Pular para o conteúdo principal

Dostoiévski e o cristianismo nosso de cada dia

 "Existem três forças capazes de cativar e vencer a consciência para sua própria felicidade: o milagre, o mistério e a autoridade... [essas forças] Tu rejeitaste e deste pessoalmente o exemplo para tal rejeição".

Esta é uma fala de uma parábola que se refere à narrativa da rejeição de Cristo às propostas de se atirar do alto de um templo (para que provasse que era filho de Deus) e descer da cruz (para provar que era o Messias). Sempre me impressiona o que vem a seguir:

"Não desceste porque mais uma vez não quiseste escravizar o homem pelo milagre e ansiavas pela fé livre e não pela miraculosa. Ansiavas pelo amor livre e não pelo enlevo servil do escravo diante do poderio".

E mais:

"Nutriste a esperança de que, seguindo-te, o homem também estaria com Deus, sem precisar dos milagres. Porém, mal tendo rejeitado o milagre, o homem imediatamente renegou a Deus, porquanto o homem procura não tanto Deus quanto os milagres”.

Estes são trechos do capítulo 'O Grande Inquisidor', do livro OS IRMÃOS KARAMÁZOV, escrito pelo russo Fyodor DOSTOIÉVSKI. Nascido há 200 anos em 11 de novembro de 1821, ele também escreveu CRIME E CASTIGO, MEMÓRIAS DO SUBSOLO, O IDIOTA, O DUPLO e NOITES BRANCAS.

Dostoiévski foi um cristão ortodoxo e seus livros traziam profundas reflexões sobre a fé, a vivência espiritual e o poder religioso. No capítulo ‘O Grande Inquisidor’, o autor destila uma visão crítica da institucionalização da igreja, que, para ele, estava cega pelo poder temporal e religioso.

Dostoiévski cria uma parábola em que imagina que Cristo desce à Terra no tempo da Inquisição e anda em meio ao povo, cura cegos, ressuscita uma menina, é reconhecido pelo povo e então é preso por um velho inquisidor. Este lhe pergunta:

"És Tu? Por que vieste nos atrapalhar? És Ele ou semelhança d'Ele, mas amanhã te julgo e te queimo na fogueira como o mais perverso dos hereges, e o mesmo povo que hoje te beijou os pés, ao meu sinal, se precipitará a trazer carvão para tua fogueira, sabias?”

Segundo a interpretação teológica comum, Cristo cumpriu a lei, mas foi culpado de “atrapalhar” a vivência sedimentada da religião e foi crucificado com a anuência da liderança religiosa de sua época por suposta heresia.

A questão não é encontrar heresias, pois isto requer mera comparação de diferença entre atitudes e normas, entre novos ventos de doutrina e princípios estabelecidos. O problema é estarmos tão autocentrados em nosso modelo de tradição ou nosso método de renovação que chamemos de heresia qualquer outro pensamento ou estratégia.

Munidos de autonomia teológica e encantados por novas chaves de interpretação bíblica, os fiéis correm o risco de chamar de estagnação espiritual tudo o que não é espelho. Dominada pela ostentação da verdade teológica e por estratégias empresariais de gestão de pessoas, a liderança eclesiástica corre o risco de perder o senso de autocorreção e conhecimento progressivo.

Se estivermos, leigos e pastores, cegos pela autoridade punitiva, esterilidade teológica, manutenção do status e exclusivismo religioso, somos capazes de trazer carvão para a fogueira dos hereges de novo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

o adventista Little Richard

Foi num sábado que faleceu aos 87 anos o mais famoso ex-aluno da universidade adventista Oakwood College: o cantor Little Richard. Ele mesmo, um dos pioneiros do rock, que cantou sucessos como "Tutti Frutti" e "Good Golly Miss Molly", o homem do inconfundível  wop-bop-aloo-bop-alop-bam-boom . Assim como vários outros cantores, Little Richard foi criado nos bancos de igrejas evangélicas da América. No auge do sucesso, em 1957, se sentindo em falta com sua fé e passando por problemas financeiros, anunciou que estava deixando tudo para se tornar pastor. Pesou nessa decisão um incidente em que uma forte turbulência afetou a aeronave onde ele viajava e Richard disse ter visto luzes brilhantes de anjos protegendo o voo, o que ele tomou como um sinal de Deus. Ele, então, foi estudar em Oakwood e durante cinco anos só gravou música gospel. Durante esse período, ele participou de uma campanha evangelística ao lado do pregador adventista E. E. Cleveland. Na ocasi

o dia mais gospel dos reis do rock

Depois de estourar nas rádios com a canção BLUE SUEDE SHOES, Carl Perkins foi gravar algo novo no estúdio da Sun Records, em Memphis. O iniciante cantor Johnny Cash foi lá assisti-lo. Quem também estava chegando no estúdio era o jovem Jerry Lee Lewis, uma aposta para o fim daquele ano de 1956. Quem o levou foi o dono da Sun Records, o lendário Sam Philips. Lendário porque este era o homem que descobrira Elvis Presley um ano atrás. Aliás, no meio da tarde, Elvis passaria no estúdio só para uma visita, pois já era um astro internacional e agora gravava na poderosa gravadora RCA Victor. Foi assim, por mera coincidência, que o dia 4 de dezembro de 1956 marcou um inédito encontro dos quatro cantores. Conversa vai, música vem, de repente os quatro estavam numa sessão improvisada de sucessos do rythm and blues, do country, do nascente rock and roll...e do gospel. Assim que Elvis chegou com sua namorada, Perkins interrompeu a gravação. Eles começaram a papear e rir, até que Elvis foi

a generosidade não está nos manuais

Corre na internet o vídeo em que um segurança impede que um cliente pague um almoço para uma criança que vendia chiclete no shopping. Nele, vemos duas formas de violência em estado bruto. 1) Uma criança pedindo (e não comprando, como é regra dos nossos shoppings) comida. E numa situação de viver da caridade de quem lhe detesta, uma criança com fome é a primeira violentada. 2) Um segurança que obedece cegamente ao manual de conduta dos nossos shoppings. E sob a condição de pe rder o emprego caso não cumpra zelosamente o manual, ele se obriga a perder a compaixão, a compostura, a humanidade. * Quanta violência já não foi cometida por pessoas que não hesitam em dizer "estou apenas cumprindo o meu dever"? * Mas nesse mesmo vídeo, "tanta violência, mas tanta ternura", como nos versos de Mário Faustino. O cliente resiste e vai "cometer" ali um "crime de generosidade". Oferecer um prato de comida a quem pede é uma violação do manual do sho