Pular para o conteúdo principal

Soul: onde está o coração do músico?


Em 
Soul, a nova animação da Pixar, o personagem principal é Joe Gardner, um professor de música que se sente desmotivado na sua profissão, pois o que ele deseja mesmo é ser um pianista de jazz e brilhar nos palcos. Não há problema algum em querer ser um grande artista e buscar esse objetivo. Mas aqui é que mora o engodo: o de que um professor de música é um músico frustrado. Fora do palco, o músico seria um fracassado sem talento suficiente, um loser cuja falta de méritos o levou à suposta monotonia das salas de aula.

Quando o professor Joe, convidado por um ex-aluno, consegue um teste para ingressar numa banda de jazz, ele tenta mostrar tudo o que sabe numa música só e acaba fazendo como aqueles músicos que, mesmo quando estão tocando em grupo, estão tocando sozinhos. Seu improviso interminável não passa de exibicionismo. Ele demonstra estar desconectado da arte de fazer música em conjunto.

Curiosamente, seu ex-aluno lhe tem um enorme respeito, um sentimento de gratidão por tudo o que aprendeu com ele. No entanto, o reconhecimento de um músico, ou de um estudante, não é suficiente para esse professor. Ele quer os aplausos de fim de espetáculo, e não o cotidiano de murmúrios da escola. Quer ter espectadores, não aprendizes. Quer fazer devotos, e não discípulos.


Eu entendo os músicos que chegam ao curso de Licenciatura sem a pretensão de ser professores. Quando eu fazia faculdade de música, lá no começo da remota década de 90, eu não sonhava em ser professor. O palco era muito mais interessante, fosse atuando como tecladista ou regente. Só me descobri apaixonado por ensinar música uns 10 anos depois da faculdade.

No filme, o professor Joe demora a descobrir que o propósito da vida não está apenas no brilho do palco. Isso também pode ser encontrado nos atos simples e cotidianos vividos um dia após o outro. Fazer música para um público é um clímax maravilhoso, é um show de fogos de artifício em que ninguém nota o trabalho dos bastidores.

Ensinar alunos a fazer música parece menos encantador, pois é como estar sempre nos bastidores. Mas a fagulha da música e o propósito da vida também estão nos atos simples e cotidianos vividos numa sala de aula.

Aos que querem ser professores, e aos que estão em dúvida sobre a profissão de educador musical, hoje eu diria: as luzes apagam depois do show, mas as luzes acesas durante uma aula não há santa alma que apague.

Comentários

Luciana Araújo disse…
Ótimo texto, como sempre! Eu acho que sou um dos poucos casos que fogem ao comum: fui cursar Licenciatura em Música com o firme propósito de ser professora, e nunca me senti tentada a ser instrumentista. Mas acho que 90% dos meus colegas na época gostariam de fazer carreira como instrumentistas ou regentes, e boa parte deles abandonou a sala de aula para seguir nos palcos...

Postagens mais visitadas deste blog

o adventista Little Richard

Foi num sábado que faleceu aos 87 anos o mais famoso ex-aluno da universidade adventista Oakwood College: o cantor Little Richard. Ele mesmo, um dos pioneiros do rock, que cantou sucessos como "Tutti Frutti" e "Good Golly Miss Molly", o homem do inconfundível  wop-bop-aloo-bop-alop-bam-boom . Assim como vários outros cantores, Little Richard foi criado nos bancos de igrejas evangélicas da América. No auge do sucesso, em 1957, se sentindo em falta com sua fé e passando por problemas financeiros, anunciou que estava deixando tudo para se tornar pastor. Pesou nessa decisão um incidente em que uma forte turbulência afetou a aeronave onde ele viajava e Richard disse ter visto luzes brilhantes de anjos protegendo o voo, o que ele tomou como um sinal de Deus. Ele, então, foi estudar em Oakwood e durante cinco anos só gravou música gospel. Durante esse período, ele participou de uma campanha evangelística ao lado do pregador adventista E. E. Cleveland. Na ocasi

o dia mais gospel dos reis do rock

Depois de estourar nas rádios com a canção BLUE SUEDE SHOES, Carl Perkins foi gravar algo novo no estúdio da Sun Records, em Memphis. O iniciante cantor Johnny Cash foi lá assisti-lo. Quem também estava chegando no estúdio era o jovem Jerry Lee Lewis, uma aposta para o fim daquele ano de 1956. Quem o levou foi o dono da Sun Records, o lendário Sam Philips. Lendário porque este era o homem que descobrira Elvis Presley um ano atrás. Aliás, no meio da tarde, Elvis passaria no estúdio só para uma visita, pois já era um astro internacional e agora gravava na poderosa gravadora RCA Victor. Foi assim, por mera coincidência, que o dia 4 de dezembro de 1956 marcou um inédito encontro dos quatro cantores. Conversa vai, música vem, de repente os quatro estavam numa sessão improvisada de sucessos do rythm and blues, do country, do nascente rock and roll...e do gospel. Assim que Elvis chegou com sua namorada, Perkins interrompeu a gravação. Eles começaram a papear e rir, até que Elvis foi

a generosidade não está nos manuais

Corre na internet o vídeo em que um segurança impede que um cliente pague um almoço para uma criança que vendia chiclete no shopping. Nele, vemos duas formas de violência em estado bruto. 1) Uma criança pedindo (e não comprando, como é regra dos nossos shoppings) comida. E numa situação de viver da caridade de quem lhe detesta, uma criança com fome é a primeira violentada. 2) Um segurança que obedece cegamente ao manual de conduta dos nossos shoppings. E sob a condição de pe rder o emprego caso não cumpra zelosamente o manual, ele se obriga a perder a compaixão, a compostura, a humanidade. * Quanta violência já não foi cometida por pessoas que não hesitam em dizer "estou apenas cumprindo o meu dever"? * Mas nesse mesmo vídeo, "tanta violência, mas tanta ternura", como nos versos de Mário Faustino. O cliente resiste e vai "cometer" ali um "crime de generosidade". Oferecer um prato de comida a quem pede é uma violação do manual do sho