Pular para o conteúdo principal

atrás do trio elétrico vai até quem renasceu

Nesse carnaval, a Igreja Batista Missionária da Independência não vai retirar-se das grandes cidades. Ao contrário, vai atrás do trio elétrico também. Mas do trio elétrico gospel, fique bem entendido. Quase mil "foliões de Jesus" vão sair no bloco Sal da Terra, com direito a abadá e muitos louvores de exaltasamba, digo, de exaltação.

A micareta "santa" descobriu que, para chegar junto da moçada de sensibilidade carnavalesca, é preciso usar as mesmas músicas que levam a galera a tirar o pé do chão! É só por uma letra santificada pra ter muita unção e... olha o carnacrente aí, geeente!

Já a escola de samba Pérola Negra, de São Paulo, vai adotar um tom até certo ponto reverente em relação aos símbolos e personagens bíblicos. É o que dizem os diretores da escola, que proibiram nudez e garantem que todo mundo vai estar vestido com figurinos de época. Com cinco carros alegóricos e 23 alas, serão representadas passagens da história de Abraão. E a letra do samba-enredo (confira aqui) é mais respeitosa e correta que muito axé-gospel por aí - inclusive, estaria sendo cantada em alguns cultos da Igreja Renascer.

No carnaval 2009, a sensação/controvérsia da vez foi a cantora Jake e sua canção Pó pará com pó. A moça sacudia a moçada na avenida com seu axé de letra edificante. A canção pretendia ser um instrumento de evangelismo e de combate às drogas (“pó pará cum pó aí”, traduzindo, pode ir parando de cheirar pó... aí). A cantora alertava que, em vez de cocaína, o melhor é tomar “uma overdose de Jesus” e, numa inesquecível metáfora, “injetar na veia o sangue que correu na cruz”. Onde estava essa música na hora em que Jimi Hendrix mais precisava dela?

Há uns 15 anos, a banda secular Asa de Águia cantava que “na casa do Senhor não existe Satanás, xô Satanás”. A canção, que satirizava as célebres sessões de descarrego e exorcismo de algumas igrejas, podia ser cantada por um grupo de axé gospel no carnaval, já que a letra "divertida" teria o mesmo efeito "divertido" sobre os foliões. Eventos de entretenimento de massa como micaretas e carnavais não são criados para estimular a reflexão crítica ou para promover mudanças de hábito.

Nesse vídeo do Carnatal, Ivete Sangalo e Jake cantam e sacolejam num trio elétrico. Dá pra perceber como as cantoras (mais os humoristas do Pânico na TV), o lugar, o espírito de brincadeira, estavam todos "contribuindo" para o nível de conscientização social, já tão alto e expressivo na letra da canção, né? 

Tragicômico é saber que podia ter gente se animando com pó ao som do pó pará com pó! Mas há um pessoal tão bem-intencionado que acredita que sua música terá força espiritual em meio a tanta folia e badalação.

Comentários

Éveni S. disse…
Quando eu crescer quero escrever igual você. rsrs
Brincadeiras à parte, parabéns pela sutileza humorística ao tratar de um assunto tão sério.
Angelo Repetto disse…
olha o carnacrente aí, geeente! hahahahahahahahahahahahahahaha

Quando eu crescer quero escrever igual você.[2]

You're the best...
joêzer disse…
valeu! quase acredito. rs
O povo não tem mais o que inventar né? colocar um bloco gospel na avenida é realmente... T E N S O!

PARABÉNS PELO ARTIGO, MUITO BOM MESMO!!
Andressa disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Andressa disse…
Um pipoqueiro. Isso não é música, tampouco cristianismo.
uma "coreografiazinha" na igreja com o coral de beca ao som de piano (música pop-gospel) [pode], dançar pra valer até suar com um "sambinhazinho" esquisito [não pode]?

pq só em uma das opções existe incoerência na sua opinião?

eu tb quero escrever igual vc [3]

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta