Pular para o conteúdo principal

o consumo de gente

É difícil não concordar com o pensador francês Guy Lipovetsky quando ele diz que vivemos no Império do Efêmero. Homens e mulheres, deslumbrados com o milagre publicitário que promove a multiplicação das marcas, compram produto X, sonham com Y e acordam querendo Z. Da noite pro dia, já trocaram de sonho de consumo. Se este sonho de consumo é um sapato, uma bolsa, um carro ou uma namorada, isso já nem importa.

Como se estivessem assistindo a um interminável programa, usam o controle remoto para trocar de canal e de vida. Ah, enjoei desse celular que comprei ontem. Oh, cansei dessa aula sem computador na sala. Não, não posso mais ser visto dirigindo essa “carroça” importada. Sim, serei feliz e bonita e magra e admirada como aquela moça da propaganda de xampu.

De forma consciente ou não, são caprichos alimentados diuturnamente, são vontades que precisam ser saciadas ants que o tempo se vá. A rapidez com que vão surgindo as inovações tecnológicas aliada ao planejamento industrial de envelhecimento precoce dos bens de consumo (a tal obsolescência premeditada) fazem com que o celular, os óculos escuros e o sapato sejam bens tão perecíveis como o tomate e a laranja.

O que tem marcado nossos tempos velozes e furiosos é o processo de reificação das gentes: pessoas viram coisas, relacionamentos se tornam um arranjo de conveniência interesseira. Quase tudo é passível de compra e venda no shopping da fé, quase tudo vira mercadoria na vitrine dos vícios e virtudes. Como escrevia Nelson Rodrigues, "o dinheiro compra tudo, até o amor verdadeiro". Para além da frase teatral e sem esperança, eu diria que não se pode viver assim, negociando princípios e pessoas por trinta moedas de prata.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sabedoria x Estupidez nestes dias maus

"Nas minhas reflexões sobre estes tempos que vivemos no Brasil e a necessidade cada vez mais crescente de humanização e de paz, deparei-me com o ensaio "As Leis Fundamentais da Estupidez" [escrito pelo professor da Universidade da Califórnia em Berkeley (EUA), o italiano Carlo Cipolla, em 1976]. Com ele, veio a compreensão de que o que estamos vivendo em nosso país é a estupidez humana tornada pública em tal nível que ganha ares de triunfo pela visibilidade que as mídias digitais lhes proporcionam. "Digo isto baseada na Terceira Lei Fundamental da Estupidez, que Cipolla chama de Lei de Ouro. É a própria definição do termo, muito mais profunda do que a que eu vivenciava: UMA PESSOA ESTÚPIDA É UMA PESSOA QUE CAUSA UM DANO A UMA OUTRA PESSOA OU GRUPO DE PESSOAS, SEM, AO MESMO TEMPO, OBTER QUALQUER VANTAGEM PARA SI OU ATÉ MESMO SOFRENDO UMA PERDA. "Sim! Pedir intervenção militar num país cujas feridas dos 21 anos de ditadura militar ainda estão abertas, e qu

o adventista Little Richard

Foi num sábado que faleceu aos 87 anos o mais famoso ex-aluno da universidade adventista Oakwood College: o cantor Little Richard. Ele mesmo, um dos pioneiros do rock, que cantou sucessos como "Tutti Frutti" e "Good Golly Miss Molly", o homem do inconfundível  wop-bop-aloo-bop-alop-bam-boom . Assim como vários outros cantores, Little Richard foi criado nos bancos de igrejas evangélicas da América. No auge do sucesso, em 1957, se sentindo em falta com sua fé e passando por problemas financeiros, anunciou que estava deixando tudo para se tornar pastor. Pesou nessa decisão um incidente em que uma forte turbulência afetou a aeronave onde ele viajava e Richard disse ter visto luzes brilhantes de anjos protegendo o voo, o que ele tomou como um sinal de Deus. Ele, então, foi estudar em Oakwood e durante cinco anos só gravou música gospel. Durante esse período, ele participou de uma campanha evangelística ao lado do pregador adventista E. E. Cleveland. Na ocasi

o dia mais gospel dos reis do rock

Depois de estourar nas rádios com a canção BLUE SUEDE SHOES, Carl Perkins foi gravar algo novo no estúdio da Sun Records, em Memphis. O iniciante cantor Johnny Cash foi lá assisti-lo. Quem também estava chegando no estúdio era o jovem Jerry Lee Lewis, uma aposta para o fim daquele ano de 1956. Quem o levou foi o dono da Sun Records, o lendário Sam Philips. Lendário porque este era o homem que descobrira Elvis Presley um ano atrás. Aliás, no meio da tarde, Elvis passaria no estúdio só para uma visita, pois já era um astro internacional e agora gravava na poderosa gravadora RCA Victor. Foi assim, por mera coincidência, que o dia 4 de dezembro de 1956 marcou um inédito encontro dos quatro cantores. Conversa vai, música vem, de repente os quatro estavam numa sessão improvisada de sucessos do rythm and blues, do country, do nascente rock and roll...e do gospel. Assim que Elvis chegou com sua namorada, Perkins interrompeu a gravação. Eles começaram a papear e rir, até que Elvis foi