31 março, 2014

ditadura no Brasil: 50 anos, 5 músicas

Para o historiador Eric Hobsbawn, a contestação também é uma forma de patriotismo. Patriotas seriam aqueles que mostram seu amor pelo país desejando renová-lo pela reforma ou pela revolução (Nações e nacionalismos desde 1780).

Mas para a ditadura militar no Brasil, ser patriota significava ficar caladinho diante do regime que não tolerava críticas. 

O golpe militar de 31 de março de 1964 completa 50 anos. Ninguém vai cantar parabéns. Mas para lembrar a resistência político-musical naqueles anos de chumbo, selecionei 5 canções-símbolo (clique nos links para ouvir).


Em 1966, o primeiro prêmio no Festival de Música Popular da Record (na era pré-Edir Macedo) foi dado à “Disparada”, de Geraldo Vandré:

Prepare o seu coração pras coisas que eu vou contar
Eu venho lá do sertão e posso não lhe agradar

O recado da música mal camuflava a crítica ao regime opressor: 
Porque gado a gente marca / Tange, ferra, engorda e mata 
Mas com gente é diferente.

Vandré dividiu o primeiro lugar do festival com prêmio com um futuro contestador, Chico Buarque, autor de "A Banda".

2 – "Pra não dizer que não falei das flores" (Caminhando e cantando)

Dois anos depois, Vandré seria mais explícito e o resto é história e canção:

Nas escolas, nas ruas, campos, nas construções / Somos todos soldados armados ou não.
Vem, vamos embora que esperar não é saber / Quem sabe faz a hora não espera acontecer

Essa canção tem um verso que fala das flores vencendo os canhões. A ditadura não gostou dessa contrarrevoluçãozinha "paz e amor" e o desconforto na caserna foi publicado na revista Veja ( 9/10/1968): “Essa música é atentadora à soberania do País, um achincalhe às Forças Armadas e não deveria nem mesmo ser inscrita" [no festival de música].

O ano era 1968, ano do fatídico AI-5, que aboliu direitos civis básicos em nome da "segurança nacional". E a canção vencedora do Festival Internacional da Canção (da Rede Globo) foi "Sabiá", de Chico Buarque e Tom Jobim. Mas essa era uma canção de protesto muito enrustida para aquele ano e os intérpretes receberam do público politizado uma vaia tão grande quanto injusta.

No final das contas, Vandré sumiu do mapa e quando voltou, negando protesto político, levou o povo a dar vazão a todas as teorias conspiratórias de costume. Ele quebrou o silêncio décadas depois numa entrevista à GloboNews.


É claro que o regime militar dava preferência a canções “patrióticas” como "Eu te amo, meu Brasil":

As praias do Brasil ensolaradas 
O chão onde o país se elevou 
A mão de Deus abençoou 
Mulher que nasce aqui tem muito mais amor.

O ufanismo é coisa exagerada e fantasiosa: Mulher aqui tem mais amor do que na Espanha? O sol brilha mais aqui do que no Egito? Fortalecia-se o mito do Brasil que “vai pra frente”, de uma gente “guerreira”, de uma natureza abençoada. E ainda obrigavam a gente inocente cantar isso na escola. 


Chico Buarque foi o cantor mais vigiado pelo regime. Quando o disco chegou à lojas e essa canção começou a tocar nas rádios, Chico foi “convidado” a explicar para os militares o que ele estava querendo dizer com versos como:

Hoje você é quem manda, falou tá falado / Não tem discussão, não
A minha gente hoje anda falando de lado / e olhando pro chão, viu

ou

Você que inventou a tristeza / ora, tenha a fineza de desinventar
Você vai pagar e é dobrado / cada lágrima rolada nesse meu penar
Apesar de você, amanhã há de ser outro dia...

Chico disse que não tinha nada de político nessa canção, que falava de uma mulher muito má que lhe abandonara. Por mais esfarrapada que pareça, os censores acreditaram e liberaram o autor e a música. Não demorou e a ficha caiu (era mesmo o tempo da ficha telefônica), mandaram recolher os discos das lojas e a canção não tocou mais na rádio.

Chico foi proibido de cantar essa música nos shows e começou a ter dificuldades para gravar. Por algum tempo, ele teve que gravar ou compor com o codinome Julinho da Adelaide, pois nada do que ele escrevia era liberado pela censura.

5 – "Cálice"

Chico rides again! Em 1973, durante um evento realizado pela PolyGram, Chico e Gilberto Gil decidiram cantar uma canção previamente censurada, "Cálice". O refrão diz:

Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
de vinho tinto de sangue

A referência à angústia de Jesus no Getsêmani era apenas de superfície, na escrita. Na fala, o "cálice" soava também como "cale-se". A referência era à angústia do artista e do intelectual, tesourados, amordaçados, silenciados.


Quando Gil canta a melodia da música com uma letra qualquer e Chico vai dizendo "cálice" (cale-se), os microfones começam a ser desligados (a presença de um censor nos shows era praxe). Ironia das ironias, ambos iam sendo tragicomicamente "calados".

Há muitas histórias e canções proibidas e censuradas, muito mais cantores que não aceitaram facilmente o "cale-se". Pra citar outra canção de Chico Buarque (Vai Passar), isso tudo faz parte de uma "página infeliz da nossa história / passagem desbotada da memória / das nossas novas gerações".

21 março, 2014

a parábola do bom samaritano gospel

O primeiro:
O piano tocou a introdução, o coral cantou um salmo de Davi no estilo barroco, depois entoou um canto polifônico sobre o texto de Romanos 13. Parte da congregação achou que estava ouvindo a “verdadeira música sacra”. Outra parte não entendeu nada, mas achou tudo muito bonito, embora meio tedioso. E o regente saiu batendo no peito dizendo que música sacra não é para agradar as pessoas, e sim a Deus.

O segundo:
A bateria fez a introdução, o cantor pediu pra bater palma e mandou tirar o pé do chão, depois repetiu dez vezes um refrão de quatro versos. Parte do público não entendeu nada, e achou tudo muito constrangedor. Outra parte achou que agora a igreja conseguiria “alcançar os jovens”. E o showman saiu dizendo que o que importa é a letra e o coração.


O terceiro cantou uma música que ajudou a curar feridas, a dar esperança, a devolver confiança. Que música ele cantou? Não sei. Só sei que nem no Israel moderno se achou tamanha fé e louvor tão sincero.

09 março, 2014

O pregador que rasgava conselhos sobre música sacra

Duas ou três coisas que eu sei sobre o caso do pregador Horne, que rasgou livro de compilação de conselhos sobre música sacra sob o pretexto de que "ninguém" os pratica.

1 - Se isso foi uma atitude de coragem, estou esperando pra ver outro imaculado rasgar os Conselhos sobre Regime Alimentar, já que "ninguém" os pratica. Ou então é pra rasgar a página dos 10 Mandamentos sob a justificativa de que "ninguém" os pratica?

2 - A interpretação "zelosa" de alguns é diametralmente oposta à moderação e à intenção da autora dos conselhos.

3 - Assim como tem uma turma cantando pra torcida, tem outra turma pregando pra plateia e não para congregações. Parece que só a primeira turma merece reprimendas públicas.

4 - Cuidado com o pregador que ilude o público com generalizações. Mais cuidado ainda com quem rasga e queima livros.

5 - Na sua argumentação, o exterminador de páginas diz que por essas demonstrações musicais os crentes são tomados por um bando de fanáticos. Mas ele o faz com uma atitude típica de um fanático!

 6 – Alguns dos meus alunos na PUC-PR são evangélicos, e é curioso comparar o quanto eles apreciam a música de cantores adventistas com o quanto alguns pregadores batem na música de sua própria igreja. Os alunos acham a música dos adventistas moderada e bem-feita enquanto alguns pregadores chamam essa mesma música de mundana e profana.

7 - Tem gente que se estivesse viva desde o século 12, estaria rasgando o Hinário porque este não tem coros gregorianos e ainda tem músicas de origem secular ou que vieram de outras tradições cristãs. Pior: hoje a congregação pode até cantar! Valei-me!