Pular para o conteúdo principal

MORREM OS POLÍTICOS, FICAM AS CAPITANIAS


Os portugueses, ao aportarem nas praias tupiniquins, não demoraram a perceber que, para otimizar a relação colônia-metrópole e maximizar os dividendos obtidos na terra em que se plantando, explorando e matando, tudo dá, resolveram conceder infindáveis hectares a donatários particulares.

Com os certificados de posse e de direitos e deveres em mãos, os donatários passavam a gerenciar latifúndios de tamanho variável, ora do tamanho do Ceará ora do tamanho da Bahia. Como de hábito, os coronéis donatários distribuíam terras a quem quisesse cultivá-las, desde que, como de hábito, os que assim desejassem e, como de hábito, também os que assim não desejassem, contribuíssem para a frutificação ilícita da árvore genealógica do donatário.

Era premente, para o desenvolvimento negociado da pátria-mãe gentil, a construção de engenhos, os quais, para melhor informação dos trabalhadores a respeito das boas obras do donatário, deviam possuir uma torre altaneira com antena retransmissora das mentiras da oposição e da justa verdade do dono da torre. Aliás, como de hábito, as torres deveriam ser registradas em nome de alhures, que recebiam o meigo nome de uma fruta tropical. Bananas, goiabas, laranjas.

O donatário era autoridade plenipotenciária em seu latifúndio, exercendo seu poder para nomear funcionários e aplicar os rigores da lei. Todos estavam debaixo da lei, mas a lei seria rigorosa para anônimos e a graça seria concedida em abundância para os conhecidos. Conhecidos do donatário ou parentes, entenda-se.

Essas terras públicas doadas a personalidades privadas, digo, que privavam da generosidade régia, foram denominadas sem sutileza de “capitanias hereditárias”. O poder, assim, era passado com amor filial de pai para filho (a expressão “presente de mãe” é uma constatação mais recente das empresas de telefonia celular).

Portanto, um dono de sesmaria teria sempre garantido o leite da prole, pois são direitos do oligarca: isentar-se de taxas e investigações importunas, adquirir torres de TV, descomunais porções de terra e bovinos milionários, divulgar a filha como governante exemplar e, para garantir a hereditariedade cartorial, empregar o pai ou o filho como suplente.

Esses donos do mar e da terra fundavam vilas com o nome do pai, praças com o nome do filho e rodovias ladrilhadas com o próprio e santo nome. Com o tempo, a população já estava rezando em nome do pai, do filho, da filha, do genro, do mais chegado que um irmão...

Nelson Rodrigues já dizia que a glória é necrófila, ou na versão de Daniel Piza, morrer faz bem a reputação. Compadecer-se do luto familiar é um dever; não esquecer os feitos dos capitães hereditários, também. Sejam eles do brasão Barbalho, Magalhães, Maluf, Jereissati, Calheiros, Sarney ou Collor.

Com a morte de ACM, de novo se vê que, para justos e injustos, pelo menos por enquanto, a cova no chão ainda é a parte que nos cabe neste latifúndio.

Comentários

Everaldo Barbosa disse…
Braaavo!!!muito bom mesmo camarada!!!!

Postagens mais visitadas deste blog

o adventista Little Richard

Foi num sábado que faleceu aos 87 anos o mais famoso ex-aluno da universidade adventista Oakwood College: o cantor Little Richard. Ele mesmo, um dos pioneiros do rock, que cantou sucessos como "Tutti Frutti" e "Good Golly Miss Molly", o homem do inconfundível  wop-bop-aloo-bop-alop-bam-boom . Assim como vários outros cantores, Little Richard foi criado nos bancos de igrejas evangélicas da América. No auge do sucesso, em 1957, se sentindo em falta com sua fé e passando por problemas financeiros, anunciou que estava deixando tudo para se tornar pastor. Pesou nessa decisão um incidente em que uma forte turbulência afetou a aeronave onde ele viajava e Richard disse ter visto luzes brilhantes de anjos protegendo o voo, o que ele tomou como um sinal de Deus. Ele, então, foi estudar em Oakwood e durante cinco anos só gravou música gospel. Durante esse período, ele participou de uma campanha evangelística ao lado do pregador adventista E. E. Cleveland. Na ocasi

o dia mais gospel dos reis do rock

Depois de estourar nas rádios com a canção BLUE SUEDE SHOES, Carl Perkins foi gravar algo novo no estúdio da Sun Records, em Memphis. O iniciante cantor Johnny Cash foi lá assisti-lo. Quem também estava chegando no estúdio era o jovem Jerry Lee Lewis, uma aposta para o fim daquele ano de 1956. Quem o levou foi o dono da Sun Records, o lendário Sam Philips. Lendário porque este era o homem que descobrira Elvis Presley um ano atrás. Aliás, no meio da tarde, Elvis passaria no estúdio só para uma visita, pois já era um astro internacional e agora gravava na poderosa gravadora RCA Victor. Foi assim, por mera coincidência, que o dia 4 de dezembro de 1956 marcou um inédito encontro dos quatro cantores. Conversa vai, música vem, de repente os quatro estavam numa sessão improvisada de sucessos do rythm and blues, do country, do nascente rock and roll...e do gospel. Assim que Elvis chegou com sua namorada, Perkins interrompeu a gravação. Eles começaram a papear e rir, até que Elvis foi

a generosidade não está nos manuais

Corre na internet o vídeo em que um segurança impede que um cliente pague um almoço para uma criança que vendia chiclete no shopping. Nele, vemos duas formas de violência em estado bruto. 1) Uma criança pedindo (e não comprando, como é regra dos nossos shoppings) comida. E numa situação de viver da caridade de quem lhe detesta, uma criança com fome é a primeira violentada. 2) Um segurança que obedece cegamente ao manual de conduta dos nossos shoppings. E sob a condição de pe rder o emprego caso não cumpra zelosamente o manual, ele se obriga a perder a compaixão, a compostura, a humanidade. * Quanta violência já não foi cometida por pessoas que não hesitam em dizer "estou apenas cumprindo o meu dever"? * Mas nesse mesmo vídeo, "tanta violência, mas tanta ternura", como nos versos de Mário Faustino. O cliente resiste e vai "cometer" ali um "crime de generosidade". Oferecer um prato de comida a quem pede é uma violação do manual do sho