Pular para o conteúdo principal

cantai um cântico novo

O salmo 33, o salmo 40 e o salmo 96 nos conclamam a cantar “um cântico novo”. Mas a Bíblia está falando de uma nova música ou de um novo espírito para cantar uma música?

No salmo 40, Davi diz que o Senhor o tirou de um pântano de perdição, o colocou numa rocha firme e segura e lhe “pôs nos lábios um novo cântico, um hino de louvor a Deus”. Então Deus não lhe teria dado uma música para cantar nos tempos da amargura? De modo algum. Davi também compôs salmos quando estava sendo perseguido por seus inimigos. E certamente não lhe faltou inspiração divina.

Davi escreveu uma música nova após confessar diante de Deus seu adultério com Bate-Seba: o salmo 51, no qual confessava o pecado, buscava o perdão e pedia de volta a alegria da salvação. O que Davi disse poeticamente é que a segurança da salvação lhe motiva a louvar ao seu Senhor.  Onde está a ênfase divina? Na música ou na vida? Lendo os salmos, vemos que uma nova vida produz um novo espírito de louvor. 
Uma vida renovada é, ela mesma, um hino de louvor a Deus.

Excluindo os exageros e deturpações que há em tantos estilos, uma nova canção não necessariamente tem que seguir os preceitos musicais e culturais de todos os indivíduos de uma mesma comunidade religiosa. O que para alguém pode soar simplista e pobre, para outro é a música que lhe dá sentido do poder e do amor divinos. O que para uma pessoa pode soar solene, para outro transmite formalismo vazio. Há quem prefira Arautos do Rei, outros o Novo Tom, uns Ron Kennoly e alguns Amy Grant.  

No entanto, essas diferenças de atitude quanto ao que faz sentido musical e religioso são de ordem bastante individual. Quanto toda a congregação está reunida e louvando coletivamente, essas diferenças mais atrapalham que ajudam, mais dividem que congregam.


Novos estilos de música fazem parte da dinâmica histórica da música sacra. Se inovações de estilo e música devessem ser proibidas completamente, a igreja deveria voltar ao canto judaico cheio de melismas e entoado apenas por homens no templo. De outro lado, se toda inovação de estilo e música for abraçada irrefletidamente, estaremos dando mais ênfase à diversidade musical do que à unidade congregacional.

Estamos rodeados de música por todos os lados. Peneirar as influências é o difícil trabalho do adorador. Mas ele não está sem um guia. Filipenses 4:8 orienta nosso pensamento para os valores do reino de Deus: tudo o que é verdadeiro, nobre, correto, puro deve ocupar sua mente. 

Alguns podem pensar que esse conselho de Paulo se refere à estética de um objeto. No entanto, fazendo uma distinção um tanto resumida, palavras como verdade, dignidade e pureza têm mais a ver com ética do que com estética. Algumas apreciadas óperas de Mozart têm muito de beleza e excelência estética, mas pouco de nobreza bíblica. E tem canção de Stevie Wonder (como Have a Talk with God) que apresenta uma verdade cristã. 

Por isso, outra boa orientação está em I Coríntios 10:23: "Todas as coisas são lícitas, mas nem todas  convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas edificam".

A escolha apropriada das formas musicais da adoração depende do que se escuta e também do que eu uso e descarto daquilo que eu venha a escutar. Depende ainda da função que se dá às músicas (liturgia, louvor congregacional, evangelismo). Surgem problemas bem visíveis e audíveis quando as referências culturais seculares são transplantadas para a música cristã sem uma reorganização dos elementos musicais (arranjo, mixagem, interpretação vocal) e extramusicais (postura, roupa, formas de divulgação).

Novas canções podem sensibilizar alguém para buscar uma nova vida. Uma nova vida tem poder para criar e recriar canções. Canções entoadas com um novo espírito.

* A frase da imagem acima diz: "Ele sempre está ali por mim e por isso sou sempre grato".

Comentários

bibliandre disse…
Joêzer,

excelente artigo. Trouxe-me uma nova luz sobre esse tema, que ocupa muito a minha mente. Eu posso republicá-lo no meu blog? (com o seu nome na autoria e remetendo ao blog original, é claro).
joêzer disse…
pode, sim, meu caro.
Tell Procopio disse…
Wow... I'm so impressed!! Que vc sempre faça bom uso da inspiração Divina. O que li foi uma exposição clara, simples e cuidadosa de um tema que as vezes é tão judiado, pela paixão de pessoas bem intencionadas.
Seu link estará na minha página do FB. Que o Senhor te dê sempre um cântico novo no coração.

Tell Proc.

Postagens mais visitadas deste blog

Como os adventistas reagiram à pandemia de 1918?

Nos anos de 1918-1919, a chamada gripe espanhola fez milhões de vítimas ao redor do mundo. Nessa época, a I Guerra Mundial já estava em seu fim deixando um rastro terrível de perdas humanas e economias arrasadas. Nesse cenário de crise e destruição, como os adventistas reagiram? Os documentos que consultei mostram algumas respostas na comunidade de adventistas do sétimo dia nos Estados Unidos, país cuja população foi atingida severamente por três ondas da pandemia, tendo um número estimado de 500 mil a 675 mil pessoas mortas em consequência da infecção.  Algumas razões da disseminação foram: - A demora em aceitar a periculosidade da doença : em janeiro de 1918, um médico da região de Haskell, no Estado do Kansas, alertou as autoridades sanitárias a respeito de um forte aumento nos casos de influenza. Em março, a base militar de Funston registrou 1.100 soldados infectados. O vírus foi se espalhando por outras bases militares rapidamente e logo passou a fazer vítimas nas grandes cidades.

Sabedoria x Estupidez nestes dias maus

"Nas minhas reflexões sobre estes tempos que vivemos no Brasil e a necessidade cada vez mais crescente de humanização e de paz, deparei-me com o ensaio "As Leis Fundamentais da Estupidez" [escrito pelo professor da Universidade da Califórnia em Berkeley (EUA), o italiano Carlo Cipolla, em 1976]. Com ele, veio a compreensão de que o que estamos vivendo em nosso país é a estupidez humana tornada pública em tal nível que ganha ares de triunfo pela visibilidade que as mídias digitais lhes proporcionam. "Digo isto baseada na Terceira Lei Fundamental da Estupidez, que Cipolla chama de Lei de Ouro. É a própria definição do termo, muito mais profunda do que a que eu vivenciava: UMA PESSOA ESTÚPIDA É UMA PESSOA QUE CAUSA UM DANO A UMA OUTRA PESSOA OU GRUPO DE PESSOAS, SEM, AO MESMO TEMPO, OBTER QUALQUER VANTAGEM PARA SI OU ATÉ MESMO SOFRENDO UMA PERDA. "Sim! Pedir intervenção militar num país cujas feridas dos 21 anos de ditadura militar ainda estão abertas, e qu

o adventista Little Richard

Foi num sábado que faleceu aos 87 anos o mais famoso ex-aluno da universidade adventista Oakwood College: o cantor Little Richard. Ele mesmo, um dos pioneiros do rock, que cantou sucessos como "Tutti Frutti" e "Good Golly Miss Molly", o homem do inconfundível  wop-bop-aloo-bop-alop-bam-boom . Assim como vários outros cantores, Little Richard foi criado nos bancos de igrejas evangélicas da América. No auge do sucesso, em 1957, se sentindo em falta com sua fé e passando por problemas financeiros, anunciou que estava deixando tudo para se tornar pastor. Pesou nessa decisão um incidente em que uma forte turbulência afetou a aeronave onde ele viajava e Richard disse ter visto luzes brilhantes de anjos protegendo o voo, o que ele tomou como um sinal de Deus. Ele, então, foi estudar em Oakwood e durante cinco anos só gravou música gospel. Durante esse período, ele participou de uma campanha evangelística ao lado do pregador adventista E. E. Cleveland. Na ocasi