Pular para o conteúdo principal

o mito da música que transforma a água

"Música bonita gera cristais de gelo bonitos e música feia gera cristais de gelo feios". E que tal essa frase? "Palavras boas e positivas geram cristais de gelo bonitos e simétricos". O autor dessa teoria é o fotógrafo japonês Masaru Emoto (falecido em 2014). Parece difícil alguém com o ensino médio completo acreditar nisso, mas não só existe gente grande acreditando como tem gente usando essas conclusões em palestras sobre música sacra!

O experimento de Masaru Emoto consistiu em tocar várias músicas próximo a recipientes com água. Em seguida, a água foi congelada e, com um microscópio, Emoto analisou as moléculas de água. Os cristais de água que "ouviram" música clássica ficaram bonitos e simétricos, ao passo que os cristais de água que "ouviram" música pop eram feios.




Não bastasse, Emoto também testou a água falando com ela durante um mês. Ele dizia palavras amorosas e positivas para um recipiente e palavras de ódio e negativas para outro recipiente. Segundo ele, aconteceu o mesmo. Resultado? Cristais de água bonitos por causa das palavras positivas e cristais de água caóticos por causa das palavras negativas.



Claro que a comunidade científica não levou a sério essa experiência relatada por Emoto no livro Messages from Water (Mensagens da água), e sua teoria de que palavras e músicas "positivas" tornam o mundo melhor por causa da quantidade de água que há no mundo e no corpo humano foi facilmente refutada (leia aqui).

Esse experimento foi vendido como ciência e muita gente anda caindo nessa falácia. Christian Berdahl tem usado isso em palestras que já circulam em sites religiosos nacionais (aqui). No caso de Berdahl a situação é constrangedora, pois ele usa essa pseudociência  para supostamente provar o poder maligno da música gospel contemporânea. Ou seja, em vez de falar de letras gospel que contradizem doutrinas cristãs ou de estilos musicais inadequados para determinados contextos de adoração, ele prefere fazer seu público acreditar que as moléculas de água do nosso corpo reagem negativamente ao ouvirmos música contemporânea (pop ou sacra) e por isso estamos desequilibrados espiritualmente!

Agora que você já conhece um pouco da teoria de Masaru Emoto, eu lhe convido a vir e arrazoar comigo:

1) A linguagem se modifica de lugar para lugar. Então, como a água entendeu o japonês de Masaru Emoto? A água é poliglota?

2) Se o público de Masaru Emoto defendeu o autor dizendo que a água não reagiu ao idioma, e sim à intenção ao se falar palavras de teor positivo ou negativo, isso quer dizer que o H2O reage à inflexão vocal ou ao pensamento dos seres humanos?

3) H2O, em forma líquida ou congelada, não reage a emoções ou palavras humanas. As formações simétricas ou irregulares dos cristais de gelo são resultado da própria matemática "aleatória" que rege esse fenômeno. Impurezas e outras substâncias químicas presentes nos recipientes com água também contribuem para dar forma X ou Y para os cristais de gelo fotografados por Emoto.

4) Emoto admitiu que ele escolheu cristais que se encaixavam sua própria definição de "bonito" e que não usou processos científicos de seleção e análise. Chegou a dizer ainda que "às vezes a fantasia é o melhor meio de esclarecer a realidade" (The secret life of water, p. 126).

5) A cultura musical adquirida de Emoto o levou a decidir o que era música consonante/bela e dissonante/feia. Como se formariam os cristais cujas moléculas de água ouvissem a 5ª Sinfonia de Beethoven (pam-pam-pam-pam) ou as dissonâncias harmônicas da bossa nova: com padrões simétricos ou irregulares? E mais: a música japonesa tradicional (ou a música judaica, ou sul-africana ou andina), que possui seu código musical distinto, entraria em qual categoria estética, já que o fotógrafo japonês utilizou no experimento as músicas da cultura euro-americana?

Agora, vamos ao que disse Christian Berdahl:

O vídeo linkado acima tem mais de uma hora de duração, e o experimento de Masaru Emoto é convocado a partir do minuto 52. Berdahl conta à plateia que Masaru tocava música bonita (clássica) e proferia palavras positivas para a água: "O resultado foi aquilo", diz ele mostrando um slide com cristais de gelo organizados. E continua: "Você sabia que o som pode fazer aquilo?". Em seguida, mostra cristais com forma caótica e diz: "Tons dissonantes e música negativa formam padrões caóticos".

Ele informa que não estudou o assunto, e mesmo assim ele especula: "Quanto de água temos no nosso corpo? Se a música fez isso com um tolo recipiente com água, provavelmente pode fazê-lo com um tolo como eu". Melhor não comentar...

Berdahl mostra a playlist que gerou cristais bonitos: tem "Lago dos Cisnes", de Tchaikovski, "Sinfonia n. 40", de Mozart, e a "Pastoral" de Beethoven. Claro que os cristais feios só podiam ser obra do heavy metal e de uma versão de "Heartbreak Hotel" cantada por Elvis Presley.

Em nenhum momento Berdahl se perguntou como a água "ouviu" a música e como essa "escuta" foi preservada no processo de congelamento.

Sua conclusão é que se "ouvirmos coisas que nos enobrecem, elevam e edificam, somos transformados da mesma forma" - como a água! Como ele explicaria que a assim considerada nobre e edificante Nona Sinfonia de Beethoven, em cujo 4º movimento se canta uma ode à fraternidade entre os homens, que é a mesma música que recebeu a letra para o hino cristão "Jubilosos Te Adoramos", era usada durante os comícios nazistas?

Por que será que as moléculas de água presente nos corpos dos nazistas presentes nesse concerto (vídeo abaixo) não se enterneceram, não foram edificadas, não levaram os generais a tomar decisões nobres e fraternas?




A música, por si só, não tem poder para enobrecer ou perverter pessoas. A música (com letra) pode ajudar a reforçar algumas atitudes e comportamentos, mas não pode induzir ninguém a cometer um crime ou a praticar uma boa ação que já não esteja na vontade ou no sentimento de um indivíduo.  Primeiro o sujeito precisa ter a disposição mental de praticar algo, e só então a música pode reforçar sua atitude. E como no caso da Nona Sinfonia de Beethoven, essa atitude pode ser até mesmo completamente contrária ao propósito inicial do compositor.

Comentários

L disse…
Rápida correção: o sobrenome do palestrante é Berdahl, não Derbahl! ;-) Acho que você se enganou ao digitar, pode conferir no site do terceiro anjo. Descobri porque coloquei o nome dele no Google (como Derbahl) e não houve nenhum resultado.
joêzer disse…
L, muito obrigado pelo controle de qualidade. Fiz a correção.
LEXMEN disse…
Se pesquisarmos um pouco, vamos achar de onde Emoto(?) tirou essa ideia: Lembro de um programa sobre monges Shaolin nos anos 80 onde os monges diziam que se o cozinheiro ficasse irritado ou perdesse a paciencia, ele deveria jogar a comida que estava preparando fora pois ela estaria contaminada de más energias; esse pensamento vem do shintoismo, e parece que cada vez mais a igreja abraça essas ideias de boas e más energias influenciando nossa vida...

O mesmo exelentissimo Dr, Emoto(?) fez a mesma experiencia com arroz: http://thirdmonk.net/mind-spirit/philosophy/masaru-emoto-rice-emotions-experiment-video.html

(?) EMOTO - Ele escolheu esse nome de proposito né? Pra se afirmar conhecedor das emoçoes?

Abraço.

Leandro Xiscatti
Robert Maia disse…
Besteira discutir isso tanto quanto é o estudo. É questão de fé, e só gente muito atrasada mistura as coisas. Ciência é cuência e crença é crença.
Unknown disse…
Na minha opnião... Quando alguém diz "hmm... isso ta errado" significa que no minimo está no caminho certo,como é o caso do Sr. EMOTO.

Quando ele diz que a fantasia demonstra melhor, ele quer dizer exatamente isso... Ele não fez algo sério... foi algo totalmente despojado mas que mostra uma verdade... como a musica/palavras ou frequências na sua mais pura essência, consegue unificar e desunificar as moléculas sendo assim, estabilizando um sistema fractal aleatório ou destabilizando um sistema. O que ele fez está levemente relacionado a "Ciência noética" e só faltou um pouco de tempo para aperfeiçoar a teoria. No prêmio Nobel da Paz de 1987, Carl Rogers afirmou que “o principal fator é a aceitação, pois assim que me aceito como sou, eu mudo”.
Ou seja voltando para a frase da fantasia... ele quis dizer algo como "Eu não quero provar NADA mas estou dizendo que isso pode ser chave para algo maior..."

Aconselho ao autor deste texto ler mais sobre ... Ciência noética, musica estocástica , fractais, Musica trance , 440HZ VS 432HZ , Escala de frequências tanto visual como auditiva.

joêzer disse…
Rafael, o que li a respeito só aumentou minha desconfiança em relação a isso. Procurei deixar claro no texto que a água não ouve nem reproduz o sentimento do emissor de uma palavra. já escrevi sobre outro mito que perambula na web, o do 440 x 432: http://notanapauta.blogspot.com.br/2015/02/a-teoria-da-conspiracao-acustica.html

obrigado pela leitura.abs.
Aninha disse…
Bom dia!

Jesus disse: o que contamina o homem é o que sai da sua boca e não o que entra, nisso podemos acreditar que o que Emoto fez foi apenas confirmar as palavras do mestre de forma concreta.

Eu fiz a experiência do arroz com crianças , e se não é considerado ciência, não sei, só vi com os meus olhos que funcionou e mudou o modo de pensar e o comportamento de muitas crianças, Jesus sempre usou coisas concretas para aumentar a fé das pessoas, portanto porque duvidar daquilo que não é considerado ciência, os fariseus também não davam credito aos sinais de Jesus e nem muitos cientistas hoje.

Peço ao autor do blog, que faça você mesmo o teste, depois tire suas conclusões.

Unknown disse…
Peço ao autor que estude sobre música! Quanto às questões relacionadas à linguagem não há do que discordar, já os comentários sobre música me fizeram sentir vergolha alheia.
Anônimo disse…
Olá, amigos!

O que nos vale ressaltar diante dos estudos e preocupações acerca da influência da música ou das palavras sobre a molécula de água é de fato o poder criador do pensamento pode agir sobre a matéria. Não é o idioma e sim as vibrações emanadas pelo ser que age. Ora, temos a matéria formada por moléculas, que por sua vez são formadas por átomos e estes que são formados por partículas de "energia" (prótons, elétrons...). Essss fluidos são sensíveis ao pensamento podendo ser moldados. Daí que surge a questão do mau olhado. Podemos fazer coisas boas e ruins. "Sois Deuses".
é óbvio que água "nao ouve" música - no entanto, ela reage a que mesmo alterando suas formas? tudo reage a tudo - é um vai-e-volta constante de ação/reação neste mundo maluco e maravilhoso - e veja - tudo matematicamente perfeito (parece redundância!)
*
Einstein não foi bem compreendido em suas teorias. Passou anos tendo apenas apoio de um ou outro cientista. Ele disse: tudo é energia.
*
A matéria que nos cerca não é "sólida" - é informação.
Sendo assim, hipoteticamente, eu poderia reprogramar com novas informações seja lá o que for!
*
Ora, aqui no caso, são fatos. Música x modifica de tal maneira a água. Etc..
*
Só por ser um fato - deveria ser visto no mínimo com respeito.
*
As melhores soluções e teorias são simples.
Robsmar da Silva disse…
Bom dia . A experiencia (cientifico) de Emoto é incrivel e é uma forma que ele conseguiui para passar uma idéia, um entendimento sobre a vida de forma mais abrangente, sobre a questao de energia e matéria, sobre a psique humana e como nos afeta. Esse conceito os efeitos de sentimentos, pensamentos e açoes estao entranhados na filosofia e espiritualidade orientais, alias é muito sábio. É muito importante refletirmos sobre os efeitos das atitudes de acordo com o que sentimos , nossas intenções e nossas açoes. Eu acho muito feio alguem querer desmoralizar um trabalho q ajuda a trazer luz ao conhecimento. Seria ideal as pessoas que criticam fazerem um trablaho ou experiento que provem que ele esta errado, o que considero dificil, porém se houver alguma outra pesquisa (experimentada) que isso é balela gostaria muito que fosse compartilhado publicamente. Comlemtendo, ainda podemos associar essas formas pela estética. Grato
Anônimo disse…
Achei o autor deste texto muito idiota, porque ele tem necessidade de escrever uma matéria sobre suas próprias dúvidas? Do que ele tem medo? Ora, palavras, músicas, intenções geram um campo magnético, tudo que é vivo é sensível, plantas, animais, seres humanos, Basta encostar um alto falante numa mesa e espalhar farinha nela que as formas geométricas surgirão.A água é apenas outro meio. Não são apenas as forças físicas, mas as eletromagnéticas.
joêzer disse…
ô seu Anônimo mal-educado! Não tenho nenhuma dúvida e nem medo a respeito disso. Encoste um alto falante na mesa com farinha e as formas geométricas surgirão: isso é óbvio! O que não acontece (e essa é a experiência pseudocientífica do Emoto) é que dizer palavras "agradáveis" para um pote de água e revelar fotografias com cristais organizados e se você disser palavras "feias" aí a fotografia vai revelar cristais "feios".
Ora, água se move se eu fizer alguma vibração perto dela com a voz? Claro, as ondas vibratórias a fizeram se mover, mas não o significado do que eu digo (amor, ódio, indiferença) ou da música que eu tocar, porque águas e plantas não entendem o código musical como nós seres humanos entendemos, nós distinguimos tipos de música e somos afetados pelo significado das palavras, mas a água, o fogo ou um cacto, não. Por favor né.
Anônimo disse…
Texto polarizante e sem conhecimento quântico - o que é H2O? Um átomo composto por elétrons e antielétrons, resumindo: energia em forma de onda - Vácuo Quântico. Do que é composto o ser humano? Átomos de CO2 e H2O - resumidamente, logo somos a materialização de átomo em moléculas composto por elétrons e antielétrons, resumindo: energia em forma de onda - Vácuo Quântico também. Somos energia e as moléculas de H2O respondem e reagem à energia - Música (qualquer som) é frequência, vibra, emite uma energia e energias se comunicam (mecânica quântica). O que acontece neste experimento, sim científico, embora sem validação científica é nada mais que a reação dessas energias se comunicando em seus campos energéticos. Esse experimento não será validado cientificamente, pelo mesmo motivo em que a ciência não prova a existência de Deus e pelo mesmo motivo de alguns cientista não irem além nos experimentos da física quântica - explicar a antimatéria é explicar a capacidade humana de cocriar a sua realidade a partir do sentir e pensar como observador da sua realidade, mas para um povo que deve ser controlado pelos seus governantes, saber empiricamente sobre isso é muito ameaçador. Vale a pena o leitor pesquisar sobre isso.
Julio disse…
Muito interessante

Postagens mais visitadas deste blog

o dia mais gospel dos reis do rock

Depois de estourar nas rádios com a canção BLUE SUEDE SHOES, Carl Perkins foi gravar algo novo no estúdio da Sun Records, em Memphis. O iniciante cantor Johnny Cash foi lá assisti-lo. Quem também estava chegando no estúdio era o jovem Jerry Lee Lewis, uma aposta para o fim daquele ano de 1956. Quem o levou foi o dono da Sun Records, o lendário Sam Philips. Lendário porque este era o homem que descobrira Elvis Presley um ano atrás. Aliás, no meio da tarde, Elvis passaria no estúdio só para uma visita, pois já era um astro internacional e agora gravava na poderosa gravadora RCA Victor. Foi assim, por mera coincidência, que o dia 4 de dezembro de 1956 marcou um inédito encontro dos quatro cantores. Conversa vai, música vem, de repente os quatro estavam numa sessão improvisada de sucessos do rythm and blues, do country, do nascente rock and roll...e do gospel. Assim que Elvis chegou com sua namorada, Perkins interrompeu a gravação. Eles começaram a papear e rir, até que Elvis foi

o adventista Little Richard

Foi num sábado que faleceu aos 87 anos o mais famoso ex-aluno da universidade adventista Oakwood College: o cantor Little Richard. Ele mesmo, um dos pioneiros do rock, que cantou sucessos como "Tutti Frutti" e "Good Golly Miss Molly", o homem do inconfundível  wop-bop-aloo-bop-alop-bam-boom . Assim como vários outros cantores, Little Richard foi criado nos bancos de igrejas evangélicas da América. No auge do sucesso, em 1957, se sentindo em falta com sua fé e passando por problemas financeiros, anunciou que estava deixando tudo para se tornar pastor. Pesou nessa decisão um incidente em que uma forte turbulência afetou a aeronave onde ele viajava e Richard disse ter visto luzes brilhantes de anjos protegendo o voo, o que ele tomou como um sinal de Deus. Ele, então, foi estudar em Oakwood e durante cinco anos só gravou música gospel. Durante esse período, ele participou de uma campanha evangelística ao lado do pregador adventista E. E. Cleveland. Na ocasi