Pular para o conteúdo principal

o cinema e o povo nas ruas: sete filmes

Temos acompanhado lances históricos aparentemente inéditos no Brasil. É a primeira vez que a população em massa sai às ruas para exigir mudanças estruturais na forma de governar o país. A Inconfidência foi uma ação da elite intelectual e econômica; a Independência foi uma ação da corte contra si mesma; a República, uma ação militar. A massa popular em ação simultânea no país inteiro, só agora.

Muitos cineastas se envolveram com questões sociais e disseram "luz, câmera, revolução". Aqui estão sete filmes que traduziram o espírito da revolução popular no meio da rua:

A Batalha de Argel, 1966, de Gillo Pontecorvo. Quem luta: os líderes da resistência da Argélia. Motivo: obter independência da França. Resultado: filmado com tamanha eficácia e realismo que o filme foi banido da França e proibido pela ditadura brasileira por vários anos e por razões óbvias.

O Encouraçado Potemkin, 1925, de Serguei Eisenstein. Quem luta: os marinheiros russos. Motivo: o tratamento desumano que recebem da hierarquia militar. Resultado: este é o pai de todos os filmes revolucionários. Sua técnica de montagem virou parâmetro para o cinema que veio depois dele.

Terra e liberdade, 1996, de Ken Loach. Quem luta: jovens espanhóis e estrangeiros. Motivo: a ditadura do general Franco nos anos 30. Resultado: uma ode ao ardor revolucionário e ao desejo de mudança.

Malcolm X, 1992, de Spike Lee. Quem luta: ativistas afro-americanos. Motivo: igualdade de direitos civis e luta contra o racismo. Resultado: se Martin Luther King, que pregava a revolução pacífica, foi assassinado, que fim poderia ter Malcolm X, que defendia o olho por olho?

Germinal, 1993, de Claude Berri. Quem luta: os trabalhadores franceses das minas de carvão no final do século 19. Motivo: melhores condições de trabalho e de salário. Resultado: seu protesto incendeia o ânimo das classes populares brutalizadas pela elite local.

Gandhi, 1982, de Richard Attenborough. Quem luta: o Mahatma e o povo indiano. Motivo: a saída dos ingleses da Índia. Resultado: o filme ficou um tanto longo, mas não é capaz de tirar a inspiração da liderança de Gandhi.

Spartacus, 1960, de Stanley Kubrick. Quem luta: os escravos de Roma Antiga. Motivo: adivinha? Resultado: um épico que romanceia um pouco a história, mas nada diminui a emoção de ouvir todos os escravos dizendo “Eu sou Spartacus”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

o adventista Little Richard

Foi num sábado que faleceu aos 87 anos o mais famoso ex-aluno da universidade adventista Oakwood College: o cantor Little Richard. Ele mesmo, um dos pioneiros do rock, que cantou sucessos como "Tutti Frutti" e "Good Golly Miss Molly", o homem do inconfundível  wop-bop-aloo-bop-alop-bam-boom . Assim como vários outros cantores, Little Richard foi criado nos bancos de igrejas evangélicas da América. No auge do sucesso, em 1957, se sentindo em falta com sua fé e passando por problemas financeiros, anunciou que estava deixando tudo para se tornar pastor. Pesou nessa decisão um incidente em que uma forte turbulência afetou a aeronave onde ele viajava e Richard disse ter visto luzes brilhantes de anjos protegendo o voo, o que ele tomou como um sinal de Deus. Ele, então, foi estudar em Oakwood e durante cinco anos só gravou música gospel. Durante esse período, ele participou de uma campanha evangelística ao lado do pregador adventista E. E. Cleveland. Na ocasi

o dia mais gospel dos reis do rock

Depois de estourar nas rádios com a canção BLUE SUEDE SHOES, Carl Perkins foi gravar algo novo no estúdio da Sun Records, em Memphis. O iniciante cantor Johnny Cash foi lá assisti-lo. Quem também estava chegando no estúdio era o jovem Jerry Lee Lewis, uma aposta para o fim daquele ano de 1956. Quem o levou foi o dono da Sun Records, o lendário Sam Philips. Lendário porque este era o homem que descobrira Elvis Presley um ano atrás. Aliás, no meio da tarde, Elvis passaria no estúdio só para uma visita, pois já era um astro internacional e agora gravava na poderosa gravadora RCA Victor. Foi assim, por mera coincidência, que o dia 4 de dezembro de 1956 marcou um inédito encontro dos quatro cantores. Conversa vai, música vem, de repente os quatro estavam numa sessão improvisada de sucessos do rythm and blues, do country, do nascente rock and roll...e do gospel. Assim que Elvis chegou com sua namorada, Perkins interrompeu a gravação. Eles começaram a papear e rir, até que Elvis foi

a generosidade não está nos manuais

Corre na internet o vídeo em que um segurança impede que um cliente pague um almoço para uma criança que vendia chiclete no shopping. Nele, vemos duas formas de violência em estado bruto. 1) Uma criança pedindo (e não comprando, como é regra dos nossos shoppings) comida. E numa situação de viver da caridade de quem lhe detesta, uma criança com fome é a primeira violentada. 2) Um segurança que obedece cegamente ao manual de conduta dos nossos shoppings. E sob a condição de pe rder o emprego caso não cumpra zelosamente o manual, ele se obriga a perder a compaixão, a compostura, a humanidade. * Quanta violência já não foi cometida por pessoas que não hesitam em dizer "estou apenas cumprindo o meu dever"? * Mas nesse mesmo vídeo, "tanta violência, mas tanta ternura", como nos versos de Mário Faustino. O cliente resiste e vai "cometer" ali um "crime de generosidade". Oferecer um prato de comida a quem pede é uma violação do manual do sho