Pular para o conteúdo principal

concerto para celular

Até o século XIX, o grande inimigo dos concertistas era a sonolência dos nobres que iam ao teatro só pela obrigação social do status. Houve um tempo ainda pior: uma parte dos espectadores tinha o hábito de jogar cartas enquanto os músicos se desdobravam tocando uma sinfonia!

O inimigo agora é outro. Nem vale mais contar com a tosse, essa antiga impertinente. A direção dos espetáculos poderia começar a distribuir xarope antitussígeno para as pessoas logo na entrada do teatro. Compre seu ingresso e garanta seu xarope!

O maior inconveniente é mesmo o celular, esse companheiro de chamadas certas nas horas mais incertas. Numa multidão reunida para assistir qualquer coisa (seja na igreja, no teatro ou no cinema), sempre tem um esquecido que deixa o aparelho com o som ligado. Ou os lugares estão cheios de plantonistas aguardando ligação ou somos a maior população de gente sem-noção que já passou por esse planeta!

Já pensei em escrever uma espécie de "variação sobre um tema de celular". Acontece que meu amigo Marcos de Lazzari já compôs o que ele chamou de "Celulariana". Sobre o famoso toque de celular, ele fez variações ao estilo de Mozart. Ficou bem divertido.

Sua peça ainda não está eternizada no YouTube. Mas tem esse vídeo em que um violinista improvisa sobre a onipresente musiquinha de nosso tempo:


Comentários

Mateus disse…
Muito bom! Nas salas de aula... antes os professores reclamavam do uso deles, hoje eles mesmos usam dentro de sala o aparelho. Outra reclamação vinda do celular também é a claridade que eles produzem numa sessão de cinema/teatro... já fui chamado atenção por isso.
joêzer disse…
se a qualidade da gravação ficou boa, vá lá. ruim é a necessidade de filmar o evento com o celular e depois assistir uma gravação de péssima qualidade.
agora sim! meu nome no teu blog! vou ficar famoso..... hahaha abraços...

vc viu a celulariana onde?
joêzer disse…
Marcos, vocês tocaram no PUC Identidade, lembra?
Fausto Junior disse…
Em 2004 fiz esta animação chamada Concerto Nº 1 para Celular e Orquestra - Concert n.1 for Mobile and Orchestra http://www.youtube.com/watch?v=tvjIIB0ThJc
joêzer disse…
Fausto Junior,
parabéns pelo vídeo e pelo prêmio.
tomei a liberdade de postar o link da sua animação na página do blog no facebook.

sucesso.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta