Pular para o conteúdo principal

Mente, caráter e musicalidade – parte 1


Esse texto visa responder algumas questões que circulam em igrejas evangélicas, como o efeito da música sobre o ser humano e a definição de música sacra. Os temas tratados aqui estão comentados de forma resumida.

                                                              *    *    *    *    *

A música é moralmente neutra?

Estruturas (como as notas ou estilos musicais) e instrumentos musicais não têm moral intrínseca, são moralmente neutros como uma faca ou uma pedra. Somente as associações culturais do ouvinte podem formar um juízo de valor e conferir moralidade a uma obra musical. Aliás, estes juízos nem sempre fazem parte das intenções do compositor. Por exemplo, a Nona Sinfonia composta por Beethoven foi inicialmente considerada uma expressão de um ideal ético de fraternidade universal, mas, 110 anos depois, os nazistas utilizaram a mesma obra como objeto de propaganda de superioridade racial. 

E quando a música não é instrumental, mas tem letra e referências diretas ou indiretas a uma situação extramusical? Os versos das canções podem agradar a um e desagradar a outro, mas nem todos são afetados ou influenciados por mesmos versos que escutarem.

Nem todo mundo que cantava “Quem sabe faz a hora não espera acontecer” foi lutar contra a ditadura militar no final dos anos 1960, nem todo mundo que canta “Verás que um filho não foge à luta” está realmente convicto desse amor pela pátria. Portanto, se há algum problema em relação à música, este problema não está no que a música faz conosco, mas no que escolhemos fazer com a música. E para fazer algo a partir da música, é necessário ENVOLVIMENTO e PREDISPOSIÇÃO.

Esses dois aspectos estão ligados ao fazer cultural de um indivíduo ou grupo social. Sem envolvimento e predisposição, uma pessoa não é capaz de interagir com as situações evocadas pela música. É por isso que só participa ativamente de um ritual com música de umbanda quem se predispõe a participar. Caso contrário, quem mora próximo a “terreiros” entraria em transe toda vez que a música do ritual fosse tocada.

A reação à música é de ordem social, mas também é de apelo individual. Nem todos se sentem compelidos a cantar o Hino Nacional do mesmo modo que cantam o “Parabéns pra você”. Enquanto uns cantam e louvam a Deus animadamente na igreja, outros ficam entediados. O “poder da música” é superestimado quando não leva em conta a extrema variabilidade de respostas individuais à música.[1]


Assim, há pessoas que se sacodem à primeira batida de um funk ou pagode e outros que fecham o ouvido e execram a música. Mais uma vez, é preciso o envolvimento com determinado elemento sociocultural e predisposição pessoal.

Esses fatores revelam que 1) não somos apenas um amontoado de células e neurônios passivamente à espera do próximo som musical que nos corrompa ou nos edifique; e 2) não somos criaturas cuja mente e coração são transformados pela audição de estilos musicais e pela sugestão de letras. Se essa conexão fosse tão irresistível, os cidadãos que só escutam música cristã seriam os mais mansos, puros e santificados da comunidade.

O primeiro pensamento mencionado acima está mais próximo de uma noção evolucionista que advoga que nossas células e hormônios ditam as regras e comportamentos. O fenômeno acústico e musical tem efeitos em nossa fisiologia? Sim. Mas não somos apenas resultados da ação biológica; mais que isso, somos seres culturais. Robert Lundin, estudioso da psicologia da música, avalia que boa parte das nossas reações musicais são determinadas culturalmente.[2]


Oliver Sacks, neurologista autor de “Alucinações Musicais”, diz que ainda não é possível determinar até que ponto as reações emocionais de um indivíduo à música dependem mais da própria fisiologia ou mais da cultura (entrevista a O Globo, 29/9/07).

O segundo pensamento está ligado à teoria grega clássica do ethos que atribuía à música a capacidade de modelar o caráter. Esse conceito deriva da ideia de que a estética e a ética possuem uma natureza e uma função comuns. Para alguns filósofos gregos (Platão e Aristóteles inclusos), haveria uma correlação entre as cadências/progressões musicais e os movimentos psíquicos capazes de efetuar mudanças na conduta moral humana. Por exemplo, ver e ouvir o que é belo e harmonioso modelaria a alma humana segundo o equilíbrio e a justiça.[3]

Nem todos os filósofos, como o pensador greco-romano Sextus Empiricus, e teólogos concordavam a relação causal entre música e natureza humana. O apóstolo Paulo diz que não é a simples contemplação de uma obra humana que transforma o ser humano - vale notar que em II Coríntios 3:18, o apóstolo Paulo parte de um ideal grego familiar ao seu contexto para introduzir um renovado conceito espiritual.

A ideia de que os sons musicais (sem letra) têm o poder implícito, ou "oculto", de causar mudanças no caráter e na vontade humanas cruzou a filosofia helênica e se introduziu o pensamento de autores cristãos de várias épocas, de Agostinho à Calvino até os nossos dias.[4] 

A contemplação do belo não é capaz de modelar o bom caráter, como se viu na preferência musical nazista por obras de Beethoven e Richard Wagner. O que, de fato, é capaz de mudar um indivíduo, segundo a Bíblia, é a contemplação/audição em correlação com a livre obediência. É preciso disposição e obediência para seguir o que se está ouvindo, inclusive para se atender à “voz divina”.

Então, se não há moralidade inerente à música (música sem letra), qualquer estilo pode ser considerado sacro? “Não existe música particularmente sacra”, como diz o líder evangélico Rick Warren?
Essa questão será comentada no próximo texto.

"Mente, caráter e musicalidade - parte 2"



[1] Ver Brown, Elizabeth; Hendee, William. “Adolescents and their music”. Journal of the American Medical Association, nº 262.
[2] An objective psychology of music, p. 100. 
[3] Ver mais em Nasser, Najit, O ethos na música grega. Boletim do CPA (Unicamp), n. 4. 
[4]McKinnon, James, Early Christian Literature, 1987.  

Comentários

Muito bom...amei o texto.
Estou esperando ansiosamente pelo próximo texto.
Muito obrigado por partilhar conosco esses pensamentos.
P.S.: curti o trocadilho no título rs

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta