Pular para o conteúdo principal

músicos cristãos não podem cobrar cachê?



No começo do ano, alguns blogs publicaram valores de cachês cobrados por músicos evangélicos. Mas os tais valores exorbitantes (supostos 250 mil reais cobrados pelo Ministério Diante do Trono) não se confirmaram e, como o primeiro blog a publicar a notícia deletou a postagem, outros blogueiros fizeram o mesmo.

Descontando a falta de prova dos números, ficaram as perguntas: músicos cristãos podem cobrar cachê para se apresentar? Como autointitulados levitas, eles não podem ser artistas?

Vinde e arrazoemos:

1 – Os levitas da Bíblia eram especialistas que atendiam exclusivamente às atividades do templo e trabalhadores remunerados (será que alguém ousava criticá-los porque não serviam gratuitamente por amor à causa?) Nem sempre é válido comparar aquele contexto com os dias atuais. Por exemplo, os cantores de Davi ou a banda de Jedutum não saíam em turnê pela Palestina. Segundo as práticas da época, sua arte musical estava vinculada à funcionalidade litúrgica.

2 – Felizmente, há muitos músicos que servem às necessidades musicais da igreja voluntariamente. Há bem-aventurados que têm algumas perdas monetárias mas testemunham seus ganhos espirituais. Ainda assim, músicos profissionais cristãos estão em seu legítimo direito ao pedir um cachê (nem que seja para cobrir as despesas de transporte e hospedagem). Eles não são advogados que no fim de semana vão tocar piano no culto. Cantores profissionais procuram viver de sua profissão como faz todo profissional.

3 – Quanto deve cobrar um artista cristão? Essa questão envolve oferta e demanda, mas mesmo a lei de mercado deveria submeter-se à modéstia cristã. O problema é quando quem contrata acha que só o cantor deve exercer tal virtude. Ou quando o cantor quer ajuntar para si tesouros na terra como se não houvesse céu.

4 – Muitos crentes, com sua habitual destreza em demonizar termos e expressões, condenam a palavra “arte”. Não por acaso, os cantores cristãos ainda temem ser chamados de artistas. Para muita gente, arte é sinônimo de exibicionismo e, portanto, um artista não seria simplesmente o sujeito que trabalha com a expressão artística, mas um showman.

5 – Sendo que os “ministros” e “levitas” foram ensinados a se envergonhar do termo “artista”, então eles dizem que têm um ministério. Só que alguns deles se empolgam e vão ministrar em cruzeiros, em rodeios, no carnaval, enfim, “aonde o vento do espírito [do capitalismo?] soprar”. Se se assumirem como artistas, ao menos vão parar de ter que responder sobre seu sucesso, já que serão artistas e pronto.

6 – Em geral, a igreja que contrata um irmão eletricista para consertar a fiação costuma remunerá-lo. Do mesmo modo, um cantor profissional que solicita um cachê pela apresentação não deveria ser visto como um aproveitador, ainda que existam aproveitadores em qualquer profissão e religião e, por isso, as igrejas tenham que estar sempre atentas aos lobos cantando música de cordeiro.

7 – A música é encarada por boa parte da sociedade como um dom natural ou sobrenatural. Por isso, o músico não deveria receber dinheiro algum, já que seu talento teria vindo de graça. Nessa linha de pensamento, se um indivíduo diz que alguém se torna pastor por causa de vocação ou dom divino, então os pastores também deverão viver somente da luz do sol como se propõe aos músicos que vivam?

8 – Você percebe quando um levita é um artista pop enrustido quando ele só levita mesmo na hora de gritar “tira o pé do chão!!!”

9 – Nem todo aquele que canta “Senhor, Senhor” entrará no reino dos Céus. Mas se ele não tiver sido nem mesmo um bom artista, no dia do Juízo isso será o menor dos males.

Comentários

Roberto disse…
Imagino que isso seja um conflito a muitos artistas evangélicos. Conheço muitos e a maioria tem outra atividade para lhe garantir o sustento. Conheço um produtor - não vou falar a denominação por questões obvias - deixou-se deslumbrar e nunca mais foi o mesmo. Portanto em nossas orações devemos orar muito por esses artistas que têm tão importante papel na Obra de Deus.
joêzer disse…
bem lembrado, Roberto. Grato pela leitura.
Anônimo disse…
Só não use esse termo levita para eles, já que nenhum de nós é judeu para usar estes termos.

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…