Pular para o conteúdo principal

Kaká e a religião do futebol


Se a guerra, segundo Clausewitz, é a continuação da política por outros meios, o futebol seria o prosseguimento da religião em nosso meio. Noves fora a politicagem contumaz que assola a organização desse esporte no Brasil, o futebol pode ser explicado como a religião com o maior número de fiéis no país.

Se o futebol é a religião, os times são as múltiplas denominações. Com a diferença de que o crente vai de uma denominação a outra, enquanto não se conhece quem troque de time com a mesma facilidade. Aliás, diz-se que o torcedor pode trocar de religião, de cônjuge e até de sexo, mas nunca trocará de time.

Assim como a maioria dos religiosos pouco se dá ao trabalho de conhecer a história de sua igreja ou estudar a fundo suas doutrinas, o torcedor (e boa parte dos jogadores também) mal conhece a história do esporte, suas regras ou seus direitos. No máximo, sabe de cor a escalação de um grande time do passado. Em geral, o torcedor fanático age como um fundamentalista religioso: ele logo esquece os erros do passado do seu time em prol das ações de sua equipe no presente, exibe sua paixão usando camisas, bonés e acessórios da equipe, seu time sempre está com a razão e, além de exigir vitórias o tempo todo, quer mais que o adversário se dê mal.

Esse último ponto é a marca do fiel torcedor (e secador): não basta ganhar do adversário. É preciso humilhá-lo, arrasá-lo, quase exterminá-lo. Digo quase, porque, no fundo, o torcedor de um time precisa do rival para que as partidas sejam épicas. É costume um time em baixa levantar-se justamente com uma vitória sobre o rival. Nesse caso, até o anoréxico 1 X 0 se torna um triunfo acachapante.

Se há religiosos que procuram acomodar equilibradamente sua cosmovisão religiosa, há aqueles que, em nome de não importa o deus ou deuses, subjugam violentamente qualquer um que não torça para a mesma fé, ou que não reze para o mesmo time. Esses costumam digladiar-se furiosamente na defesa de suas paixões clubísticas/doutrinárias, com saldo negativo para ambos os lados.

Mas será por causa dos fundamentalistas, dos criminosos eclesiásticos, dos pastores lobistas no Congresso, das ovelhas aliciadas pelo marketing religioso, por causa disso, a religião (ou o futebol) em si mesma é um erro, uma anomalia ultrapassada? Ora, não é esse um dos arrozoados de sempre do ateísmo e que hoje faz a fama de Richard Dawkins e Christopher Hitchens, apóstolos do proselitismo ateísta, o qual defendem, bem, religiosamente?

E o que Kaká tem a ver com tudo isso? É que o jovem craque eleito melhor jogador do ano é religioso e futebolista, e o é de uma forma pouco celebrada pela mídia. Kaká, no futebol, não é de cair na balada, não faz declarações de auto-promoção, não troca de namorada a cada estação, não teve uma infância pobre como a maioria, não é “maloqueiro”. Tem opiniões firmes sem ser agressivo. Em suma, mais parece um jogador europeu do que um típico boleiro brasileiro. Além disso, é boa-pinta – Maradona dizia de Beckham, “como alguém pode ser craque com essa carinha?” – e disciplinado.

Como religioso, Kaká é membro de uma denominação evangélica. Ou seja, num país de maioria católica, o craque veste a camisa de outra fé. E como a mídia põe num mesmo caldeirão toda igreja evangélica, em geral apresentada como um bando de fanáticos fundamentalistas em transe que grita nas ruas e nos templos-armazéns, Kaká também é visto com desconfiança.

Nesse aspecto, Kaká também parece diferente. Em certa entrevista, revelou sem grito que seu livro preferido é a Bíblia, lendo inclusive sua passagem preferida. Casou virgem, mas não fez disso um palanque promocional. Quer ser pastor quando encerrar a carreira de jogador, mas já adiantou que deve estudar teologia para conhecer os dogmas e doutrinas. Ele não se parece com aquele típico atleta de Cristo que se envolve em confusões dentro e fora do campo ou com aquele evangélico que só tem um assunto. Como já declarou, tem consciência do quanto é difícil ser fiel hoje em relação a princípios escritos há milênios.

Assim, como Kaká faz o estilo que os cínicos apelidam de “certinho”, o jogador não tem o perfil que as páginas sociais adoram e que muitos colunistas esportivos exaltam. Exemplos podem às vezes desapontar; talvez seja melhor seguir bons valores. Mas não seria ruim se o estilo Kaká fosse mais celebrado pela mídia.

Comentários

Anônimo disse…
Muito bom o texto, parabéns!
Continue assim!
Dá uma passada lá no meu blog!

www.acaoja.com

Vou colocar o texto lá.
Abraço!
Anônimo disse…
gostei da última frase que diz para celebrar o estilo e não o jogador. Creio que não devemos seguir exemplos, mas seguir valores.
Anônimo disse…
gostaria de saber em que religiao fass parte o jogador kaka
Anônimo disse…
Kaká é membro da Igreja Renascer em Cristo.

Postagens mais visitadas deste blog

o mito da música que transforma a água

" Música bonita gera cristais de gelo bonitos e música feia gera cristais de gelo feios ". E que tal essa frase? " Palavras boas e positivas geram cristais de gelo bonitos e simétricos ". O autor dessa teoria é o fotógrafo japonês Masaru Emoto (falecido em 2014). Parece difícil alguém com o ensino médio completo acreditar nisso, mas não só existe gente grande acreditando como tem gente usando essas conclusões em palestras sobre música sacra! O experimento de Masaru Emoto consistiu em tocar várias músicas próximo a recipientes com água. Em seguida, a água foi congelada e, com um microscópio, Emoto analisou as moléculas de água. Os cristais de água que "ouviram" música clássica ficaram bonitos e simétricos, ao passo que os cristais de água que "ouviram" música pop eram feios. Não bastasse, Emoto também testou a água falando com ela durante um mês. Ele dizia palavras amorosas e positivas para um recipiente e palavras de ódio e negativas par

o dia mais gospel dos reis do rock

Depois de estourar nas rádios com a canção BLUE SUEDE SHOES, Carl Perkins foi gravar algo novo no estúdio da Sun Records, em Memphis. O iniciante cantor Johnny Cash foi lá assisti-lo. Quem também estava chegando no estúdio era o jovem Jerry Lee Lewis, uma aposta para o fim daquele ano de 1956. Quem o levou foi o dono da Sun Records, o lendário Sam Philips. Lendário porque este era o homem que descobrira Elvis Presley um ano atrás. Aliás, no meio da tarde, Elvis passaria no estúdio só para uma visita, pois já era um astro internacional e agora gravava na poderosa gravadora RCA Victor. Foi assim, por mera coincidência, que o dia 4 de dezembro de 1956 marcou um inédito encontro dos quatro cantores. Conversa vai, música vem, de repente os quatro estavam numa sessão improvisada de sucessos do rythm and blues, do country, do nascente rock and roll...e do gospel. Assim que Elvis chegou com sua namorada, Perkins interrompeu a gravação. Eles começaram a papear e rir, até que Elvis foi

o adventista Little Richard

Foi num sábado que faleceu aos 87 anos o mais famoso ex-aluno da universidade adventista Oakwood College: o cantor Little Richard. Ele mesmo, um dos pioneiros do rock, que cantou sucessos como "Tutti Frutti" e "Good Golly Miss Molly", o homem do inconfundível  wop-bop-aloo-bop-alop-bam-boom . Assim como vários outros cantores, Little Richard foi criado nos bancos de igrejas evangélicas da América. No auge do sucesso, em 1957, se sentindo em falta com sua fé e passando por problemas financeiros, anunciou que estava deixando tudo para se tornar pastor. Pesou nessa decisão um incidente em que uma forte turbulência afetou a aeronave onde ele viajava e Richard disse ter visto luzes brilhantes de anjos protegendo o voo, o que ele tomou como um sinal de Deus. Ele, então, foi estudar em Oakwood e durante cinco anos só gravou música gospel. Durante esse período, ele participou de uma campanha evangelística ao lado do pregador adventista E. E. Cleveland. Na ocasi