Pular para o conteúdo principal

ARAUTOS DO REI: Aqui é seu Lugar


Quando o compositor Jader Santos promoveu a mudança de maior impacto na história do quarteto Arautos do Rei com o CD “Eu não sou mais eu”, talvez não imaginasse que este histórico grupo vocal masculino, para manter-se na altitude musical a que o próprio compositor o conduziu, teria que aparentemente recuar na linha evolutiva da música adventista no Brasil.

Como explicar, então, o suposto passo atrás que teriam dado com o CD “Aqui é seu lugar”? O líder musical não é o jovem Silmar Correia? Os integrantes não são os mais jovens da história do grupo?

Porém, o que parece um recuo ao tradicionalismo e ao museu obsoleto da hinologia protestante, na verdade, é um dos maiores saltos de qualidade dados pela música cristã brasileira.

A “revolução sem grito” de Silmar e Evaldo Vicente oferece sutilezas só perceptíveis em audições sucessivas. A mudança não está em primeiro plano, como geralmente se nota em alguns CDs que buscam a modernização de repertório a qualquer custo.


A sequência de músicas segue uma coerência temática ou narrativa. “Aqui é seu lugar” é o convite manso e gentil; a música “Foi por mim” relembra o significado da cruz do Calvário a “mim”, mas não exclui o “foi por ti”; depois vem “Portas abertas”, saindo do Gólgota para a igreja moderna, que deve ser um lugar de aconchego e promessa confortadora. Afinal, ali é o “seu lugar” já mencionado.

Paz é a palavra-chave do planeta para o 3º milênio. E a canção ‘Paz’ responde ao apelo atual com cinco certezas muito necessárias ao cristão: a volta de Jesus (paz é a certeza de que Cristo irá voltar); a vida eterna (paz é a segurança de que o céu é nosso lar); a validade do sacrifício vicário de Cristo na cruz (paz é ter na cruz os pecados perdoados); Cristo ressuscitado conosco (paz é ter Jesus caminhando ao nosso lado); e, acesso ao Senhor da Paz (paz é Jesus). Na era da insônia e da depressão, essa canção também rememora as Escrituras (‘Em paz me deito e logo pego no sono, porque Tu, Senhor, estás comigo’) no verso moderno de Valdecir Lima (essa paz restaura o sono e afasta a ansiedade).

Assim, como as portas foram abertas para mostrar o senso de pertencimento a um lugar, para ressaltar o sentido da cruz e para apontar a saída de paz para o homem, vem então o convite ao louvor na música seguinte: “Salmo 103”. A letra assegura que o louvor não é um ato de petição, mas uma resposta aos atos salvadores de Deus.

O letrista (Valdecir Lima) também substitui o eu-lírico, o narrador em 1ª pessoa, pelo “nós”. Ou seja, os feitos de Deus são direcionados ao indivíduo singular, porém a adoração e o louvor partem de uma coletividade plural beneficiária das ações divinas.

Muitas vezes, o papel da lei e da graça na vida cristã não é imediatamente compreendido. As faixas 7 (“A Tua Lei’), e 8 (“Graça”), valorizam tanto a lei quanto a graça, num equilíbrio bem significativo.

Desde Hamurábi, desde os Dez Mandamentos, o contrato social firmado nas constituições, nos códigos e nas leis costuma ser fixado, digamos, em material não-perecível. Visto que a cultura oral pode ser vítima de adições e subtrações legislativas elaboradas segundo a memória curta de cada geração, passou-se à cultura letrada a fim de se perenizar a regulamentação das condutas humanas. Não que a forma rígida (pedra, papel ou CD-ROM) seja capaz de evitar a alteração das regras, mas que seja pelo menos aplicativa enquanto dure.

Assim, a lei de Deus continua a mesma. Contudo, os homens foram subtraindo partes e adicionando contrapartes ao sabor de suas tradições inventadas. A canção “A Tua lei” não vê a lei de Deus como algo ultrapassado ou um fardo pesado. Ao contrário, enxerga a lei como: a mais bela expressão do Teu coração/É Teu próprio caráter; reflete a grandeza e a Tua beleza; perfeita, como Tu és perfeito; tem a verdade e os princípios do amor. A canção usa a própria Bíblia (a cultura letrada) para a afirmação de amor à lei (os salmos 19: 7,8; e 119: 1, 16, 47, 105, 151).

Se os autores de “A Tua Lei” têm a palavra bíblica como fonte da exaltação da lei divina, Daniel Salles, o jovem compositor de “Graça” se serve da experiência humana para exaltar a graça divina.

“A Tua lei” tem rica orquestração de cordas – mais uma tapeçaria orquestral tecida por Ronnye Dias. Por sua vez, “Graça” usa os vocais fortíssimos e as notas mais agudas no refrão e faz uma citação instrumental do hino “Graça Excelsa (Amazing Grace)”.

Esse é um CD que tem muita substância para estudos mais meticulosos, e um blog como este não dá conta, mesmo alongando-se e contando com a boa vontade do leitor. Por isso, obrigado, porque até aqui o Senhor lhe deu paciência para ler estas mal traçadas.

Mas não posso deixar de comentar a música “Eu quero olhar”, de Jader Santos. Leia aqui.


Comentários

Anônimo disse…
Gostaria de parabenizá-lo pela corajosa e necessária iniciativa de tecer comentários que discutem de maneira mais rica e profunda a música adventista brasileira (fugindo das platitudes benevolentes que invariavelmente acompanham a recepção desta). A respeito do comentário sobre o álbum mais recente do Arautos do Rei, devo dizer que não compreendi a sua afirmação de que a letra "A Tua Lei" "abdica da rima". Na verdade, podemos encontrar inúmeros tipos de rimas (toantes, consoantes, internas, cruzadas, emparelhadas...) no corpo da letra. Alguns exemplos:
passos/lábios; Senhor/louvor; Lei/esquecerei/estarei/ expressão/coração; grandeza/beleza; Senhor/amor etc. Além disso, embora admire o rigor da letra de "A Tua Lei", penso que os versos de "Graça" - fruto da pena de Daniel Salles, possivelmente o jovem compositor adventista mais importante na atualidade (basta ver a freqüência com a qual o seu nome aparece no encarte dos álbuns recentes de nomes bastante conhecidos: Arautos, Novo Tom, Iveline, Coral Unasp, Társis, Leonardo Gonçalves...) - possuem mais frescor e ousadia (questão de gosto literário, admito). Espero que possa continuar a desfrutar da leitura de comentários capazes de enriquecer nossa experiência auditiva, como são os seus. Fique com Deus e até mais.
Anônimo disse…
O meu e-mail é jam58@ig.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

o adventista Little Richard

Foi num sábado que faleceu aos 87 anos o mais famoso ex-aluno da universidade adventista Oakwood College: o cantor Little Richard. Ele mesmo, um dos pioneiros do rock, que cantou sucessos como "Tutti Frutti" e "Good Golly Miss Molly", o homem do inconfundível  wop-bop-aloo-bop-alop-bam-boom . Assim como vários outros cantores, Little Richard foi criado nos bancos de igrejas evangélicas da América. No auge do sucesso, em 1957, se sentindo em falta com sua fé e passando por problemas financeiros, anunciou que estava deixando tudo para se tornar pastor. Pesou nessa decisão um incidente em que uma forte turbulência afetou a aeronave onde ele viajava e Richard disse ter visto luzes brilhantes de anjos protegendo o voo, o que ele tomou como um sinal de Deus. Ele, então, foi estudar em Oakwood e durante cinco anos só gravou música gospel. Durante esse período, ele participou de uma campanha evangelística ao lado do pregador adventista E. E. Cleveland. Na ocasi

o dia mais gospel dos reis do rock

Depois de estourar nas rádios com a canção BLUE SUEDE SHOES, Carl Perkins foi gravar algo novo no estúdio da Sun Records, em Memphis. O iniciante cantor Johnny Cash foi lá assisti-lo. Quem também estava chegando no estúdio era o jovem Jerry Lee Lewis, uma aposta para o fim daquele ano de 1956. Quem o levou foi o dono da Sun Records, o lendário Sam Philips. Lendário porque este era o homem que descobrira Elvis Presley um ano atrás. Aliás, no meio da tarde, Elvis passaria no estúdio só para uma visita, pois já era um astro internacional e agora gravava na poderosa gravadora RCA Victor. Foi assim, por mera coincidência, que o dia 4 de dezembro de 1956 marcou um inédito encontro dos quatro cantores. Conversa vai, música vem, de repente os quatro estavam numa sessão improvisada de sucessos do rythm and blues, do country, do nascente rock and roll...e do gospel. Assim que Elvis chegou com sua namorada, Perkins interrompeu a gravação. Eles começaram a papear e rir, até que Elvis foi

a generosidade não está nos manuais

Corre na internet o vídeo em que um segurança impede que um cliente pague um almoço para uma criança que vendia chiclete no shopping. Nele, vemos duas formas de violência em estado bruto. 1) Uma criança pedindo (e não comprando, como é regra dos nossos shoppings) comida. E numa situação de viver da caridade de quem lhe detesta, uma criança com fome é a primeira violentada. 2) Um segurança que obedece cegamente ao manual de conduta dos nossos shoppings. E sob a condição de pe rder o emprego caso não cumpra zelosamente o manual, ele se obriga a perder a compaixão, a compostura, a humanidade. * Quanta violência já não foi cometida por pessoas que não hesitam em dizer "estou apenas cumprindo o meu dever"? * Mas nesse mesmo vídeo, "tanta violência, mas tanta ternura", como nos versos de Mário Faustino. O cliente resiste e vai "cometer" ali um "crime de generosidade". Oferecer um prato de comida a quem pede é uma violação do manual do sho