Pular para o conteúdo principal

EUA e China: assim caminham os impérios

No melhor estilo China, o espetáculo de abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim foi um primor de criatividade e excelência artística. No pior estilo China, o mesmo espetáculo mostrou seu lado fajuto de imitação e seleção ariana. Os fogos de artifício que pareciam pegadas no ar eram imagens pré-gravadas; as 56 crianças que representavam as 56 etnias que habitam no país na verdade eram todas de uma etnia apenas – ou seja, a democracia racial chinesa era fajuta até na ficção do espetáculo.

Mas nada se compara ao uso de uma cantora falsa naquela abertura. E não estou falando de Sarah Brightman, por favor. Mas, convenhamos, seria bem pior se ela cantasse balançando no trapézio como nos seus shows. Mas voltemos ao espetáculo made in China. A voz que cantou a música “Ode à Pátria” durante a cerimônia de abertura não era de Lin Miaoke (à direita na foto), de nove anos. A garotinha estava apenas dublando. “Queríamos passar uma imagem perfeita e pensamos no que seria melhor para a nação”, disse o diretor musical Chen Qijang.

A voz original pertence a Yang Peiyi (à esquerda), uma menina gordinha, de sete anos e com os dentes fora do lugar, e claro que ninguém se importou com a frustração da criança. “Era uma questão de interesse nacional. A criança tinha de ser expressiva”, justificou Chen. Vemos, assim, que a frase de Samuel Johnson é de aplicação universal: “O nacionalismo é o último refúgio dos canalhas”. Na adaptação de Millôr, é o primeiro.

Mas, calma aí. Andam acusando a China de converter o mundo numa Grande Calçada da 25 de Março quando muito brasileiro não se segura quando vê uma promoção de dvds a 1 real no camelódromo mais próximo, não resiste a um Stand Center (se você não conhece, o Stand Center é uma espécie de Zona Franca da China no coração da Avenida Paulista).

Reclama-se da falsidade dos brinquedos chineses, mas poucos alimentos são mais fajutos do que um BigBob ou Big Mac com Coca-Cola, e resistir quem há de?

Os espetáculos chineses são fajutos? O que dizer, então, da falsidade dos reality shows americanos? E o que são as cópias brasileiras de musicais de Andrew Lloyd Webber, o papa do american brega? E a dupla Milli Vanilli, que teve que devolver os prêmios que recebeu porque eram dublês de cantores? E a fajutice ridícula de rappers e roqueiros que denunciam o consumismo e o preconceito vestidos com bermudão de marca e mostrando a indefectível cueca de marca?

O Ocidente civilizado e democrático denuncia a política chinesa de direitos humanos? Mas, e a terra sem lei de Guantánamo? E as expulsões de estrangeiros na Europa? E o assassinato de crianças dentro de carros por policiais cariocas? Como no Oriente, no Ocidente costuma-se usar a defesa do bem coletivo para casos de 'segurança nacional'. Quando você ouvir falar em assuntos de segurança nacional pode apostar que sangue, inocente ou não, já está sendo derramado.

A China suprime sites de oposição ao governo e também reprime a violência pornográfica de games? Mas o que são os políticos ocidentais que desviam verbas destinadas à escolas e tramam projetos auto-beneficiários senão cruéis atores de ladroagem pornográfica.

Critica-se o uso demagógico do confucionismo na China. E o que é o uso demagógico do marxismo pelos partidos de esquerda no Ocidente? E o abuso demagógico e marketeiro do cristianismo pelo carismatismo católico e pelos políticos neopentecostais?

A China resolveu deixar de ser colônia e agora quer ser império. Os impérios são assim: escravocratas, exploradores e ufanistas. Assim como a China moderna remove florestas e montanhas para fazer avançar seu projeto econômico-industrial, assim foram Roma na antigüidade, Portugal e Espanha na América, Holanda e Inglaterra na África. E amanhã, a supremacia chinesa vai fazer a gente sentir falta do tempo em que estávamos à sombra de Tio Sam? Qual será o menos pior? O império repressor do dragão chinês ou o império do lobo fundamentalista norte-americano que finge ser um cordeiro liberal?

Aguardem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como os adventistas reagiram à pandemia de 1918?

Nos anos de 1918-1919, a chamada gripe espanhola fez milhões de vítimas ao redor do mundo. Nessa época, a I Guerra Mundial já estava em seu fim deixando um rastro terrível de perdas humanas e economias arrasadas. Nesse cenário de crise e destruição, como os adventistas reagiram? Os documentos que consultei mostram algumas respostas na comunidade de adventistas do sétimo dia nos Estados Unidos, país cuja população foi atingida severamente por três ondas da pandemia, tendo um número estimado de 500 mil a 675 mil pessoas mortas em consequência da infecção.  Algumas razões da disseminação foram: - A demora em aceitar a periculosidade da doença : em janeiro de 1918, um médico da região de Haskell, no Estado do Kansas, alertou as autoridades sanitárias a respeito de um forte aumento nos casos de influenza. Em março, a base militar de Funston registrou 1.100 soldados infectados. O vírus foi se espalhando por outras bases militares rapidamente e logo passou a fazer vítimas nas grandes cidades.

Sabedoria x Estupidez nestes dias maus

"Nas minhas reflexões sobre estes tempos que vivemos no Brasil e a necessidade cada vez mais crescente de humanização e de paz, deparei-me com o ensaio "As Leis Fundamentais da Estupidez" [escrito pelo professor da Universidade da Califórnia em Berkeley (EUA), o italiano Carlo Cipolla, em 1976]. Com ele, veio a compreensão de que o que estamos vivendo em nosso país é a estupidez humana tornada pública em tal nível que ganha ares de triunfo pela visibilidade que as mídias digitais lhes proporcionam. "Digo isto baseada na Terceira Lei Fundamental da Estupidez, que Cipolla chama de Lei de Ouro. É a própria definição do termo, muito mais profunda do que a que eu vivenciava: UMA PESSOA ESTÚPIDA É UMA PESSOA QUE CAUSA UM DANO A UMA OUTRA PESSOA OU GRUPO DE PESSOAS, SEM, AO MESMO TEMPO, OBTER QUALQUER VANTAGEM PARA SI OU ATÉ MESMO SOFRENDO UMA PERDA. "Sim! Pedir intervenção militar num país cujas feridas dos 21 anos de ditadura militar ainda estão abertas, e qu

o adventista Little Richard

Foi num sábado que faleceu aos 87 anos o mais famoso ex-aluno da universidade adventista Oakwood College: o cantor Little Richard. Ele mesmo, um dos pioneiros do rock, que cantou sucessos como "Tutti Frutti" e "Good Golly Miss Molly", o homem do inconfundível  wop-bop-aloo-bop-alop-bam-boom . Assim como vários outros cantores, Little Richard foi criado nos bancos de igrejas evangélicas da América. No auge do sucesso, em 1957, se sentindo em falta com sua fé e passando por problemas financeiros, anunciou que estava deixando tudo para se tornar pastor. Pesou nessa decisão um incidente em que uma forte turbulência afetou a aeronave onde ele viajava e Richard disse ter visto luzes brilhantes de anjos protegendo o voo, o que ele tomou como um sinal de Deus. Ele, então, foi estudar em Oakwood e durante cinco anos só gravou música gospel. Durante esse período, ele participou de uma campanha evangelística ao lado do pregador adventista E. E. Cleveland. Na ocasi