Pular para o conteúdo principal

Ó, Seu Oscar!


Um mês de férias do blog e meu séquito de 6 leitores já estava se habituando a uma vida sem estas linhas invisíveis do Word. Mas, depois de arrumar a casa e a cabeça, volto aos bancos escolares com a mesma impaciência pra fazer trabalho na biblioteca dos tempos do ginasial (esta palavra desjuvenece a gente uns 30 anos).

Passada a tormenta que é a adaptação escolar, voltei à vida fácil de caçador de mitos globais, destruidor de ídolos sarados, escoteiramente sempre alerta a toda inutilidade pretensiosa e prestando um desserviço ao tempo do leitor ao ir corajosamente aonde todos estão olhando alguma coisa.

E o que muita gente não olhou e não perdeu nada por isso foi a cerimônia do Oscar. Enquanto não mudarem a chamada para algo tipo a balada do Oscar, a rave do Oscar ou o barraco do Oscar, vai ser essa aporrinhação hipnótica que me deixa insone no começo e arrependido no fim. Onde eu estou com a cabeça que não paro de assistir ano após ano essa, argh, cerimônia que vai se tornando cada vez mais interminável?
É um sentimento semelhante que tenho em relação à seleção brasileira de futebol. Nos tempos de Zico e Sócrates era uma epifania. Nos tempos de Zagallo e Taffarel, já era masoquismo. Agora, ver o Dunga de novo no comando da seleção, com penteado de Predador e camisa do Sidney Magal aí já demais.

Voltando ao Oscar, o melhor foi ver os cineastas americanos mais criativos dos anos 70, Spielberg, George Lucas, Francis Coppola e Scorsese trocando figurinhas no palco e na platéia com os durões mais sensíveis de todas as épocas, Jack Nicholson e Clint Eastwood; o balé de corpos formando desenhos inacreditáveis; a quase american idol Jennifer Hudson dizer uma semana antes que não iria à cerimônia do Oscar porque iria a uma cerimônia na igreja, pra na hora cair em pecado ao vivo; e a cara de desconsolado do favorito Eddie Murphy ao não ouvir seu nome chamado (ele esqueceu que comediante só entra no palco do Oscar pra ler teleprompter de piada ruim).

Mas é claro que a Celine Dion tinha que estragar tudo. O pessoal da academia vai homenagear Ennio Morricone, o maior músico do cinema, e em vez de obrigar a Madeleine Peyroux a cantar, deixaram o empresário da Celine saber primeiro. Celine Dion é a Forrest Gump do pop romântico: suas canções tem QI de samambaia, mas a mulher está sempre na hora certa com as pessoas certas.
Duvida? Motivo 1: mataram o Leo di Caprio no Titanic mas Celine e aquela flautinha sobrevivem até hoje. Motivo 2 a 100: Celine é a reencarnação de Barbra Streisand, é só ouvir o xarope vocal e olhar o nariz, mas está de vocalise presente em todas as festas.

No domingo da, argh, cerimônia, ainda me esfalfei num rafting, me cansei numa longa viagem de volta noite adentro, porém meus instintos mais primitivos de ex-cinéfilo voltaram à carga. Mas prometo que vou procurar tratamento já. Vou pegar sem medo um dos meus livros de mestrado e como antítodo talvez eu veja um dos filmes indicados ao Oscar.

Comentários

Anônimo disse…
É, concordo em gênero, número e grau que foi um desastre a aprosentação do Oscar. Como sempre, uma enrrolação total. Muita demora!!

Bom, já que vc quer ver um dos filmes indicados, minha sugestão é o "A procura da Felicidade" Achei muito legal. Vale a pena ver!!

Ineusa Sousa
Jornalista
Márcio Boas disse…
eu não vi assisti o oscar... eu dormi antes das dez nesse dia!
hahahah
Natalia (UFMA) disse…
Pagando com juros o que te devo a tempos, não é professor? hehe...
Na verdade houve um tempo em que eu também curtia assitir aquela rasgação de seda(bem paraguaia mesmo) que vem daqueles "artistas" famosos que vivem dizendo: "...é... eu queria agradecer à academia...". É engraçado pq o discursso não muda. Faz tempo que não assisto televisão...mal jornal, por isso não tivo o (des)prazer de assistir a cerimônia. Mas com essas observações Joêzer, vi que não perdi nada.
Êi, psiu, eu sou tua amiga hein? Fiquei até com medo dessa tua língua agora, hehehehe...
Um grande beijo da tua aluna que admira teu humor negro.

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…