Pular para o conteúdo principal

razão adulta, fé infantil

O cristianismo bíblico descreve o ser humano como filho de Deus, o Pai. Considerando que Deus é amor, não poderia haver filiação mais desejada do que esta, certo? Quase certo, se todos enxergassem a relação homem-Deus como filho-Pai. Considerando que muita gente possui um histórico de relações com Deus em que repressões, más interpretações, autossuficiência e abusos podem ter levado a traumas espirituais quase irreparáveis, insisto aqui na compreensão de Deus como um Pai amorável que deseja o melhor para cada criatura Sua.

A letra de "O meu louvor é ser feliz", de autoria de Valdecir Lima (a música é de Lineu Soares), tem uma simplicidade aparente cuja superfície não esconde a profundidade da abordagem. É como se a letra fosse um regato de água translúcida a ponto de enxergarmos o leito, sendo esse córrego cristalino tão belo em sua pequenez quanto qualquer imensidão amazônica.

Quero depender de Deus
nEle crer e nEle confiar

O pensamento moderno sobre Deus é que, se Ele não existe, isso não interfere no meu caráter, e que, se Ele existe, Ele não interfere na minha vida. A primeira linha é elementar: se não existe Deus nem lei moral, isso não deve me tornar um mau-caráter, pois o amor pelos meus semelhantes deve me salvaguardar de praticar o mal contra eles (não lhe parece algo bem religioso?). A segunda linha não é melhor: não há dependência de Deus nem mesmo que Ele exista. Como escreveu Chesterton: “O homem é marxista num dia, nietzcheano no outro, super-homem (provavelmente) no dia seguinte e escravo todos os dias”.

Na contramão da autossuficiência (ou abandono) do homem, os versos de Valdecir expressam o desejo de depender de Deus. A conjugação verbal “quero” revela que depender de Deus, e crer e confiar em Deus, é uma escolha humana. O homem também é livre para não querer depender. Dependência relaciona-se à humildade, o que é confundido com humilhação. Humilhar-se diante de Deus e dEle depender não é rastejar e lamber o chão, não é imolar-se numa escadaria nem ferir as mãos numa corda. Depender de Deus é reconhecer que somos miseráveis demais para garantir nossa respiração no próximo segundo, mas também é saber que somos especiais demais porque fomos vestidos com mais glória do que os lírios do campo.

E ao sentir que sou um filho Seu
Em gratidão Seu nome irei louvar
Agradeço a Deus por minha vida
Pela alegria de viver em paz
Por receber tantas coisas lindas
Que Sua mão a cada dia traz

A percepção de que a paternidade divina é uma benção inigualável produz no ser humano a vontade irreprimível de adorá-Lo. O louvor é uma consequência natural de quem se sente amparado, de quem vê a misericórdia do Pai renovar-se a cada manhã. Deus nos amou primeiro. A gratidão vem na forma transbordante da música.

Pra Deus eu sou como criança
Com sonhos e alma de aprendiz

A criança é uma invenção com menos de 500 anos. Tratada milenarmente como um adulto em miniatura, a criança tinha pouco tempo para brincar e ser criança, pois sua existência servia aos afazeres domésticos e aos labores para o sustento da família. Segundo Philipe Ariès, na sociedade medieval, a criança era vista como um animalzinho, fonte de diversão para os pais e habitantes do local. Assim que crescia, passava a participar da vida em condições semelhantes às dos servos.

Eram comuns os casamentos com crianças (raramente o noivo era da faixa etária da noiva); os meninos dotados de talento musical eram entregues aos cuidados da igreja e os mais talentosos eram disputados pelas cortes (quando criança, o músico Orlando de Lassus foi raptado várias vezes de uma corte para outra); a escola não possuía estratégias de ensino voltadas para as competências infantis; os adultos não tinham pudores perto das crianças, que assistiam a conversas e atos que estarreceriam a Vara da Infância e da Juventude.

A Bíblia compreende a natureza diferenciada da criança, tratando-a como um ser que requer cuidados especiais pela sua compleição física e psicológica em tenra formação, mas também atribuindo-lhe deveres espirituais, como foi o caso de Samuel, chamado desde cedo para servir a Deus.

Apesar da tradição de manter as crianças longe dos assuntos “mais adultos” da religião, Jesus permitia que elas se aproximasse dEle sem medo e ainda recomendava a todos a converterem-se em crianças. É claro que existe a maldade infantil, muitas vezes estimulada por modelos adultos negativos. Não é baseado nesse modelo que Cristo nos orienta. O alto padrão do cristianismo estabelecido por Jesus referenda a fé e a confiança em Deus da mesma maneira que um menino não se preocupa com o almoço de amanhã nem com o que vai vestir de noite nem como vai pagar os livros escolares. O cristão é aquele que entende a Bíblia com a razão adulta e confia em Deus com a fé da criança.

Por isso louvo com minha vida
O meu louvor é ser feliz

Enquanto da boca dos pequenos brota um perfeito louvor, não há louvor maior a Deus do que uma vida dedicada a Ele. Mais do que altares e ofertas, mais do que belos poemas e inestimáveis canções, nosso louvor é ser feliz. E procurar ser feliz nesse planeta parece uma missão impossível. Mas posso começar a viver feliz pela esperança de um lugar real onde a felicidade não tem fim, tristeza sim.

Comentários

Mário Wilson. disse…
Realmente joêzer!
Quando Deus pede que sejemos como crianças significa ser aprendiz a todo momento, dificilmente a criança esta presa a costumes, diferentemente do adulto que muitas vezes se torna endurecido por causa dos costumes litúrgicos do passado e não quer mudar simplesmente porque ja faz a muito tempo e de outra maneira não serve ou é irreverente. Vale lembrar tambem que Jesus sabia da presença dos fariseus ali no momento que proferia as palavras, Ele queria mostrar que acima de rituais estava Deus e Ele veio representar Deus e por simplesmente os tais fariseus estarem presos a rituais de maneira que viram o Messias e não deram crédito assim morreram na ignorancia, porque não tiveram a humildade de uma criança. Deus é aquele que esta presente entre nós e ao mesmo tempo esta em TODAS as partes deste infinito universo, imaginar isso é incrivel tentar compreender isto é facil e ao mesmo tempo complexo, Deus nos revelou aquilo que podemos enxergar e somente aqueles que dependem dele e têm a sutil percepção podem realmente viver na plena razão e ao mesmo tempo ter a fé de uma criança.
joêzer disse…
bem dito, amigo

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta