Pular para o conteúdo principal

os pontos fracos do livro digital


10 razões pelas quais o livro digital não entusiasmou ainda os universitários:

1. Os livros necessários não estão sempre disponíveis no formato digital

2. Eles não são tão acessíveis (o valor dos livros não caiu tanto e o aparelho leitor não é barato)

3. Você não pode emprestar ou revender a maioria dos livros digitais

4. Há uma sensação estranha na anotação em um e-book

5. Os livros digitais são pesados (em tamanho de estocagem) também

6. Existem melhores conteúdos digitais disponíveis na web

7. Os estudantes universitários de hoje cresceram usando livros tradicionais

8. Os e-books oferecem uma experiência de leitura diferente (em um estudo, os que leram uma versão impressa de um mesmo texto pareceram ter maior compreensão do conteúdo, lendo-o mais rápido, do que o grupo que leu uma versão digital)

9. Encontrar os livros é uma caça ao tesouro (em função da falta de padronização de formatos)

10. Os estudantes esperam mais da edição digital (ferramentas sociais, possibilidade de usar dispositivos da web)

Outros dados da pesquisa:

- 11% dos universitários já compraram livros digitais (os e-books)

- Se têm a opção entre um livro impresso e um livro digital, 76% dos estudantes ficariam com o livro no suporte tradicional

- Somente 8% dos estudantes entrevistados tinham um aparelho leitor de livros digitais (o e-reader)

- 60% deles disseram aprender melhor com um livro no formato impresso do que com um livro digital

*****

NNP: a pesquisa data de 2012. Três anos depois, é preciso verificar se a adesão dos universitários ao livro-texto digital aumentou ou não.
Texto original no blog Online Universities, com o título "10 Reasons Why Students Aren’t Using eTextbooks" .
Boa parte da tradução copiei do blog MidiasEducação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…