Pular para o conteúdo principal

as canções de Alexandre Reichert

Alexandre Reichert Filho foi diretor musical do quarteto Arautos do Rei no período de 1972 a 1980. Exímio pianista, marcou época como arranjador e compositor do quarteto, mas pouca gente sabe que ele também é autor de cânticos para a juventude da década de 1970 que foram bastante populares.

As canções jovens de Reichert primavam por dois aspectos: facilidade melódica e requinte harmônico. Combinando a simplicidade da melodia à sofisticação da harmonia, Reichert trouxe um sopro de novidade à música cantada pelos adventistas na época. Selecionei, aqui, apenas três amostras.

O cântico Conversar com Jesus tem apenas oito versos. Sua melodia também aparenta simplicidade. Em 20 compassos, este corinho desprovido de refrão exibe maior desenvolvimento melódico-harmônico do que os cânticos estrangeiros que integravam as coletâneas adventistas até então. As canções jovens “importadas”, como “Estou seguindo a Jesus” e “Caminhando”, apresentavam a referência harmônica e a marcação rítmica da música country norte-americana e das marchas militares e escolares. Reichert mantém a simplicidade melódica dos cânticos americanos, mas a base harmônica agora é outra, mais complexa. Em Conversar com Jesus, essa troca consecutiva de acordes nunca desequilibra o andar da melodia. Canta-se sem sobressalto. Na partitura abaixo, assinalei em vermelho os muitos procedimentos harmônicos que sustentam a breve melodia.

Outra bonita canção de Alexandre Reichert é Vou Caminhando, que tem letra de Wilson Almeida. Lançada inicialmente como uma das faixas do LP Arautos do Rei Cantam para as Crianças, a canção ganhou outro título ["O Caminho do Céu"] quando integrou posteriormente a coletânea musical para a juventude Vamos Cantar vol. 2, publicada em 1979. Seus versos iniciais (“Vou caminhando sempre contente / Pela estrada rumo ao céu”) foram a trilha sonora de uma geração.





É um tipo de melodia que reforça o entusiasmo e confiança expressos na letra. Dificilmente há uma igreja adventista que não cantava essa canção nos cultos jovens vespertinos do sábado. Quando eu tinha 12 anos de idade e era filho de professores de um colégio (IAAI) a 80 km de Manaus, várias vezes eu voltei para casa após a noite esportiva e, no caminho iluminado só pela luz da lua, eu vinha pedalando e assobiando a melodia de "Vou Caminhando". 

Naquela coletânea, constavam composições de outros letristas e músicos brasileiros que, por sua vivência musical e cultural, implementaram um novo tipo melódico que foi abraçado pelas Ligas M.V. em todo o Brasil [Missionários Voluntários foi a nomenclatura anterior a J.A., Jovens Adventistas].

Uma terceira amostra do raro talento de Alexandre Reichert, e também da inovação introduzida na música adventista, é a coletânea Eu Sei de Alguém, álbum de partituras lançado em 1979 pelo selo A Voz da Profecia, com canções de Alexandre Reichert e Mário Jorge Lima. Uma curiosidade é que ambos nasceram no mesmo dia, mês e ano: 17 de março de 1949. Em companhia aos dois compositores também comparece o letrista Wilson F. Almeida. 

As letras desse álbum de partituras são de fino extrato poético e abordam temas diversificados, como se pode ver a partir dos títulos de alguns cânticos: Mea Culpa, Ecologia, É Preciso Simplesmente Amar, Fé para Hoje, entre outros.

As harmonias sofisticadas servem de base a melodias cheias de lirismo, os arranjos para piano sustentam uma bem construída teia de harmonia vocal, tudo combinando com a expressividade poética e teológica das letras. Trata-se de um trabalho musical de alta qualidade e requinte, e que, vale ressaltar, aproximou a musicalidade adventista da musicalidade brasileira.

As canções de Alexandre Reichert ainda tocam os corações de quem as ouviu pela primeira vez, nos anos 1970 e 80. Elas podem ser fonte de inspiração para compositores, que identificarão nelas um modelo de inovação consistente, e para ouvintes, que desfrutarão de um refrigério musical e espiritual.

 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

o mito da música que transforma a água

" Música bonita gera cristais de gelo bonitos e música feia gera cristais de gelo feios ". E que tal essa frase? " Palavras boas e positivas geram cristais de gelo bonitos e simétricos ". O autor dessa teoria é o fotógrafo japonês Masaru Emoto (falecido em 2014). Parece difícil alguém com o ensino médio completo acreditar nisso, mas não só existe gente grande acreditando como tem gente usando essas conclusões em palestras sobre música sacra! O experimento de Masaru Emoto consistiu em tocar várias músicas próximo a recipientes com água. Em seguida, a água foi congelada e, com um microscópio, Emoto analisou as moléculas de água. Os cristais de água que "ouviram" música clássica ficaram bonitos e simétricos, ao passo que os cristais de água que "ouviram" música pop eram feios. Não bastasse, Emoto também testou a água falando com ela durante um mês. Ele dizia palavras amorosas e positivas para um recipiente e palavras de ódio e negativas par

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora.  Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão. Paula foi ao programa Show Business , de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”. O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhu

A volta de Jesus em 4 músicas

Neste sábado, dia 06, mais de 20 milhões de exemplares da revista Viva com Esperança serão distribuídos pela Igreja Adventista em toda a América do Sul. Jornais de grande circulação também vão encartar as revistas e distribuí-las nesse dia: O Globo (285 mil cópias), O Estado de Minas (70 mil) , Super (MG, 145 mil), Diário Catarinense (60 mil) e Tribuna (Vitória, 72 mil). Como “trilha sonora” para o evento, selecionei quatro músicas que expressam a esperança na segunda vinda de Jesus. Chegou a hora – Jader Santos Filho, vai chegou a hora Filho, vai sem mais demora (...) Já preparei a casa, já preparei a mesa Filho, Me traz de volta Quem criei, quem perdi E na cruz resgatei O refrão dessa música é uma resposta ao desejo revelado no início ( já ouvimos tantas vezes sobre a volta de Jesus / nosso coração anseia ver o brilho de Sua luz ). Segundo a Bíblia, ninguém, a não ser o Pai, sabe quando será o dia do retorno de Cristo. O compositor imagina o Pai dizendo ao Filho que, enfim, c