Pular para o conteúdo principal

o curioso caso do protestante que não protestava


Dois homens um dia tomaram a mais louca das lúcidas decisões: contrariar as autoridades em assuntos em que elas estão erradas.

Ambos sabiam dos riscos de enfrentar governantes, polícia, oposição e tentativas de assassinato. Mas eles pareciam dispostos a não recuar um centímetro do front onde tinham firmado sua consciência.

Acontece que esses dois homens eram religiosos e tinham sido ensinados a respeitar a autoridade civil ou religiosa. Mas não podiam calar-se diante quando as autoridades não eram fiéis a princípios civis ou religiosos.

Homens de palavra e da Palavra, eles saíram a falar nas ruas e nas igrejas, para jovens e velhos, para homens e mulheres. Denunciaram os pecados da instituição e da sociedade. Não viveram o suficiente para ver a consolidação de suas teses e a realização de seus sonhos. Um, branco, era chamado de Martinho Lutero. O outro, negro, era Martin Luther. O que é a mesma coisa e que na linguagem de hoje quer dizer “homens que protestam”.

O protesto de Lutero deu origem aos protestantes que reformaram o cristianismo. O protesto de Luther King faria os protestantes repensarem sua vida cristã. Um protestou contra as mazelas e deturpações que envergonhavam a Igreja. Outro protestou contra o racismo que manchava uma sociedade que se dizia cristã.

Se ambos tivessem se calado, não haveria protestantismo nem conquistas de direitos dos afro-americanos. Se vivos estivessem, achariam muito curioso o silêncio dos protestantes contemporâneos.

Se vissem as passeatas dos evangélicos, eles se perguntariam por que hoje eles só se manifestam publicamente quando o assunto tem a ver com sexualidade. Será que Freud explica?

O provérbio bíblico (29:2) já notava que “quando os maus dominam, o povo reclama” e que “quando o governo cobra impostos demais, a nação acaba na desgraça” (29:4).

Cada um vê os acontecimentos e toma sua decisão de se engajar em atos ou ideias conforme sua personalidade, opinião e previdência. Mas estou certo de que todo protesto social é, no fundo, um protesto de ordem moral, pois se protesta contra a desgraça social causada pela imoralidade de uma minoria dominante que vandaliza a vida e o futuro de uma maioria.

Ver uma multidão indignada em plena Copa das Confederações no próprio país do futebol é como ver um gigante pela própria natureza se levantando do berço esplêndido. Nem tudo mudará, mas pode estar havendo uma mudança mais importante, a mudança de mentalidade.

Protestos sociais não são como uma flecha que atinge o alvo e permite ver o resultado imediato. Protestos como os que estão ocorrendo são pedras atiradas na água, que submergem e se vão, mas cujos efeitos se verão no prazo e no círculo das ondas criadas.

O cristão trabalha e espera  por novos céus e nova terra. Mas ele ainda não está lá e por isso ele não se conforma com esse século. Nem com os modismos banais do seu tempo nem com a mercadorização do cristianismo nem com a injustiça social de qualquer tempo.

“Abre tua boca a favor daqueles que não podem se defender, pelo direito dos desamparados”, é o conselho de uma autoridade lúcida em Provérbios 31:8.


Comentários

Gutto Santana disse…
Quem é o autor do texto?
PEREGRINO disse…
gostei de mais e vou divulgar...
joêzer disse…
caro Gutto Santana, o autor do texto é o próprio blogueiro: Joêzer.

Peregrino, grato pela leitura e pela divulgação.
Alex Pimentel disse…
Ótima reflexão, parabéns pelo equilíbrio.

Postagens mais visitadas deste blog

o adventista Little Richard

Foi num sábado que faleceu aos 87 anos o mais famoso ex-aluno da universidade adventista Oakwood College: o cantor Little Richard. Ele mesmo, um dos pioneiros do rock, que cantou sucessos como "Tutti Frutti" e "Good Golly Miss Molly", o homem do inconfundível  wop-bop-aloo-bop-alop-bam-boom . Assim como vários outros cantores, Little Richard foi criado nos bancos de igrejas evangélicas da América. No auge do sucesso, em 1957, se sentindo em falta com sua fé e passando por problemas financeiros, anunciou que estava deixando tudo para se tornar pastor. Pesou nessa decisão um incidente em que uma forte turbulência afetou a aeronave onde ele viajava e Richard disse ter visto luzes brilhantes de anjos protegendo o voo, o que ele tomou como um sinal de Deus. Ele, então, foi estudar em Oakwood e durante cinco anos só gravou música gospel. Durante esse período, ele participou de uma campanha evangelística ao lado do pregador adventista E. E. Cleveland. Na ocasi

o dia mais gospel dos reis do rock

Depois de estourar nas rádios com a canção BLUE SUEDE SHOES, Carl Perkins foi gravar algo novo no estúdio da Sun Records, em Memphis. O iniciante cantor Johnny Cash foi lá assisti-lo. Quem também estava chegando no estúdio era o jovem Jerry Lee Lewis, uma aposta para o fim daquele ano de 1956. Quem o levou foi o dono da Sun Records, o lendário Sam Philips. Lendário porque este era o homem que descobrira Elvis Presley um ano atrás. Aliás, no meio da tarde, Elvis passaria no estúdio só para uma visita, pois já era um astro internacional e agora gravava na poderosa gravadora RCA Victor. Foi assim, por mera coincidência, que o dia 4 de dezembro de 1956 marcou um inédito encontro dos quatro cantores. Conversa vai, música vem, de repente os quatro estavam numa sessão improvisada de sucessos do rythm and blues, do country, do nascente rock and roll...e do gospel. Assim que Elvis chegou com sua namorada, Perkins interrompeu a gravação. Eles começaram a papear e rir, até que Elvis foi

a generosidade não está nos manuais

Corre na internet o vídeo em que um segurança impede que um cliente pague um almoço para uma criança que vendia chiclete no shopping. Nele, vemos duas formas de violência em estado bruto. 1) Uma criança pedindo (e não comprando, como é regra dos nossos shoppings) comida. E numa situação de viver da caridade de quem lhe detesta, uma criança com fome é a primeira violentada. 2) Um segurança que obedece cegamente ao manual de conduta dos nossos shoppings. E sob a condição de pe rder o emprego caso não cumpra zelosamente o manual, ele se obriga a perder a compaixão, a compostura, a humanidade. * Quanta violência já não foi cometida por pessoas que não hesitam em dizer "estou apenas cumprindo o meu dever"? * Mas nesse mesmo vídeo, "tanta violência, mas tanta ternura", como nos versos de Mário Faustino. O cliente resiste e vai "cometer" ali um "crime de generosidade". Oferecer um prato de comida a quem pede é uma violação do manual do sho