Pular para o conteúdo principal

fábulas menores de moral mínima (opus 5)

Com a desculpa esfarrapada e descalça de que estou atribulado com o último capítulo da minha honorável dissertação, saquei do fundo do arquivo "meus documentos" essa pouco honorável fábula. Estudantes da graduação ou da pós, e não só eles, espero, vão entender as agruras.


O menino, o velhaco e o burro – uma fábula revista e atualizada

O menino universitário, após uma longa temporada à sombra das raparigas em flor nada proustianas mas em tudo calypseiras, decide que já é hora de crescer e deixar essa vida cruel de passar a semana afogado em números e letras e o fim-de-semana afogado em anônimos beijos atrás do trio elétrico. Mas, esse guerreiro-menino não sairá do templo do saber assim impunemente. Primeiro, é preciso mostrar que aprendeu alguma coisa de útil na vida. É preciso entregar, troçus terribilis, sua monografia. Seu destino acadêmico é: pague para entrar, entregue uma monografia para sair. Não, não, reza braba não dá jeito, o cabra pode ser valente, mas só na lembrança do texto vai chorar.

Nessa ingrata hora de seus infortúnios, surge o único que irá lhe defender: o Google, o labirinto dos insensatos e padrasto de nós todos, onde se vai encontrar o que se quer: muito joio e lá, bem no fundo, escondido e raro, um punhado de trigo. Mas esse trabalho de joeiramento das fontes pesquisadas não é compatível com tanta balada e tão poucos engenhos e, a fim de evitar a fadiga, ele repassa o trabalho para qualquer outro. Não é exatamente qualquer outro, basta qualquer um que saiba tirar essa pedra do meio de seu caminho. É aqui que entra o velho.

O velho não precisa ser um ancião, mas alguém com alguns calejados anos de prática de revisão e correção de rudes esforços estudantis que aceita alguns níqueis para fazer um trabalho que o menino não quer ou não tem tempo para ou não aprendeu a fazer mesmo.

E o burro? Em tempos zoologicamente corretos, não existe ninguém burro, no máximo um indivíduo intelectualmente diferenciado, o que ainda pode constituir grave ofensa aos nossos semelhantes, os muares.

Enfim,  o velho vai precisar de energia juvenil para atravessar as noites de claro em claro e o menino se torna um velhaco ao defender o que não sabe diante daqueles que sabem que o menino só pensa que sabe.

Após uma triunfal compilação das idéias alheias, ele sairá do purgatório das defesas de teses por uma das duas saídas: o inferno dos plagiadores ou o paraíso dos compiladores.

Moral mínima, já por muitos conhecida: copiar uma citação é plágio; copiar várias, é monografia.

E se não for monografia é o texto de um blog, como essa minha fábula recheada de citações não-creditadas.

Comentários

Anônimo disse…
Tem selo pra você lá no Blog!

http://coisasdestavida.wordpress.com/2009/02/05/selos/

Coloquei o link pra ficar mais fácil.
joêzer disse…
valeu, lidia.
não conhecia o sistema de selos virtuais, mas parece que ganhá-los também são coisas (boas) desta vida.
Anônimo disse…
São coisas boas sim...

Quando puder vá lá e receba seu prêmio.

Um abraço,

Lídia
Luciana Teixeira disse…
Deixa eu dar uma de enxerida: sobre o que mesmo é sua dissertação? :-))
joêzer disse…
luciana,
estudo a música gospel neopentecostal brasileira e sua interação com a cultura pop.
a análise é musicológica (letra e arranjos) e sociológica (pós-modernidade, mídias, esses bichos papões).
Anônimo disse…
massa!
e realmente uma trabalheira, hehehe.

Postagens mais visitadas deste blog

o mito da música que transforma a água

" Música bonita gera cristais de gelo bonitos e música feia gera cristais de gelo feios ". E que tal essa frase? " Palavras boas e positivas geram cristais de gelo bonitos e simétricos ". O autor dessa teoria é o fotógrafo japonês Masaru Emoto (falecido em 2014). Parece difícil alguém com o ensino médio completo acreditar nisso, mas não só existe gente grande acreditando como tem gente usando essas conclusões em palestras sobre música sacra! O experimento de Masaru Emoto consistiu em tocar várias músicas próximo a recipientes com água. Em seguida, a água foi congelada e, com um microscópio, Emoto analisou as moléculas de água. Os cristais de água que "ouviram" música clássica ficaram bonitos e simétricos, ao passo que os cristais de água que "ouviram" música pop eram feios. Não bastasse, Emoto também testou a água falando com ela durante um mês. Ele dizia palavras amorosas e positivas para um recipiente e palavras de ódio e negativas par

o dia mais gospel dos reis do rock

Depois de estourar nas rádios com a canção BLUE SUEDE SHOES, Carl Perkins foi gravar algo novo no estúdio da Sun Records, em Memphis. O iniciante cantor Johnny Cash foi lá assisti-lo. Quem também estava chegando no estúdio era o jovem Jerry Lee Lewis, uma aposta para o fim daquele ano de 1956. Quem o levou foi o dono da Sun Records, o lendário Sam Philips. Lendário porque este era o homem que descobrira Elvis Presley um ano atrás. Aliás, no meio da tarde, Elvis passaria no estúdio só para uma visita, pois já era um astro internacional e agora gravava na poderosa gravadora RCA Victor. Foi assim, por mera coincidência, que o dia 4 de dezembro de 1956 marcou um inédito encontro dos quatro cantores. Conversa vai, música vem, de repente os quatro estavam numa sessão improvisada de sucessos do rythm and blues, do country, do nascente rock and roll...e do gospel. Assim que Elvis chegou com sua namorada, Perkins interrompeu a gravação. Eles começaram a papear e rir, até que Elvis foi

o adventista Little Richard

Foi num sábado que faleceu aos 87 anos o mais famoso ex-aluno da universidade adventista Oakwood College: o cantor Little Richard. Ele mesmo, um dos pioneiros do rock, que cantou sucessos como "Tutti Frutti" e "Good Golly Miss Molly", o homem do inconfundível  wop-bop-aloo-bop-alop-bam-boom . Assim como vários outros cantores, Little Richard foi criado nos bancos de igrejas evangélicas da América. No auge do sucesso, em 1957, se sentindo em falta com sua fé e passando por problemas financeiros, anunciou que estava deixando tudo para se tornar pastor. Pesou nessa decisão um incidente em que uma forte turbulência afetou a aeronave onde ele viajava e Richard disse ter visto luzes brilhantes de anjos protegendo o voo, o que ele tomou como um sinal de Deus. Ele, então, foi estudar em Oakwood e durante cinco anos só gravou música gospel. Durante esse período, ele participou de uma campanha evangelística ao lado do pregador adventista E. E. Cleveland. Na ocasi