Pular para o conteúdo principal

Deus não bate pênaltis

Se o goleiro e o batedor do pênalti pedem a ajuda de Deus no mesmo momento, para quem o Onipotente decide? Ao falar sobre a natureza do universo, Einstein teria dito que "Deus não joga dados". A frase estava relacionada a determinações e incertezas propostas por teorias da mecânica e física quântica. Os resultados do esporte também podem ser tão difíceis de determinar, e têm tantas variáveis e incertezas, que dá pra dizer que se Deus não joga dados, Ele também não bate nem defende pênaltis.

Outra situação: num concurso federal onde 5 mil pessoas disputam duas vagas. Ainda que todos rezem para o mesmo Deus, ninguém espera um milagre em que todos os candidatos sejam aprovados e convocados. Até porque isso criaria um mar de contas no vermelho para o governo e não haveria Moisés ou José do Egito capaz de administrar esse inchaço do funcionalismo público.

Os primeiros lugares em concursos e os medalhistas de ouro têm mais fé do que outros? Não tenho fé para acreditar nesse tipo de meritocracia, e nem há base bíblica pra isso. Na verdade, na Bíblia está escrito que "Deus faz nascer o seu sol sobre bons e maus, e faz chover sobre justos e injustos"(Mateus 5:45). Não custa lembra que ser bom ou mau não tem relação direta com o fato de alguém ser cristão ou ateu.

Ter fé do tamanho de uma bola de basquete não é suficiente para remover os adversários. Está aí o ginasta japonês Kohei Ishimura, bicampeão olímpico que disse que não acredita em Deus, e sim em treinamento.




Não parece haver muita lógica em um esportista atribuir a alguma divindade o motivo de sua derrota ou vitória, mas sim ao treinamento duro, a habilidades superdesenvolvidas e ao esforço contínuo. No entanto, e se Usain Bolt e Michael Phelps quiserem agradecer a Deus por tudo isso e mais as oportunidades que tiveram?

Nesse caso, quando o assunto é gratidão, não há qualquer impedimento em ser grato a Deus. Está aí a seleção de rugby das ilhas Fiji creditando sua medalha de ouro a Deus. É verdade que a letra da canção diz "vencemos pelo sangue do Cordeiro e pela Palavra do Senhor", dando a impressão de uma mistura de triunfos esportivos com conquistas espirituais. Mas, se eles estiverem seguindo a recomendação de "Em tudo, dai graças" (I Tessalonicenses 5:18), então, deixa o time cantar.


 


Em caso de derrota, muito cristão resignado diz que isso também foi vontade de Deus. Mas tem gente que, em vez de creditar sua derrota a erros pessoais, ao seu treinamento ou à maior competência do concorrente, prefere atribuir seu fracasso à vontade dos deuses dos outros.

"Ele [Thiago Braz] estava influenciado pelas forças místicas do candomblé": foi o que teria dito o treinador do atleta Renaud Lavillenie, que perdeu a medalha de ouro na modalidade salto com vara para o brasileiro Thiago Braz. Seria este o primeiro caso de doping espiritual de um atleta medalha de ouro. Se os organizadores da competição acreditarem nisso, o comitê de doping vai passar a ser formado por um médico e um exorcista. [mais tarde, o repórter do Le Monde disse ter inventado a fala do treinador]

Voltando a pergunta inicial, se o goleiro e o batedor do pênalti pedem a ajuda de Deus, como o Onipotente decide? Sabendo que todos são iguais ao olhos divinos, e entendendo que o fato de ser bom ou mau, ateu ou devoto, não altera o resultado de um jogo, resta confiar em outra qualidade atribuída a Deus: a sabedoria.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta