Pular para o conteúdo principal

os morangos silvestres da sabedoria

Já ouvi (ou penso ter ouvido) a frase saída da boca de um homem velho, cansado e doente: “A sabedoria nos chega numa idade em que já não nos serve para nada”. Quando ouço os ex-jogadores Edmundo e Neto falando dos erros cometidos que sabotaram a própria carreira, entendo o que quis dizer aquele idoso. Talvez, se sábios fossem, tivessem agido diferente ao longo da vida.

Para o doutor Isak Borg, apesar das cãs de seus 73 anos, a sabedoria nem sequer chegou. Borg, o protagonista da obra-prima Morangos Silvestres (1957), viaja de carro até uma cidade onde receberá um título acadêmico. No trajeto lhe acompanha sua nora e três jovens que lhe pedem carona. Ao longo da viagem, ele faz uma revisão de sua vida e começa a perceber o quanto se afastou dos seus ideais de juventude.

Os morangos silvestres colhidos agora pela sua memória, além de representarem a porta para relembrar a inocência distante, simbolizam os simples prazeres da vida que ele trocou por aquisições intelectuais.

Doces recordações são nubladas pela proximidade da morte, o que atormenta o doutor Borg com pesadelos terríveis (um deles, que envolve uma rua vazia, um homem sem rosto, e uma carruagem de onde cai um ataúde – mais que isso não posso dizer –, é encenado no começo do filme com uma genialidade rara).

Em uma cena memorável, Isak Borg sonha que está numa sala em que as pessoas que ele menosprezou comparecem como testemunhas mudas de sua indiferença ao convívio de amigos e familiares. Um homem lhe pergunta: “Qual o primeiro dever de um médico?” Isak Borg não lembra ou não sabe. A resposta é um golpe direto: “O primeiro dever de um médico é pedir desculpas!” Borg admite, então, que o castigo para ele é a solidão, a clausura de soberba e autossuficiência em que ele mesmo se aprisionou.

Mas o personagem é alguém que, na sua reavaliação do passado, vai enfim encontrando a reconciliação consigo e com a família.

O cineasta Ingmar Bergman é um mestre na arte de mudar o tom da narrativa da melancolia para a alegria, e de volta para a melancolia e depois para a serena harmonia. Esse encadeamento é sutil e desenrola-se com o auxílio de uma belíssima fotografia em preto e branco e da atuação não menos que sublime de Victor Sjöström, cujas rugas transmitem o desconsolo de um homem que se refugia em recordações juvenis.

Morangos Silvestres não quer ser mais um passatempo esquecível no nosso precioso tempo. É um filme que pesa assuntos que não queremos por na balança, como a morte, a solidão, a velhice. Mas muitos de nós parecemos tão cansados (e nos sentimos tão longe do fim da vida) que só nos contentamos com um entretenimento passageiro, algo banal que nos faça esquecer nossa mortalidade, nosso aprendizado diário de convivência.

É um filme sem pressa, mas que absorve rapidamente o espectador. Sem pressa, diga-se, mas absolutamente sem tédio. A menos que você esteja atrás de balas, beijos e bombas para se entreter.

Comentários

Luciana Teixeira disse…
tá na minha lista :)

Postagens mais visitadas deste blog

o adventista Little Richard

Foi num sábado que faleceu aos 87 anos o mais famoso ex-aluno da universidade adventista Oakwood College: o cantor Little Richard. Ele mesmo, um dos pioneiros do rock, que cantou sucessos como "Tutti Frutti" e "Good Golly Miss Molly", o homem do inconfundível  wop-bop-aloo-bop-alop-bam-boom . Assim como vários outros cantores, Little Richard foi criado nos bancos de igrejas evangélicas da América. No auge do sucesso, em 1957, se sentindo em falta com sua fé e passando por problemas financeiros, anunciou que estava deixando tudo para se tornar pastor. Pesou nessa decisão um incidente em que uma forte turbulência afetou a aeronave onde ele viajava e Richard disse ter visto luzes brilhantes de anjos protegendo o voo, o que ele tomou como um sinal de Deus. Ele, então, foi estudar em Oakwood e durante cinco anos só gravou música gospel. Durante esse período, ele participou de uma campanha evangelística ao lado do pregador adventista E. E. Cleveland. Na ocasi

o dia mais gospel dos reis do rock

Depois de estourar nas rádios com a canção BLUE SUEDE SHOES, Carl Perkins foi gravar algo novo no estúdio da Sun Records, em Memphis. O iniciante cantor Johnny Cash foi lá assisti-lo. Quem também estava chegando no estúdio era o jovem Jerry Lee Lewis, uma aposta para o fim daquele ano de 1956. Quem o levou foi o dono da Sun Records, o lendário Sam Philips. Lendário porque este era o homem que descobrira Elvis Presley um ano atrás. Aliás, no meio da tarde, Elvis passaria no estúdio só para uma visita, pois já era um astro internacional e agora gravava na poderosa gravadora RCA Victor. Foi assim, por mera coincidência, que o dia 4 de dezembro de 1956 marcou um inédito encontro dos quatro cantores. Conversa vai, música vem, de repente os quatro estavam numa sessão improvisada de sucessos do rythm and blues, do country, do nascente rock and roll...e do gospel. Assim que Elvis chegou com sua namorada, Perkins interrompeu a gravação. Eles começaram a papear e rir, até que Elvis foi

a generosidade não está nos manuais

Corre na internet o vídeo em que um segurança impede que um cliente pague um almoço para uma criança que vendia chiclete no shopping. Nele, vemos duas formas de violência em estado bruto. 1) Uma criança pedindo (e não comprando, como é regra dos nossos shoppings) comida. E numa situação de viver da caridade de quem lhe detesta, uma criança com fome é a primeira violentada. 2) Um segurança que obedece cegamente ao manual de conduta dos nossos shoppings. E sob a condição de pe rder o emprego caso não cumpra zelosamente o manual, ele se obriga a perder a compaixão, a compostura, a humanidade. * Quanta violência já não foi cometida por pessoas que não hesitam em dizer "estou apenas cumprindo o meu dever"? * Mas nesse mesmo vídeo, "tanta violência, mas tanta ternura", como nos versos de Mário Faustino. O cliente resiste e vai "cometer" ali um "crime de generosidade". Oferecer um prato de comida a quem pede é uma violação do manual do sho