Pular para o conteúdo principal

BABEL: A TORRE ANTES DO FILME


O livro bíblico do Gênesis conta a história de um povo que, na tentativa de escapar de um novo dilúvio, começa a construir um edifício tão alto que arranharia o céu. Jeová, porém, provoca o desentendimento geral naquele canteiro de obras ao instaurar os falsos cognatos na linguagem humana: Pedro pedreiro pedia tijolo, o ajudante de pedreiro trazia água; o mestre de obras mandava buscar tubos Tigre e lhe traziam conexões Mico; a cozinha pedia alhos e o cameloboy comprava bugalhos.
Os executivos, que eram nominados CEO, já que o céu era o limite ali, anotaram em seus palm-papiros que os engenheiros não se haviam mais com o súbito aparecimento de diferentes sistemas de pesos e medidas, e as placas que informavam o recorde de dias sem acidentes
de trabalho eram retiradas tal era a sucessão de acidentes fatais e pedidos de demissões (devido à total incomunicabilidade linguística, o demissionário revelava sua intenção ao superior com uma simples deserção do local da obra, passando incontinenti pelo RH).

Os sindicatos, que já não se entendiam no monoglotismo, viram o mundo inteiro transformar-se numa de suas exasperantes plenárias. Só os religiosos adeptos da glossolalia regozijaram-se achando que aquele falar ininteligível era o derramamento do Espírito em escala mundial. Assim, o que seria a primeira maravilha do mundo ganhou logo o título irônico de "obra faraônica". É claro que o desconhecimento de faraós e a ausência de ironia (lembre-se que os hebreus da linhagem Seinfeld-Woody Allen ainda estava por nascer) fez com que o apelido não pegasse e o que ficou pra história foi outro: Babel, que significa confusão e deu origem à Babilônia, a metaconfusão.

Ninrode, o arquiteto principal, e a holding responsável pela torre incorreram em três erros: o primeiro, de engenharia: Que profundidade teriam as fundações de tamanho edifício? Já que temiam outro dilúvio não seria mais prático o investimento na engenharia naval?
O segundo erro, de cunho sociológico: na ausência de elevadores, quem seriam os explorados pra carregar as compras até o último andar? E qual o valor de uma cobertura? Prevendo também uma especulação imobiliária de níveis realmente estratosféricos, Deus evitava, causando a ruína da torre, a construção de condomínios verticais na planície de Sinear, de um shopping babilônico nos pastos verdejantes junto ao rio Eufrates e de mais andaimes pingentes que a gente teria que cair.
O terceiro, teológico: Se Deus tinha prometido antes que iria chover, quando não se conhecia a chuva, e de fato choveu, custava acreditar na nova promessa de que a humanidade não seria novamente destruída pelas águas?

Assim nasceram os idiomas e além do mais, sem Babel não haveria no Oscar a categoria Melhor Filme em Língua Estrangeira, ou Não-Inglesa, o que para os americanos é a mesma coisa.
PS: a reprodução acima é do quadro A Torre de Babel, de Peter Brughel, o Velho, pintada no século XVI. O pintor imaginou arcos na torre, mas os arcos eram elementos arquitetônicos da época do pintor, e não da torres ou zigurates babilônicos.

Comentários

Natalia Cunha disse…
É quase impossível não soltar aquele sorrisinho irônico cada vez que eu leio cada um dos teus infatigáveis comentários sobre a realidade em que (sobre)vivemos. Um abraço, professor!

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta