Pular para o conteúdo principal

e o vencedor é...


Marina foi a grande vencedora dessas eleições. Será mesmo? Derrotou a candidata do PT e agora será cortejada como uma rainha Elizabeth pelo PSDB. Ela, Marina morena, foi a responsável pelo segundo turno e não a coordenação descoordenada da campanha de José Serra.

Talvez ela seja a grande vencedora. Mas, dos motivos que a levaram ao segundo turno, somente um vale a vitória: a indignação do eleitor com a corrupção petista no governo federal e com o comportamento de Lula na campanha pró-Dilma. O outro motivo é torpe como são torpes todas as calúnias: a satanização de Dilma. Começando pela senhora, Dona Veja, pelos senhores, Folha de S. Paulo e Estadão. Não inventaram fatos, mas exageraram relatos como duas comadres conversando da janela.

Noves fora os mitos e mil spams. Um dizia que Dilma mata criancinhas porque seria a favor do aborto. Outro dizendo que Dilma seria a favor do casamento gay já para ontem. Como se ela fosse correndo oficiar uma cerimônia coletiva de saída de armário como nunca antes na história da República. 

Mas a coisa degringolou mesmo quando os evangélicos entraram de vez na eleição. Pastores transformando púlpito em palanque. Blogueiros e tuiteiros partindo para a baixaria de segunda a sexta. No sábado, tuitavam #tags com temas cristãos. Como se já não fosse suficiente a quantidade de falsos profetas que enlameiam a política e envergonham o evangelho, chegaram a inventar que Dilma falou que "nem Cristo tiraria sua vitória". Ressuscitaram até aquela lorota em que o comandante do Titanic teria dito que nem Deus afundaria o navio.

A gente aqui trabalhando por um Estado laico e de repente eu vejo uma comitiva de bispos, pastores e apóstolos obrigando a candidata a dar explicações de que não fará isso, não fará aquilo. Não foram aos políticos para estudar a Bíblia ou para discutir liberdade religiosa. Foram impor suas doutrinas aos políticos. 

 Mas não duvide que Serra e Dilma não irão correndo até Marina fazer o beija-mão. É capaz que ambos prometam reflorestar a Avenida Paulista e a usina de Angra. Mas se ela apoiar a Dilma, os eleitores evangélicos e os eleitores antipetistas se decepcionarão. Se ela apoiar o Serra, ela terá que engolir a bancada ruralista do DEM. Seu próprio futuro está em jogo.

Por isso, acho que o melhor que Marina faz numa hora dessas é declarar neutralidade. Embora apareçam o prefeito de joelhos, o bispo de olhos vermelhos e o banqueiro com um milhão, não vá com eles não, Marina.

Comentários

Kelly M. disse…
Muito bom!!
e no meio de tudo isso a inevitável desilusão. E para alguns uma forma de expressar isso foi votar no Tiririca!! rsrsrs
joêzer disse…
o voto da "zoação" é o pior.
Jénerson Alves disse…
Bom saber que há pessoas como você, pelo Brasil, elucidando os cristãos e expressando qual deve ser o nosso papel no ambiente político.
Oxalá que essa onda do "Fique neutra, Marina" chegue aos ouvidos (e ao coração) da verde, a fim de que ela consiga alcançar lugares melhores em 2014.
E, assim, fique o eleitor livre para escolher entre o PT e o neoliberalismo tucano.
Denis Cruz disse…
Joêzer,

só pra variar, ótimo texto e ótima visão sobre a Marina.

Vou dar uma olhada no projeto do PV e, se nao houver cabelo, acho que vou me filiar. Quem sabe nao concorro a prefeito em 2012, rs.
joêzer disse…
denis,
os melhores escritores brasileiros foram funcionários públicos. taí um caminho pra você meu amigo escritor. rsrs
vlw
Unknown disse…
interessantes colocações. a campanha feita nos pulpitos (e emails pseudo cristãos) foi a que mais me irritou. tb sou pelo estado laico, e acho mto hipócrita que alguns peçam votos contra o casamento homossexual, por exemplo, sem pensar que um dia esse mesmo estado "cristão" poderá exercer seu poder exigindo práticas "cristãs" de uma maioria que firam a religiosidade de uma minoria... e aí, como ficará essa minoria para exercer sua liberdade?

Postagens mais visitadas deste blog

Como os adventistas reagiram à pandemia de 1918?

Nos anos de 1918-1919, a chamada gripe espanhola fez milhões de vítimas ao redor do mundo. Nessa época, a I Guerra Mundial já estava em seu fim deixando um rastro terrível de perdas humanas e economias arrasadas. Nesse cenário de crise e destruição, como os adventistas reagiram? Os documentos que consultei mostram algumas respostas na comunidade de adventistas do sétimo dia nos Estados Unidos, país cuja população foi atingida severamente por três ondas da pandemia, tendo um número estimado de 500 mil a 675 mil pessoas mortas em consequência da infecção.  Algumas razões da disseminação foram: - A demora em aceitar a periculosidade da doença : em janeiro de 1918, um médico da região de Haskell, no Estado do Kansas, alertou as autoridades sanitárias a respeito de um forte aumento nos casos de influenza. Em março, a base militar de Funston registrou 1.100 soldados infectados. O vírus foi se espalhando por outras bases militares rapidamente e logo passou a fazer vítimas nas grandes cidades.

Sabedoria x Estupidez nestes dias maus

"Nas minhas reflexões sobre estes tempos que vivemos no Brasil e a necessidade cada vez mais crescente de humanização e de paz, deparei-me com o ensaio "As Leis Fundamentais da Estupidez" [escrito pelo professor da Universidade da Califórnia em Berkeley (EUA), o italiano Carlo Cipolla, em 1976]. Com ele, veio a compreensão de que o que estamos vivendo em nosso país é a estupidez humana tornada pública em tal nível que ganha ares de triunfo pela visibilidade que as mídias digitais lhes proporcionam. "Digo isto baseada na Terceira Lei Fundamental da Estupidez, que Cipolla chama de Lei de Ouro. É a própria definição do termo, muito mais profunda do que a que eu vivenciava: UMA PESSOA ESTÚPIDA É UMA PESSOA QUE CAUSA UM DANO A UMA OUTRA PESSOA OU GRUPO DE PESSOAS, SEM, AO MESMO TEMPO, OBTER QUALQUER VANTAGEM PARA SI OU ATÉ MESMO SOFRENDO UMA PERDA. "Sim! Pedir intervenção militar num país cujas feridas dos 21 anos de ditadura militar ainda estão abertas, e qu

o adventista Little Richard

Foi num sábado que faleceu aos 87 anos o mais famoso ex-aluno da universidade adventista Oakwood College: o cantor Little Richard. Ele mesmo, um dos pioneiros do rock, que cantou sucessos como "Tutti Frutti" e "Good Golly Miss Molly", o homem do inconfundível  wop-bop-aloo-bop-alop-bam-boom . Assim como vários outros cantores, Little Richard foi criado nos bancos de igrejas evangélicas da América. No auge do sucesso, em 1957, se sentindo em falta com sua fé e passando por problemas financeiros, anunciou que estava deixando tudo para se tornar pastor. Pesou nessa decisão um incidente em que uma forte turbulência afetou a aeronave onde ele viajava e Richard disse ter visto luzes brilhantes de anjos protegendo o voo, o que ele tomou como um sinal de Deus. Ele, então, foi estudar em Oakwood e durante cinco anos só gravou música gospel. Durante esse período, ele participou de uma campanha evangelística ao lado do pregador adventista E. E. Cleveland. Na ocasi