonder perto deles.

Pior do que está não fica?

Ah, fica. Não é que esses artistas lancem produtos mal-acabados. E nem é correto avaliar uma canção popular com os critérios de avaliação de estruturas musicais diferentes, como a “música clássica”, por exemplo. Mas como tudo que está ruim sempre pode ficar pior, então, se PREpare!

Comentários

Alessandra disse…
ótimo texto. O assunto é sério, mais com esse texto até conseguimos dar algumas risadas. abraços.
você não tem medo que caia fogo do céu ao unir Reginaldo Rossi e Stevie Wonder na mesma frase? cuidado, meu caro :D
joêzer disse…
rsrsrs. foi um risco tremendo.

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…