Pular para o conteúdo principal

quanto tempo de fundo musical você ouve por dia?

 



Diferente de outros serviços da internet, como delivery de lanches e streaming de filmes, que preferem não mostrar ao usuário a quantidade de junk food e junk films que ele consumiu no ano, o Spotify tem o prazer de anunciar a quantia de tempo que os assinantes levaram ouvindo música. Estes ouvintes, por sua vez, têm o prazer de compartilhar a informação com os amigos.

Assim, o ouvinte fica sabendo que gastou, por exemplo, 143.432 minutos ouvindo música. Parece pouco, mas esse número representa 27 por cento do total de minutos de um ano inteiro. Charlie Warzel, que escreve para o periódico The Atlantic, fez a seguinte pergunta no twitter: 

“Quem é o vencedor com mais minutos de audição no spotify esse ano?”


Os números vieram. 173 mil, 202 mil, 323 mil até que alguém respondeu que ouviu música por 376.395 minutos – 71,6% do tempo de um ano, numa média de 17 horas por dia!

Mas esse número foi superado por alguém que vive nos arredores de Paris. No print de tela constava: “Você gastou 432.870 minutos ouvindo. Isto é mais do que 100% dos demais ouvintes na França”.

Isso equivale a ouvir música por 299 dias seguidos sem apertar o ícone de pausa ao longo dos trezentos e sessenta e cinco dias do ano!

Outros destes super streamers (ou superusuários) contaram que usam o serviço para encontrar música que lhes ajudem a dormir. Então, boa parte desse tempo não é de audição consciente de música. Quando acordados, o foco na música não é muito maior porque eles usam música como fundo sonoro no trabalho, no estudo ou no transporte.

Alguns disseram ainda que, a fim de diminuir a ansiedade e a solidão durante a pandemia, passaram a ouvir cada vez mais música. Isso é como uma automedicação terapêutica.

Neste período, houve quem se especializasse em organizar playlists pessoais visando a manutenção da saúde mental. Embora nem sempre seja uma escuta atenta, pois a música acaba sendo usada como fundo musical, é sempre uma escuta marcada pela predileção e pelas associações culturais particulares. Para uma pessoa, o que lhe faz bem são peças de música instrumental. Para outra, são canções pop. Uns, sonatas; outros, músicas religiosas; e outros ainda, estilos diversificados, a depender da atividade que se vai fazer.

No entanto, um destes super streamers do spotify fez uma confissão: “Uma das minhas metas para 2022 é ter algumas horas de silêncio e aproveitar um pouco mais o mundo em que vivemos”.

É bom dar um descanso aos ouvidos. Pode parecer uma contradição que um músico esteja dizendo para você ouvir menos música, mas penso que é preocupante ouvir dez horas diárias de "fundo musical". Recomendo que você desenvolva uma escuta atenta e que também deixe seu ouvido "respirar". 

*****

Informações extraídas do texto de Charlie Warzel (How to spend 432.870 minutes on spotify in a year), The Atlantic, 06.12.2021. (https://newsletters.theatlantic.com/galaxy-brain/61a939762e822d00205caadf/spotify-wrapped-extreme/)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

o adventista Little Richard

Foi num sábado que faleceu aos 87 anos o mais famoso ex-aluno da universidade adventista Oakwood College: o cantor Little Richard. Ele mesmo, um dos pioneiros do rock, que cantou sucessos como "Tutti Frutti" e "Good Golly Miss Molly", o homem do inconfundível  wop-bop-aloo-bop-alop-bam-boom . Assim como vários outros cantores, Little Richard foi criado nos bancos de igrejas evangélicas da América. No auge do sucesso, em 1957, se sentindo em falta com sua fé e passando por problemas financeiros, anunciou que estava deixando tudo para se tornar pastor. Pesou nessa decisão um incidente em que uma forte turbulência afetou a aeronave onde ele viajava e Richard disse ter visto luzes brilhantes de anjos protegendo o voo, o que ele tomou como um sinal de Deus. Ele, então, foi estudar em Oakwood e durante cinco anos só gravou música gospel. Durante esse período, ele participou de uma campanha evangelística ao lado do pregador adventista E. E. Cleveland. Na ocasi

o dia mais gospel dos reis do rock

Depois de estourar nas rádios com a canção BLUE SUEDE SHOES, Carl Perkins foi gravar algo novo no estúdio da Sun Records, em Memphis. O iniciante cantor Johnny Cash foi lá assisti-lo. Quem também estava chegando no estúdio era o jovem Jerry Lee Lewis, uma aposta para o fim daquele ano de 1956. Quem o levou foi o dono da Sun Records, o lendário Sam Philips. Lendário porque este era o homem que descobrira Elvis Presley um ano atrás. Aliás, no meio da tarde, Elvis passaria no estúdio só para uma visita, pois já era um astro internacional e agora gravava na poderosa gravadora RCA Victor. Foi assim, por mera coincidência, que o dia 4 de dezembro de 1956 marcou um inédito encontro dos quatro cantores. Conversa vai, música vem, de repente os quatro estavam numa sessão improvisada de sucessos do rythm and blues, do country, do nascente rock and roll...e do gospel. Assim que Elvis chegou com sua namorada, Perkins interrompeu a gravação. Eles começaram a papear e rir, até que Elvis foi

a generosidade não está nos manuais

Corre na internet o vídeo em que um segurança impede que um cliente pague um almoço para uma criança que vendia chiclete no shopping. Nele, vemos duas formas de violência em estado bruto. 1) Uma criança pedindo (e não comprando, como é regra dos nossos shoppings) comida. E numa situação de viver da caridade de quem lhe detesta, uma criança com fome é a primeira violentada. 2) Um segurança que obedece cegamente ao manual de conduta dos nossos shoppings. E sob a condição de pe rder o emprego caso não cumpra zelosamente o manual, ele se obriga a perder a compaixão, a compostura, a humanidade. * Quanta violência já não foi cometida por pessoas que não hesitam em dizer "estou apenas cumprindo o meu dever"? * Mas nesse mesmo vídeo, "tanta violência, mas tanta ternura", como nos versos de Mário Faustino. O cliente resiste e vai "cometer" ali um "crime de generosidade". Oferecer um prato de comida a quem pede é uma violação do manual do sho