Pular para o conteúdo principal

festas, cantar e folgar


Na Idade Média, a tradição de jejuar durante 40 dias e 40 noites entre a Quaresma e a Semana Santa obrigava os mosteiros a esvaziar parte de suas despensas. A carne, que estragaria durante esse período de abstinência, era comida pela população, sendo que a terça-feira era o ápice da comilança. Daí a terça-feira "gorda". 

Hoje, com a quantidade de católicos não-praticantes aumentando, há pouco jejum de carne e muita gula dos "prazeres da carne". Como você sabe, o Carnaval deriva da expressão latina "carne vale", que em bom português pode ser traduzido como "vale tudo, inclusive carne"!

Claro que uma festa como essa iria encontrar nos trópicos solo fértil para crescer e se multiplicar, com o todo o duplo sentido, por favor. Em 1549, o Pe. Manuel da Nóbrega enviou uma carta à Portugal para o Pe. Simão Rodrigues contando de uma procissão de Corpus Christi pelas ruas de Salvador que incluiu todas as "danças e invenções alegorias à maneira de Portugal". Entre as danças, havia "coros, músicas, bandeiras, representações figuradas, folias etc".

O Pe. Serafim Leite observou que tais folias eram uma concessão dos jesuítas ao desejo de diversão dos devotos e que elas não tinham caráter religioso, mas "de simples e honesta diversão popular".

Em 1585, o padre jesuíta José de Anchieta escreveu irritado sobre o gosto por diversão em detrimento dos estudos e trabalhos da incipiente sociedade brasileira: 

"Os estudantes desta terra, além de serem poucos, também sabem pouco, por falta de engenhos e não estudarem com cuidado". Para piorar, ele achava que o ambiente local era pouco propício ao interesse pela ciência: "... nem a terra dá de si, por ser relaxada, remissa e melancólica, e tudo se leva em festas, cantar e folgar".

Reconheço que a única que eu gosto no Carnaval é o feriado, e por isso mesmo eu só acrescentaria uma frase, que de todos já é bem conhecida: "Nada há de novo debaixo do sol".  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta