Pular para o conteúdo principal

pragmatismo ou PRAGAmatismo?

Há um argumento no livro Joyful Noise, de Ed Christian, sobre a música cristã contemporânea, que pede uma reflexão: a música não deveria ser julgada por gostos pessoais, mas pelos seus frutos espirituais.

Podemos ler esse argumento de dois modos. Um, pela perspectiva pragmática que parece endossar. Dois, pela modernização das estratégias a fim de tornar relevante e significativo a “velha e feliz história” às sociedades modernas.

Ações pragmáticas não são intrinsecamente ruins. Elas se tornam contraproducentes quando os meios utilizados para chegar ao fim distorcem o padrão de interpretação bíblica (no caso específico, o padrão teológico adventista). Para pensar antes do culto: a visão utilitária da música como ferramenta de evangelização encontra respaldo teológico, é uma estratégia de sobrevivência no mercado das religiões ou apenas atende a procura de gratificação e liberação das pessoas?

As escolas adventistas existem para quê? Existem não somente para dar aos filhos dos membros da igreja uma educação escolar pautada pelos princípios que a igreja advoga, embora muitos dos membros que podem não queiram, e muitos que querem não podem. Existem também para revelar a mensagem bíblica de salvação. Isso é ou não é pragmatismo?

Os hospitais adventistas existem para quê? Repito a resposta acima substituindo educação por atendimento clínico. Por sua vez, o Natal é devidamente cristianizado pelo desejo de alcançar pessoas que se mostram mais suscetíveis ao evangelho nesse período do ano.

No entanto, a escola não vai adotar o evolucionismo só para atrair novos alunos. A escola ensinará as teorias do evolucionismo, mas não as defenderá em detrimento do criacionismo bíblico. Não é porque se respeita o feriado junino e os brincantes dos festejos que festas juninas serão realizadas com boi-bumbá, quadrilha e fogueira no pátio dessas escolas. O pragmatismo precisa ter limites ou se derrapará para um “vale-tudo” criticado até porque não é cristão. Sem limites e reflexões a respeito, o pragmatismo vira PRAGAmatismo.

Algumas igrejas adventistas costumam fazer confraternizações em espaços adjacentes (pátios cobertos ou salões de jovens). Almoço ou jantar, se é um evento oficial que envolve os membros e convidados, o cardápio é via de regra vegetariano. Embora nem todos os membros sejam adeptos desse regime alimentar, a igreja segue o princípio geral que sustenta enquanto instituição.

Na música sacra não há um princípio tão claro quanto há nas recomendações alimentares e educacionais. Talvez porque a dinâmica da evolução musical ocorra de forma diferente em relação às funções do corpo humano e às estruturas do saber humano. Caso contrário, a Bíblia traria referências explícitas ao modo de compor. Contudo, nem os escritos de Ellen G. White, que fundamentavam biblicamente a interpretação adventista sobre vários temas, revelam quais os acordes que servem ou não à liturgia ou citam nominalmente os estilos mais adequados.

Vemos, porém, que o princípio de unidade congregacional permeia os eventos oficiais da igreja, e as estratégias de escolas e hospitais buscam o respeito à visão institucional.

No tocante à música congregacional dos cultos (a doxologia que envolve entrada do pastor e das pessoas que comporão a plataforma, o ofertório, as mensagens musicais, incluindo as músicas de apelo, os momentos do canto congregacional ou louvor, a música de saída do templo), as pessoas que fazem parte do ministério da música precisam visar a igreja como um todo, e não como grupos heterogêneos de gostos musicais.

É a comunidade (adventista) que está em adoração; não é meu gosto musical que está sendo adorado. Se é a comunidade reunida é adventista, não há razão para cantar, nesses momentos específicos, músicas extremamente associadas com o formato "louvor & adoração" da moda. Não porque alguns pensem que são canções doutrinariamente pobres ou musicalmente repetitivas. Esse argumento apenas reflete o infeliz senso de superioridade musical de alguns.

O argumento correto é o de unidade congregacional. Não é hora para associações religiosas inoportunas nem para inovações irreverentes ou que venham a constranger uma parte que seja da igreja.

Ok, os mais velhos são mais rapidamente constrangidos, mas apesar de ser impossível agradar a todos, a maioria conhece a forma adequada de celebrar em conjunto. Isso não quer dizer que só as músicas com mais de 100 anos devem ter preferência. Como exemplo, nos cultos matutinos do sábados, considerado o culto central da igreja, pode-se alternar hinos vibrantes ou meditativos, mas não de funeral, você sabe, com músicas contemporâneas dos CDs do Ministério Jovem, não as mais animadas, você sabe, e ainda com canções conhecidas de grupos e cantores da igreja.

Nem funeral nem oba-oba. Os extremos levam ou ao formalismo estático ou ao êxtase informal. Deus é Senhor mas é Pai. Jesus é o Salvador mas é Amigo. Mas nem o Pai nem o Amigo são colegas de recreio.


Comentários

Anônimo disse…
MMMUUUUIIIITTTOOO equilibrado! Gostei!
E. C. O. Schulz disse…
Equilibrado dentro da própria perspectiva de equilibro, do que lá raios for isso.

É intrigante alguem que faz doutorado ter uma abordagem e consideração tão leviana, e até mesmo ingenua sobre o adventismo, que horas até parece ser um pucha-saco com jogo de politica, buscando agradar a todos, parecendo ser eloqüente.

Vamos lá, Educação Adventista é apenas nome instituicional. É nada mais do que mais uma instituição de ensino interessada em adquirir o máximo de alunos ($$$) possível; a religião é apenas fachada, ou então "consolo espiritual" ("To na obra") de seus funcionários.

E por ai vai... até chegar na música também. Que também se tornou financeiro, status, fama. O resto é fachada. E há quem ainda tenta abafar as discurssões que giram em torno disso.

Menos ingenuidade, não tenha medo de ser sincero e soltar a boca no trombone. hehe
joêzer disse…
caro evandro,
leviano seria dizer que todas as escolas, todos os músicos, todos os funcionários estão guiados por índices financeiros (que não podem ser descartados, convenhamos) ou consolo espiritual de fachada.
generalizações são levianas e simplificações são ingênuas, isso sim.
trabalhei por algum tempo na "obra", sei das falhas e imperfeições.
há músicos adventistas que buscam a fama e o dinheiro? sem dúvida, embora sinto informa-los que ficar rico com a música na igreja adventista vai ser muito difícil.
acontece que essa postagem não trata da "obra" - educação, música...
estou tratando de aspectos musicais dos cultos e que músicas seriam mais adequadas ao benefício da unidade congregacional.
escolas e hospitais (partindo do modelo filosófico que as teria modelado) são apenas exemplos de que o pragmatismo de que acusam alguns músicos também está nas escolas e hospitais.
e nisso também estou sendo sincero, embora isso possa ser confundido com ingenuidade.

Postagens mais visitadas deste blog

o mito da música que transforma a água

" Música bonita gera cristais de gelo bonitos e música feia gera cristais de gelo feios ". E que tal essa frase? " Palavras boas e positivas geram cristais de gelo bonitos e simétricos ". O autor dessa teoria é o fotógrafo japonês Masaru Emoto (falecido em 2014). Parece difícil alguém com o ensino médio completo acreditar nisso, mas não só existe gente grande acreditando como tem gente usando essas conclusões em palestras sobre música sacra! O experimento de Masaru Emoto consistiu em tocar várias músicas próximo a recipientes com água. Em seguida, a água foi congelada e, com um microscópio, Emoto analisou as moléculas de água. Os cristais de água que "ouviram" música clássica ficaram bonitos e simétricos, ao passo que os cristais de água que "ouviram" música pop eram feios. Não bastasse, Emoto também testou a água falando com ela durante um mês. Ele dizia palavras amorosas e positivas para um recipiente e palavras de ódio e negativas par

o dia mais gospel dos reis do rock

Depois de estourar nas rádios com a canção BLUE SUEDE SHOES, Carl Perkins foi gravar algo novo no estúdio da Sun Records, em Memphis. O iniciante cantor Johnny Cash foi lá assisti-lo. Quem também estava chegando no estúdio era o jovem Jerry Lee Lewis, uma aposta para o fim daquele ano de 1956. Quem o levou foi o dono da Sun Records, o lendário Sam Philips. Lendário porque este era o homem que descobrira Elvis Presley um ano atrás. Aliás, no meio da tarde, Elvis passaria no estúdio só para uma visita, pois já era um astro internacional e agora gravava na poderosa gravadora RCA Victor. Foi assim, por mera coincidência, que o dia 4 de dezembro de 1956 marcou um inédito encontro dos quatro cantores. Conversa vai, música vem, de repente os quatro estavam numa sessão improvisada de sucessos do rythm and blues, do country, do nascente rock and roll...e do gospel. Assim que Elvis chegou com sua namorada, Perkins interrompeu a gravação. Eles começaram a papear e rir, até que Elvis foi

o adventista Little Richard

Foi num sábado que faleceu aos 87 anos o mais famoso ex-aluno da universidade adventista Oakwood College: o cantor Little Richard. Ele mesmo, um dos pioneiros do rock, que cantou sucessos como "Tutti Frutti" e "Good Golly Miss Molly", o homem do inconfundível  wop-bop-aloo-bop-alop-bam-boom . Assim como vários outros cantores, Little Richard foi criado nos bancos de igrejas evangélicas da América. No auge do sucesso, em 1957, se sentindo em falta com sua fé e passando por problemas financeiros, anunciou que estava deixando tudo para se tornar pastor. Pesou nessa decisão um incidente em que uma forte turbulência afetou a aeronave onde ele viajava e Richard disse ter visto luzes brilhantes de anjos protegendo o voo, o que ele tomou como um sinal de Deus. Ele, então, foi estudar em Oakwood e durante cinco anos só gravou música gospel. Durante esse período, ele participou de uma campanha evangelística ao lado do pregador adventista E. E. Cleveland. Na ocasi