Pular para o conteúdo principal

música na sala de aula


O ensino de música tem prazo oficial para voltar à sala de aula como disciplina escolar. Quem será o professor? Os formados com licenciatura em música ou a "tia de artes" é quem vai dar a aula de música também? E por que mesmo a escola deve inserir nos inflacionados currículos a educação musical? Que tipo de educação musical será incentivada? Que músicas estarão no programa?


Na questão da importância da educação musical está um mar de pesquisas que revelam:
- a existência de afinidades entre o desenvolvimento musical e o desenvolvimento intelectual dos estudantes;
- a relação entre música, comportamento e relacionamento interpessoal;
- o sucesso de projetos sociais que se valem do ensino da música nas áreas urbanas mais pobres.

No entanto, muita gente ignora os atributos do fazer musical na sala de aula e pensa que o ensino de música deve dirigir-se apenas aos "mais talentosos". Essa ideia causou um grande mal à democratização da música, cuja instrução formal se tornou um privilégio de famílias economicamente mais abastadas. Outro argumento dominante e também contrário à educação musical nas escolas condena o caráter de entretenimento e diversão tradicionalmente ligado à música e acusa uma suposta futilidade das aulas de música. Fora aqueles que dizem que música não se aprende no colégio, mas em práticas musicais intuitivas longe da escola. É muita torcida contra!

Uma das primeiras tarefas da educação musical será a de justificar-se enquanto disciplina “séria” perante os pais de alunos e a sociedade. Terá que esclarecer que a educação musical na escola não pretende formar músicos profissionais (e a escola, porventura, forma geógrafos ou físicos?).

Em vez de servir apenas de objeto promocional de escolas ou como repertório de festejos cívicos e folclóricos, a música na sala de aula deve contribuir para a formação geral do estudante, aguçando sua sensibilidade estética, desenvolvendo sua capacidade de criação e ampliando seu universo cultural.

Então, por que música na escola? Liane Hentschke, pedagoga musical, argumenta que a música pode proporcionar ao aluno o desenvolvimento de sua sensibilidade artística e de sua imaginação criadora, um sentido histórico de nossa herança cultural, meios de transcender o mundo musical do seu ambiente social e cultural, o desenvolvimento cognitivo, afetivo e psicomotor, o desenvolvimento da comunicação não-verbal. Dito assim, parece a salvação da lavoura escolar. Mas não podemos subestimar as razões e os efeitos de uma bem-sucedida experiência com a música na sala de aula.

Referências:
Ilza Joly, "Educação e educação musical". Em: Ensino de música: propostas para agir e pensar em sala de aula (Liane Hentschke & Luciana Del Ben, org.), 2003, pp. 113-126.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como os adventistas reagiram à pandemia de 1918?

Nos anos de 1918-1919, a chamada gripe espanhola fez milhões de vítimas ao redor do mundo. Nessa época, a I Guerra Mundial já estava em seu fim deixando um rastro terrível de perdas humanas e economias arrasadas. Nesse cenário de crise e destruição, como os adventistas reagiram? Os documentos que consultei mostram algumas respostas na comunidade de adventistas do sétimo dia nos Estados Unidos, país cuja população foi atingida severamente por três ondas da pandemia, tendo um número estimado de 500 mil a 675 mil pessoas mortas em consequência da infecção.  Algumas razões da disseminação foram: - A demora em aceitar a periculosidade da doença : em janeiro de 1918, um médico da região de Haskell, no Estado do Kansas, alertou as autoridades sanitárias a respeito de um forte aumento nos casos de influenza. Em março, a base militar de Funston registrou 1.100 soldados infectados. O vírus foi se espalhando por outras bases militares rapidamente e logo passou a fazer vítimas nas grandes cidades.

Sabedoria x Estupidez nestes dias maus

"Nas minhas reflexões sobre estes tempos que vivemos no Brasil e a necessidade cada vez mais crescente de humanização e de paz, deparei-me com o ensaio "As Leis Fundamentais da Estupidez" [escrito pelo professor da Universidade da Califórnia em Berkeley (EUA), o italiano Carlo Cipolla, em 1976]. Com ele, veio a compreensão de que o que estamos vivendo em nosso país é a estupidez humana tornada pública em tal nível que ganha ares de triunfo pela visibilidade que as mídias digitais lhes proporcionam. "Digo isto baseada na Terceira Lei Fundamental da Estupidez, que Cipolla chama de Lei de Ouro. É a própria definição do termo, muito mais profunda do que a que eu vivenciava: UMA PESSOA ESTÚPIDA É UMA PESSOA QUE CAUSA UM DANO A UMA OUTRA PESSOA OU GRUPO DE PESSOAS, SEM, AO MESMO TEMPO, OBTER QUALQUER VANTAGEM PARA SI OU ATÉ MESMO SOFRENDO UMA PERDA. "Sim! Pedir intervenção militar num país cujas feridas dos 21 anos de ditadura militar ainda estão abertas, e qu

o adventista Little Richard

Foi num sábado que faleceu aos 87 anos o mais famoso ex-aluno da universidade adventista Oakwood College: o cantor Little Richard. Ele mesmo, um dos pioneiros do rock, que cantou sucessos como "Tutti Frutti" e "Good Golly Miss Molly", o homem do inconfundível  wop-bop-aloo-bop-alop-bam-boom . Assim como vários outros cantores, Little Richard foi criado nos bancos de igrejas evangélicas da América. No auge do sucesso, em 1957, se sentindo em falta com sua fé e passando por problemas financeiros, anunciou que estava deixando tudo para se tornar pastor. Pesou nessa decisão um incidente em que uma forte turbulência afetou a aeronave onde ele viajava e Richard disse ter visto luzes brilhantes de anjos protegendo o voo, o que ele tomou como um sinal de Deus. Ele, então, foi estudar em Oakwood e durante cinco anos só gravou música gospel. Durante esse período, ele participou de uma campanha evangelística ao lado do pregador adventista E. E. Cleveland. Na ocasi