Pular para o conteúdo principal

ghost não se discute


O cinema é uma arte do espírito. De qual espírito, eu não sei. Tirando por Transformers barulhentos, deve ser de um espírito caído. Se for por filmes de vampiros melodramáticos, então deve ser de um espírito caidaço.

Na historietas de Roliúdi, é fácil topar com fantasmas benevolentes, ectoplasmas apaixonados, visagens carismáticas. E haja espíritos maus e assustadores, doidos para levar tua alma à meia-noite. Mas o personagem espiritualista, se não for uma adivinhadora folclórica, é retratado com açúcar e com afeto e seu médium predileto merecerá uma hagiografia, o que, no cinema, nada mais é do que um photoshop na biografia do indivíduo. Nem isso os adeptos de outras religiões merecem: judeu? a reputação não muda; cristãos? quase sempre figuras fanáticas; islâmicos? gentalha terrorista.

Não importa a crença. Melhor a falta de crença até. A novela espírita global Escrito nas Estrelas é de autoria de uma católica; o filme Chico Xavier é dirigido pelo ateu Daniel Filho. Isso prova que a fé (e a falta de fé) movem bilheterias.

A questão não é dizer se o filme é bom ou ruim ou acreditar na existência de seres sobrenaturais. Religião, e até o gosto, se discutem, sim, e se aprimoram no estudo e no diálogo. Já o conteúdo, as mensagens, de filmes com temáticas espiritualistas e/ou mágicas, isso não se discute. Como escreve o crítico Luiz Fernando Gallego sobre o público desses filmes: "[uma] enorme parcela interessada em milagres, mais do que em narrativas cinematográficas; ou em busca de saídas mágicas, mais do que em reflexões sobre a realidade sócio-psicológica-existencial".

Como a filosofia new age é tratada pelo cinema na base de duendes inofensivos e bruxinhos adolescentes, então a crítica parece menos preocupada com o conteúdo e mais com a estética e o sucesso desses filmes. Como as donzelas vivem amores sobrenaturais e crianças puras enxergam o além, então não se questiona a inocência das peripécias espíritas. Afinal, ghost não se discute.

Experimente alguém chegar com a ideia de um filme com mensagem cristã. Aí não. Isso logo será taxado de moralismo e, valei-nos Alan Kardec, de proselitismo evangélico. No máximo apresentam repetidas histórias de personagens bíblicos. O restante do cristianismo, com as exceções de praxe, é mostrado como representações mitológicas da Antiguidade. Anjos segundo a Bíblia no cinema? Nunca. Já o diabo é quase sempre um fanfarrão e não o personagem importante no conflito cósmico descrito na Bíblia.

O cinema e as novelas da TV vêm reciclando as doutrinas new age, o nome de batismo do neopaganismo, e encenando os princípios do espiritualismo. De O Fantasma apaixonado (1948) à Amor além da vida (1998) e Mensagem do Além, de Reencarnação (2004) à 1408 (2007) e Um Olhar do Paraíso (2009) passando pelo inevitável Ghost (1990) e chegando aos avatarianos Na’vi praticantes da religião de Gaia. Das novelas A Viagem e Alma Gêmea aos filmes Bezerra de Menezes e Chico Xavier. Mais os seriados Ghost Whisperer e Medium.

Os jornais tão laicos e seculares ainda mantêm uma seção dedicada às previsões do horóscopo. Duvido publicarem uma seção de aconselhamento cristão e reflexões bíblicas coerentes.

Marina Silva foi questionada quando afirmou que o criacionismo merece credibilidade de estudo. Por outro lado, a revista Veja publicou em seu site o mapa astral de José Serra, que acha a astrologia incrível. Claro, mapa com prognósticos auspiciosos em ano de eleição. Em sua notória linha serrista, só faltou dizer que o candidato traz seu amor de volta em três dias.

Comentários

Mayara Crispim disse…
Per-fei-to!!!!
Meus parabéns pelo Blog!!
Mayara Crispim disse…
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
joêzer disse…
gracias, Mara!
Depois de séculos sem ter tempo pra escrever nesse bem-amado blog, volto pra dizer que a lucidez e sagacidade espiritual do J.M. continuam a me surpreender e agradar e enobrecer. Tomara que você fique famoso pra dedéu, Joêzer; porque assim vou dizer "olha a coluna do J.M! Sou fã dele, e ele já tocou piano pra eu cantar" kkkkkkkkkkkkkkkk... Brincadeira. É alegria santa, por perceber a sabedoria que Deus lhe concede para escrever sobre assuntos que abrem nossos olhos espirituais para as realidades presentes! Essa postagem só confirma isso. Deus seja louvado porque seus dons e talentos estão firmemente dedicados a Ele, e só a Ele.

Obrigaduuuuuuu!
joêzer disse…
famoso, eu? nem quando inventarem um Big BLOGGER Brasil! valeu, vivi.
Daniel Costa disse…
gostei, opinião relevante a respeito de como as pessoas (céticas ou não) usam dois pesos e duas medidas quando se referem a escolhas artísticas, e como, como o preconceito permeia fortemente as opiniões.
Anônimo disse…
Grande Joezer. Esse Pianista do Curitiba Coral Escreve Muito hein?! hehe... Otimo texto Joezer.Parabens.
Nunca li nada tao explicativo e coerente sobre esse assunto.
Muito bom mesmo.
Abrass!
joêzer disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
joêzer disse…
correção, thiaguinho. depois do que vc disse estou à disposição para lhe acompanhar ao piano num solo. rsrs

Postagens mais visitadas deste blog

o adventista Little Richard

Foi num sábado que faleceu aos 87 anos o mais famoso ex-aluno da universidade adventista Oakwood College: o cantor Little Richard. Ele mesmo, um dos pioneiros do rock, que cantou sucessos como "Tutti Frutti" e "Good Golly Miss Molly", o homem do inconfundível  wop-bop-aloo-bop-alop-bam-boom . Assim como vários outros cantores, Little Richard foi criado nos bancos de igrejas evangélicas da América. No auge do sucesso, em 1957, se sentindo em falta com sua fé e passando por problemas financeiros, anunciou que estava deixando tudo para se tornar pastor. Pesou nessa decisão um incidente em que uma forte turbulência afetou a aeronave onde ele viajava e Richard disse ter visto luzes brilhantes de anjos protegendo o voo, o que ele tomou como um sinal de Deus. Ele, então, foi estudar em Oakwood e durante cinco anos só gravou música gospel. Durante esse período, ele participou de uma campanha evangelística ao lado do pregador adventista E. E. Cleveland. Na ocasi

o dia mais gospel dos reis do rock

Depois de estourar nas rádios com a canção BLUE SUEDE SHOES, Carl Perkins foi gravar algo novo no estúdio da Sun Records, em Memphis. O iniciante cantor Johnny Cash foi lá assisti-lo. Quem também estava chegando no estúdio era o jovem Jerry Lee Lewis, uma aposta para o fim daquele ano de 1956. Quem o levou foi o dono da Sun Records, o lendário Sam Philips. Lendário porque este era o homem que descobrira Elvis Presley um ano atrás. Aliás, no meio da tarde, Elvis passaria no estúdio só para uma visita, pois já era um astro internacional e agora gravava na poderosa gravadora RCA Victor. Foi assim, por mera coincidência, que o dia 4 de dezembro de 1956 marcou um inédito encontro dos quatro cantores. Conversa vai, música vem, de repente os quatro estavam numa sessão improvisada de sucessos do rythm and blues, do country, do nascente rock and roll...e do gospel. Assim que Elvis chegou com sua namorada, Perkins interrompeu a gravação. Eles começaram a papear e rir, até que Elvis foi

a generosidade não está nos manuais

Corre na internet o vídeo em que um segurança impede que um cliente pague um almoço para uma criança que vendia chiclete no shopping. Nele, vemos duas formas de violência em estado bruto. 1) Uma criança pedindo (e não comprando, como é regra dos nossos shoppings) comida. E numa situação de viver da caridade de quem lhe detesta, uma criança com fome é a primeira violentada. 2) Um segurança que obedece cegamente ao manual de conduta dos nossos shoppings. E sob a condição de pe rder o emprego caso não cumpra zelosamente o manual, ele se obriga a perder a compaixão, a compostura, a humanidade. * Quanta violência já não foi cometida por pessoas que não hesitam em dizer "estou apenas cumprindo o meu dever"? * Mas nesse mesmo vídeo, "tanta violência, mas tanta ternura", como nos versos de Mário Faustino. O cliente resiste e vai "cometer" ali um "crime de generosidade". Oferecer um prato de comida a quem pede é uma violação do manual do sho