Pular para o conteúdo principal

7 MARAVILHAS OU 7 ERROS?


A foto acima é o clichê paisagístico do turismo brasileiro. E é muito provável que a função de mirante, e não a engenhosidade da construção, também tenha contribuído para a eleição da estátua do Cristo Redentor como uma das 7 novas maravilhas do mundo.

A rigidez da estátua, que reune no mesmo ato de abrir os braços tanto a benção como o sacrifício , é levemente disfarçada pelo drapeado da vestimenta, mas ainda assim, há demasiada fixidez no monumento. Vista como nessa foto, ganha em significado mas perde em beleza própria, tornando-se pequena em meio a grandiosidade do relevo natural. Na verdade, algumas canções acabaram fixando o imaginário de beleza da construção no mundo todo, principalmente o Tom Jobim de Cristo Redentor, braços abertos sobre a Guanabara ou Da janela vê-se o Corcovado, o Redentor, que lindo (esta, com letra de Newton Mendonça).

Li a notícia sobre a tal "farsa das 7 maravilhas". Tudo bem que se pode desconfiar, às vezes até paranoicamente, de tudo. Mas não lhe parece um tanto estranho que a tal farsa tenha sido "descoberta" por espanhóis, franceses, gregos e alemães. Todos estes, de países que ficaram de fora da lista final das 7 maravilhas.

Ora, qualquer lista que se preze de forma alguma pode ser fidedigna. Qualquer lista representa uma opinião que nunca representará a maioria, por estranho que isso pareça. Há interesses de instituições e pessoas por trás, é claro, mas isso é o que faz uma lista ser o que é - é só lembrar da convocação oficial que apelava ao coração carioca-patriota que bate no peito desafinado do brasileiro que não desiste nunca.

E se a torre Eiffel e o castelo espanhol, as colunas gregas e o castelo alemão, todos tivessem ficado entre as 7 maravilhas eleitas? Ainda haveria denúncia de farsa, de histeria coletiva nacionalista?

A despeito da legitimidade ou não da tal lista - e podemos lembrar que a lista das 7 maravilhas do mundo antigo também é só uma lista, - o queixume das partes reclamantes deixa transparecer o velho eurocentrismo de guerra (o que no velho mundo quer dizer guerra mesmo).

Assim como eurocêntrica é a soberba alemã noticiada em jornal: "se o castelo Neuschwanstein fosse eleito, o gosto mundial estaria mais refinado". Ou seja, se mais monumentos ao "bom gosto" europeu fossem eleitos, e não essas "heresias arquitetônicas" como as ruínas de Petra, Macchu Picchu ou pirâmides maias (Valei-nos, São Cristóvão Colombo!), isso seria uma prova de que "The Civilization" e "Der Kultur" teriam prevalecido sobre a evidente ausência de pendores artísticos destes povos não-crismados. Assim, a colonização, a aculturação e o morticínio finalmente teriam valido a pena, e o arianismo contra asiáticos e latinos (pra eles somos todos chinas e cucarachas), teria vencido mais uma vez.
Não votei, mas minha lista seria diferente também. Mas, convenhamos, esse choro europeu só revela que, se a lista é uma farsa virtual, a dor-de-cotovelo é muito real.

Comentários

Anônimo disse…
também não votei na lista. e é verdade que o governo brasileiro deu uma forçada de barra nessa eleição do Cristo. e agora é correr atrás dos dividendos.
Anônimo disse…
Leiam a declaração da ministra do turismo e do relaxamento, Marta Suplicy. Ela disse até que a subida do Lula até a estátua, atraiu a atenção mundial e foi fundamental para a eleição. Pra completar, ainda disse que isso gerou 250 mil empregos. Hã? 250 mil novos empregos?
Anônimo disse…
com essa da marta eu concordo com o que disse o marcelo coelho na coluna dele na folha: se o Cristo é uma das 7 maravilhas, o Lula é a 8ª maravilha do mundo...

Postagens mais visitadas deste blog

o adventista Little Richard

Foi num sábado que faleceu aos 87 anos o mais famoso ex-aluno da universidade adventista Oakwood College: o cantor Little Richard. Ele mesmo, um dos pioneiros do rock, que cantou sucessos como "Tutti Frutti" e "Good Golly Miss Molly", o homem do inconfundível  wop-bop-aloo-bop-alop-bam-boom . Assim como vários outros cantores, Little Richard foi criado nos bancos de igrejas evangélicas da América. No auge do sucesso, em 1957, se sentindo em falta com sua fé e passando por problemas financeiros, anunciou que estava deixando tudo para se tornar pastor. Pesou nessa decisão um incidente em que uma forte turbulência afetou a aeronave onde ele viajava e Richard disse ter visto luzes brilhantes de anjos protegendo o voo, o que ele tomou como um sinal de Deus. Ele, então, foi estudar em Oakwood e durante cinco anos só gravou música gospel. Durante esse período, ele participou de uma campanha evangelística ao lado do pregador adventista E. E. Cleveland. Na ocasi

o dia mais gospel dos reis do rock

Depois de estourar nas rádios com a canção BLUE SUEDE SHOES, Carl Perkins foi gravar algo novo no estúdio da Sun Records, em Memphis. O iniciante cantor Johnny Cash foi lá assisti-lo. Quem também estava chegando no estúdio era o jovem Jerry Lee Lewis, uma aposta para o fim daquele ano de 1956. Quem o levou foi o dono da Sun Records, o lendário Sam Philips. Lendário porque este era o homem que descobrira Elvis Presley um ano atrás. Aliás, no meio da tarde, Elvis passaria no estúdio só para uma visita, pois já era um astro internacional e agora gravava na poderosa gravadora RCA Victor. Foi assim, por mera coincidência, que o dia 4 de dezembro de 1956 marcou um inédito encontro dos quatro cantores. Conversa vai, música vem, de repente os quatro estavam numa sessão improvisada de sucessos do rythm and blues, do country, do nascente rock and roll...e do gospel. Assim que Elvis chegou com sua namorada, Perkins interrompeu a gravação. Eles começaram a papear e rir, até que Elvis foi

a generosidade não está nos manuais

Corre na internet o vídeo em que um segurança impede que um cliente pague um almoço para uma criança que vendia chiclete no shopping. Nele, vemos duas formas de violência em estado bruto. 1) Uma criança pedindo (e não comprando, como é regra dos nossos shoppings) comida. E numa situação de viver da caridade de quem lhe detesta, uma criança com fome é a primeira violentada. 2) Um segurança que obedece cegamente ao manual de conduta dos nossos shoppings. E sob a condição de pe rder o emprego caso não cumpra zelosamente o manual, ele se obriga a perder a compaixão, a compostura, a humanidade. * Quanta violência já não foi cometida por pessoas que não hesitam em dizer "estou apenas cumprindo o meu dever"? * Mas nesse mesmo vídeo, "tanta violência, mas tanta ternura", como nos versos de Mário Faustino. O cliente resiste e vai "cometer" ali um "crime de generosidade". Oferecer um prato de comida a quem pede é uma violação do manual do sho