Pular para o conteúdo principal

o século 20 começou com uma música em 1913

É verdade que em 1913 já havia carros, aviões, elevador, estrelas da música popular, cinema, adolescente rebelde e cheque devolvido.  Mas nada disso tinha a dimensão que viria a ter depois de 1913, quando os pacíficos aviões serviriam a 1ª Guerra Mundial (1914-1918) e a música popular ganharia cada vez mais importância no cotidiano.

Em 31 de março de 1913, um concerto noturno com músicas de Arnold Schoenberg, Anton Webern e Alban Berg, o trio revolucionário de Viena, não chegou ao final. As estridências harmônicas das obras foram demais para o público que passou da discussão verbal à luta física, sendo necessária a intervenção policial. Mas houve quem admitisse que o som das brigas foi o mais harmonioso naquela noite.

No dia 15 de maio, estreava Jeux, partitura de Debussy coreografada por Nijínski. Talvez por causa da música sutil, fluente e encantória, não houve desacato durante o balé que apresentava um triângulo amoroso e sensual, o que já seria escândalo suficiente.

As coisas entornariam de vez no dia 29 de maio, quando estreou o balé A Sagração da Primavera (Le Sacre du Printemps), do russo Igor Stravinski, com coreografia de Nijínski.

A estreia ocorreu no recém-inaugurado Théatre dês Champs-Elysées, onde a elite de Paris, segundo conta Jean Cocteau, era “uma plateia elegante, de vestidos decotados, pérolas, penas na cabeça e plumas de avestruz, lado a lado com os paletós, farrapos espalhafatosos daquele gênero de estetas que aplaudem tudo o que seja novo [...] mil nuances de esnobismo,  superesnobismo e contraesnobismo”.

Naquele mês, circulavam boatos sobre uma nova música de Stravinski e sobre uma nova e escandalosa coreografia de Nijínski. Para completar, Seguei Diáguilev, diretor do Ballets Russes, prometia à imprensa “um novo frisson que sem dúvida vai inspirar debates acalorados”.

De fato, naquela noite o público se dividiu entre fãs animados e opositores entusiasmados. A música, que começa com um fagote suave e agudo, foi gradualmente imprimindo um clima febril, com pulsações rítmicas brutais, dissonâncias estrondosas, cortes súbitos e retomadas violentas, com os acentos rítmicos deslocados perturbando espectadores que gostariam de ouvir somente mais uma música inofensiva e depois sair para desfilar o figurino nos restaurantes caros.

Nos ensaios, até Diáguilev ficou chocado com a ousadia rítmica de Stravinski. “Vai continuar assim por muito tempo?”, perguntou. Stravinski respondeu: “Até o fim, meu caro”. E o acorde extremamente dissonante combinado com a acentuação rítmica fragmentada se repete 200 vezes!

Como era costume, o público não ficava indiferente às novidades. Junto com a música, ouviu-se no teatro aplausos e vaias, gritos e assobios, gargalhadas de desdém e um burburinho crescente que por pouco não causaram a interrupção do evento.

Além da chocante novidade musical apresentada, a coreografia de Nijínski ajudou a aumentar o clima anárquico que dividiu espectadores e críticos de arte. Em vez do gestual clássico, os bailarinos “tremiam, sacudiam-se sapateavam, davam saltos rudes e violentos e giravam numa selvagem dança de roda eslava”.
Atrás deles, um cenário que lembrava paisagens pagãs e formas que pareciam extraídas dos sonhos.

Pierre Monteux, o maestro daquele tumultuada concerto, relatou que “o auditório ficou em silêncio durante dois minutos, depois, de repente, vaias e assobios desceram das galerias, acompanhadas logo em seguida pela plateia. Houve espectadores que começaram a discutir e a atirar-se, uns nos outros, tudo o que tinham à mão. Em breve esta cólera se dirigiu contra os dançarinos e depois, ainda com mais violência, contra a orquestra, que era a verdadeira responsável por esta crise musical. As coisas mais variadas foram-nos arremessadas; apesar de tudo, continuamos a tocar”.

Depois de 1913, a música e nem o mundo seriam mais os mesmos. Para entender como a sociedade ocidental passou a privilegiar cada vez mais a marcação rítmica na música, volte-se a Stravinski e sua “Sagração”. As profundas mudanças na estrutura musical e Schoenberg e cia. levaram os músicos eruditos a novos experimentos e a uma distância cada vez maior de parâmetros como melodia e harmonia, o que contribuiu para distanciar o público também.

Voltando à estreia da Sagração, apesar de tudo, ao final, houve aplausos, que se repetiram nas apresentações subsequentes. Não quer dizer que a música foi domesticada, mas que os ouvidos assimilaram o novo, como é hábito do ser humano desde que se inventou a primeira flauta. Ainda bem que nossos ouvidos contemporâneos, submetidos a toda espécie de balbúrdia sonora e musical, ainda se deixam fascinar pelo novo e exuberante mundo musical apresentado por Stravinski há cem anos. 

Não se fazem mais novidades musicais como antigamente?

* * * * *

Versão de "A Sagração da Primavera" com a coreografia original de Nijínski, redescoberta por Millicent Hodson. Segundo ela, conseguiu-se recuperar os cenários e figurinos originais e pelo menos 85% da coreografia de 1913.



Escrevi este texto com informações copiadas descaradamente de Alex Ross, "O resto é ruído" (p. 69-70, 88-90), e de Osvaldo Colarusso.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

o adventista Little Richard

Foi num sábado que faleceu aos 87 anos o mais famoso ex-aluno da universidade adventista Oakwood College: o cantor Little Richard. Ele mesmo, um dos pioneiros do rock, que cantou sucessos como "Tutti Frutti" e "Good Golly Miss Molly", o homem do inconfundível  wop-bop-aloo-bop-alop-bam-boom . Assim como vários outros cantores, Little Richard foi criado nos bancos de igrejas evangélicas da América. No auge do sucesso, em 1957, se sentindo em falta com sua fé e passando por problemas financeiros, anunciou que estava deixando tudo para se tornar pastor. Pesou nessa decisão um incidente em que uma forte turbulência afetou a aeronave onde ele viajava e Richard disse ter visto luzes brilhantes de anjos protegendo o voo, o que ele tomou como um sinal de Deus. Ele, então, foi estudar em Oakwood e durante cinco anos só gravou música gospel. Durante esse período, ele participou de uma campanha evangelística ao lado do pregador adventista E. E. Cleveland. Na ocasi

o dia mais gospel dos reis do rock

Depois de estourar nas rádios com a canção BLUE SUEDE SHOES, Carl Perkins foi gravar algo novo no estúdio da Sun Records, em Memphis. O iniciante cantor Johnny Cash foi lá assisti-lo. Quem também estava chegando no estúdio era o jovem Jerry Lee Lewis, uma aposta para o fim daquele ano de 1956. Quem o levou foi o dono da Sun Records, o lendário Sam Philips. Lendário porque este era o homem que descobrira Elvis Presley um ano atrás. Aliás, no meio da tarde, Elvis passaria no estúdio só para uma visita, pois já era um astro internacional e agora gravava na poderosa gravadora RCA Victor. Foi assim, por mera coincidência, que o dia 4 de dezembro de 1956 marcou um inédito encontro dos quatro cantores. Conversa vai, música vem, de repente os quatro estavam numa sessão improvisada de sucessos do rythm and blues, do country, do nascente rock and roll...e do gospel. Assim que Elvis chegou com sua namorada, Perkins interrompeu a gravação. Eles começaram a papear e rir, até que Elvis foi

a generosidade não está nos manuais

Corre na internet o vídeo em que um segurança impede que um cliente pague um almoço para uma criança que vendia chiclete no shopping. Nele, vemos duas formas de violência em estado bruto. 1) Uma criança pedindo (e não comprando, como é regra dos nossos shoppings) comida. E numa situação de viver da caridade de quem lhe detesta, uma criança com fome é a primeira violentada. 2) Um segurança que obedece cegamente ao manual de conduta dos nossos shoppings. E sob a condição de pe rder o emprego caso não cumpra zelosamente o manual, ele se obriga a perder a compaixão, a compostura, a humanidade. * Quanta violência já não foi cometida por pessoas que não hesitam em dizer "estou apenas cumprindo o meu dever"? * Mas nesse mesmo vídeo, "tanta violência, mas tanta ternura", como nos versos de Mário Faustino. O cliente resiste e vai "cometer" ali um "crime de generosidade". Oferecer um prato de comida a quem pede é uma violação do manual do sho