Pular para o conteúdo principal

de coices e dribles

Qual a diferença entre cavalos bufando antes da largada e vinte e dois homens perfilados antes de uma partida de futebol? É que os cavalos não sabem cantar o Hino Nacional. A piada, para alguns, ofende a criatura humana. Se bem que, dependendo do jogo, a piada ofende os cavalos.

Brasil e Itália entram em campo, perfilam-se respeitosamente, toca-se o hino pátrio, mão no peito, voz tímida, olhar tenso. Comecemos com o hino. No ano passado, ouvimos direto de Goiânia a interpretação de Zezé de Camargo do famoso “Ouviram do Ipiranga”, verso cuja única razão de existir parece ser a de servir de pegadinha em provas de português (quem é o sujeito? Ipiranga? As margens plácidas? Povo heróico?).

Esquecendo que o cantor romântico, quando cantava as sílabas maiúsculas de “ó pátria aMAda, idolaTRAda”, desviava-se das notas certas, até que ele não se saiu mal. Nem sentiu falta do irmão Luciano.

No jogo dessa terça-feira (10/02), uma fanfarra acelerou tanto o andamento do nosso hino que desafiava até a dicção de locutor de jóquei. Vai ver o maestro tinha percebido nos ensaios que o hino nacional brasileiro divide-se em: 1ª estrofe – duração de três minutos; com a 2ª estrofe – dura três dias. O hino é tão belo quanto interminável, principalmente com aquela introdução triunfal (repetida entre as estrofes).

Mas, e o jogo? A história explica. Alguns historiadores dizem que os renascentistas italianos já praticavam o futebol, mas não como aquele que os ingleses viriam a “inventar”. Dizem que Leonardo era um gênio do esporte, fazendo carreira como técnico de estratégias indecifráveis, daí a existência de um código Da Vinci que só ele sabia ensinar aos jogadores.

Voltando a história real, o esporte chamava-se Calcio (e assim é chamado até hoje na Itália). Esporte nada. Aquilo era uma disputa para ver quem se saía melhor no domínio de uma bexiga de boi e o evento era uma verdadeira batalha. Táticas, espírito guerreiro, rivalidade. Calcio designava “pontapé”, “coice”. O resto é por conta da sua imaginação.

No Brasil pós-Charles Muller, o futebol virou sinônimo de diversão, arte, de algo lúdico. Por isso chamamos de jogo (giuoco), uma brincadeira. Na Itália, chamam de “gara” – disputa, competição. No primeiro tempo da partida entre as seleções, ambas tentaram o jogo, mas foram os meninos brasileiros que se divertiram mais. Na segunda etapa, a Itália partiu para o ataque, em ambos os sentidos. Atacou o Brasil, sem eficiência européia e atacou as pernas dos jogadores brasileiros, revivendo o sentido original do Calcio. O resultado é que o giuoco venceu a gara por 2x0.

Não é sempre assim. Na Copa de 1982, o Brasil jogava um futebol-fantasia, um futebol encantado. Mas a seleção italiana estava num dia competitivo e Paolo Rossi não quis saber de brincadeira ou diversão. Minha meninice não suportaria a arte sair de campo derrotada daquela forma e não tive mais grandes prazeres com os jogos da nossa seleção. Nem mesmo com as futuras conquistas de Copa do Mundo (94 e 2002). Aquela seleção de Junior, Falcão, Sócrates e Zico é meu pé de laranja lima.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

o mito da música que transforma a água

" Música bonita gera cristais de gelo bonitos e música feia gera cristais de gelo feios ". E que tal essa frase? " Palavras boas e positivas geram cristais de gelo bonitos e simétricos ". O autor dessa teoria é o fotógrafo japonês Masaru Emoto (falecido em 2014). Parece difícil alguém com o ensino médio completo acreditar nisso, mas não só existe gente grande acreditando como tem gente usando essas conclusões em palestras sobre música sacra! O experimento de Masaru Emoto consistiu em tocar várias músicas próximo a recipientes com água. Em seguida, a água foi congelada e, com um microscópio, Emoto analisou as moléculas de água. Os cristais de água que "ouviram" música clássica ficaram bonitos e simétricos, ao passo que os cristais de água que "ouviram" música pop eram feios. Não bastasse, Emoto também testou a água falando com ela durante um mês. Ele dizia palavras amorosas e positivas para um recipiente e palavras de ódio e negativas par

o dia mais gospel dos reis do rock

Depois de estourar nas rádios com a canção BLUE SUEDE SHOES, Carl Perkins foi gravar algo novo no estúdio da Sun Records, em Memphis. O iniciante cantor Johnny Cash foi lá assisti-lo. Quem também estava chegando no estúdio era o jovem Jerry Lee Lewis, uma aposta para o fim daquele ano de 1956. Quem o levou foi o dono da Sun Records, o lendário Sam Philips. Lendário porque este era o homem que descobrira Elvis Presley um ano atrás. Aliás, no meio da tarde, Elvis passaria no estúdio só para uma visita, pois já era um astro internacional e agora gravava na poderosa gravadora RCA Victor. Foi assim, por mera coincidência, que o dia 4 de dezembro de 1956 marcou um inédito encontro dos quatro cantores. Conversa vai, música vem, de repente os quatro estavam numa sessão improvisada de sucessos do rythm and blues, do country, do nascente rock and roll...e do gospel. Assim que Elvis chegou com sua namorada, Perkins interrompeu a gravação. Eles começaram a papear e rir, até que Elvis foi

o adventista Little Richard

Foi num sábado que faleceu aos 87 anos o mais famoso ex-aluno da universidade adventista Oakwood College: o cantor Little Richard. Ele mesmo, um dos pioneiros do rock, que cantou sucessos como "Tutti Frutti" e "Good Golly Miss Molly", o homem do inconfundível  wop-bop-aloo-bop-alop-bam-boom . Assim como vários outros cantores, Little Richard foi criado nos bancos de igrejas evangélicas da América. No auge do sucesso, em 1957, se sentindo em falta com sua fé e passando por problemas financeiros, anunciou que estava deixando tudo para se tornar pastor. Pesou nessa decisão um incidente em que uma forte turbulência afetou a aeronave onde ele viajava e Richard disse ter visto luzes brilhantes de anjos protegendo o voo, o que ele tomou como um sinal de Deus. Ele, então, foi estudar em Oakwood e durante cinco anos só gravou música gospel. Durante esse período, ele participou de uma campanha evangelística ao lado do pregador adventista E. E. Cleveland. Na ocasi