Pular para o conteúdo principal

não me chamem para torcer contra o Brasil na Copa


Vejo pessoas de bom coração conclamando a nação para que torça contra a seleção brasileira na Copa do Mundo. O nobre objetivo dessa convocação é dar um recado aos políticos de que essa Copa não nos interessa, a menos que hospitais, escolas e policiamento fossem de padrão FIFA.

Mas por essa lógica, se eu já existisse em 1970, eu deveria ter torcido contra Rivelino, Jairzinho, Tostão e Pelé para que o povo brasileiro abrisse os olhos e visse a sanguinolência da ditadura militar.

Peço desculpas, mas não vou engrossar o coro dos contrários. Não me levem a mal. Não sou torcedor de soltar fogos, não choro nem quando meu time perde nem quando ganha. Também não comprei ingressos para a Copa, nem mesmo pra assistir o clássico das mil e uma noites insones Irã x Nigéria, que será aqui no quintal de casa. Quase não sou um torcedor, sou um espectador que gosta de ver um bom espetáculo (seja um filme, um concerto ou uma partida esportiva).

Mas não vou deixar que a arrogância da FIFA, que a petulância dos corruptos, que a má gerência do governo tirem de mim o gosto pelo futebol bem jogado, o raro prazer de assistir um bom espetáculo de futebol, seja do Brasil, da Espanha, da Alemanha, da Holanda, da Argentina (não, da Argentina, não).

Mais ainda: a seleção nacional não é uma propriedade da CBF, embora essa entidade malfazeja pense que é.  A seleção brasileira, com o passar dos tempos e dos títulos, se tornou um símbolo nacional tão inalienável quanto a bandeira e o Hino.

Onde já se viu torcer contra a seleção como se isso fosse uma punição à corja que subtrai nossos mil-réis diuturnamente? Vão querer que eu também rasgue a partitura do hino, que eu queime a bandeira em praça pública como um talibã antiCopa enlouquecido?


Menos, amigos, menos. Não estou satisfeito com os rumos do PT, não vou com a cara do PSDB, e quero distância de assembleias do Psol, mas não quero que o Brasil perca só pra satisfazer o antipetismo do mesmo modo que eu não tomaria um banho demorado como se isso fosse prejudicar o governador Geraldo Alckmin.  

Então, não me chamem pra desligar a TV e ler um livro na hora do jogo do Brasil. Quero estar lúcido e ligado, nem que seja para ver o Brasil perder a Copa. Se os governos fazem uso dos triunfos esportivos para fazer um lifting na sua imagem popular, o que querem que eu faça? 

Querem que eu torça contra o Felipão, contra o Bernardinho, contra a Sheila, contra o César Cielo? Posso não curtir um esporte ou outro, mas vou torcer pela derrota dos meus conterrâneos porque isso supostamente desencantará o povo que, então, movido pelos ideais iluministas, vai torcer e lutar por educação, saúde e emprego com o mesmo empenho com que torcia pela seleção? Me poupem desse antitriunfalismo tão ridículo e romântico quanto o ufanismo.

Eu era um guri de 10 anos quando a geração de Zico, Junior, Falcão e Sócrates frustrou minhas mais doces ilusões de vitória na Copa de 1982. Eu deveria ter torcido contra a seleção porque o país vivia o final dos anos de chumbo da ditadura militar? Eu devia ter pulado e cantado a Marselhesa após a humilhação imposta por Zidane e cia. à seleção canarinho em 1998 só para manchar a reputação do governo FHC? Parei por aqui.

Torcer contra a Copa não vai redirecionar a dinheirama desperdiçada nos estádios e obras eternamente inacabadas. Vou assistir a Copa, vou deixar meu filho torcer e quem sabe se desencantar, vou deixar meus moleques serem felizes ou desiludidos com o futebol por conta deles. 

Nem por isso vou deixar de denunciar a impunidade, de ficar alerta quanto à desonestidade, à má gestão e ao pecado da nossa hipocrisia, que fala mal da FIFA e do futebol mas não se nega a andar de carro pelas obras do (mini)legado da Copa. Fica combinado: não me chamem pra torcer contra o Brasil na Copa.

Comentários

Ezequiel Gomes disse…
Excelente!

Andas na trilha de Paulo meu amigo, e dizes palavras "de verdade de bom senso" (Atos 26:25)

sucesso!
jonas brothers disse…
se voce quer torcer pra selecao coroar o PT com a taca da Copa do Mundo, dar'lhes mais essa plataforma politica fique a vontade.
Eu conheco o país que nasci, mais de 80% sao ignorantes que acreditam que futebol influi em suas vidas. A unica chance de o PT perder popularidade é o povo cair na real e isso se conseguiria perdendo a Copa. Copas tem muitas outras pela frente, Brasil já tem 5 é mais que suficiente, país mesmo nao tem nenhum! Prefiro que o Brasil PERCA.

Postagens mais visitadas deste blog

o adventista Little Richard

Foi num sábado que faleceu aos 87 anos o mais famoso ex-aluno da universidade adventista Oakwood College: o cantor Little Richard. Ele mesmo, um dos pioneiros do rock, que cantou sucessos como "Tutti Frutti" e "Good Golly Miss Molly", o homem do inconfundível  wop-bop-aloo-bop-alop-bam-boom . Assim como vários outros cantores, Little Richard foi criado nos bancos de igrejas evangélicas da América. No auge do sucesso, em 1957, se sentindo em falta com sua fé e passando por problemas financeiros, anunciou que estava deixando tudo para se tornar pastor. Pesou nessa decisão um incidente em que uma forte turbulência afetou a aeronave onde ele viajava e Richard disse ter visto luzes brilhantes de anjos protegendo o voo, o que ele tomou como um sinal de Deus. Ele, então, foi estudar em Oakwood e durante cinco anos só gravou música gospel. Durante esse período, ele participou de uma campanha evangelística ao lado do pregador adventista E. E. Cleveland. Na ocasi

o dia mais gospel dos reis do rock

Depois de estourar nas rádios com a canção BLUE SUEDE SHOES, Carl Perkins foi gravar algo novo no estúdio da Sun Records, em Memphis. O iniciante cantor Johnny Cash foi lá assisti-lo. Quem também estava chegando no estúdio era o jovem Jerry Lee Lewis, uma aposta para o fim daquele ano de 1956. Quem o levou foi o dono da Sun Records, o lendário Sam Philips. Lendário porque este era o homem que descobrira Elvis Presley um ano atrás. Aliás, no meio da tarde, Elvis passaria no estúdio só para uma visita, pois já era um astro internacional e agora gravava na poderosa gravadora RCA Victor. Foi assim, por mera coincidência, que o dia 4 de dezembro de 1956 marcou um inédito encontro dos quatro cantores. Conversa vai, música vem, de repente os quatro estavam numa sessão improvisada de sucessos do rythm and blues, do country, do nascente rock and roll...e do gospel. Assim que Elvis chegou com sua namorada, Perkins interrompeu a gravação. Eles começaram a papear e rir, até que Elvis foi

a generosidade não está nos manuais

Corre na internet o vídeo em que um segurança impede que um cliente pague um almoço para uma criança que vendia chiclete no shopping. Nele, vemos duas formas de violência em estado bruto. 1) Uma criança pedindo (e não comprando, como é regra dos nossos shoppings) comida. E numa situação de viver da caridade de quem lhe detesta, uma criança com fome é a primeira violentada. 2) Um segurança que obedece cegamente ao manual de conduta dos nossos shoppings. E sob a condição de pe rder o emprego caso não cumpra zelosamente o manual, ele se obriga a perder a compaixão, a compostura, a humanidade. * Quanta violência já não foi cometida por pessoas que não hesitam em dizer "estou apenas cumprindo o meu dever"? * Mas nesse mesmo vídeo, "tanta violência, mas tanta ternura", como nos versos de Mário Faustino. O cliente resiste e vai "cometer" ali um "crime de generosidade". Oferecer um prato de comida a quem pede é uma violação do manual do sho