Pular para o conteúdo principal

músicos cristãos não podem cobrar cachê?



No começo do ano, alguns blogs publicaram valores de cachês cobrados por músicos evangélicos. Mas os tais valores exorbitantes (supostos 250 mil reais cobrados pelo Ministério Diante do Trono) não se confirmaram e, como o primeiro blog a publicar a notícia deletou a postagem, outros blogueiros fizeram o mesmo.

Descontando a falta de prova dos números, ficaram as perguntas: músicos cristãos podem cobrar cachê para se apresentar? Como autointitulados levitas, eles não podem ser artistas?

Vinde e arrazoemos:

1 – Os levitas da Bíblia eram especialistas que atendiam exclusivamente às atividades do templo e trabalhadores remunerados (será que alguém ousava criticá-los porque não serviam gratuitamente por amor à causa?) Nem sempre é válido comparar aquele contexto com os dias atuais. Por exemplo, os cantores de Davi ou a banda de Jedutum não saíam em turnê pela Palestina. Segundo as práticas da época, sua arte musical estava vinculada à funcionalidade litúrgica.

2 – Felizmente, há muitos músicos que servem às necessidades musicais da igreja voluntariamente. Há bem-aventurados que têm algumas perdas monetárias mas testemunham seus ganhos espirituais. Ainda assim, músicos profissionais cristãos estão em seu legítimo direito ao pedir um cachê (nem que seja para cobrir as despesas de transporte e hospedagem). Eles não são advogados que no fim de semana vão tocar piano no culto. Cantores profissionais procuram viver de sua profissão como faz todo profissional.

3 – Quanto deve cobrar um artista cristão? Essa questão envolve oferta e demanda, mas mesmo a lei de mercado deveria submeter-se à modéstia cristã. O problema é quando quem contrata acha que só o cantor deve exercer tal virtude. Ou quando o cantor quer ajuntar para si tesouros na terra como se não houvesse céu.

4 – Muitos crentes, com sua habitual destreza em demonizar termos e expressões, condenam a palavra “arte”. Não por acaso, os cantores cristãos ainda temem ser chamados de artistas. Para muita gente, arte é sinônimo de exibicionismo e, portanto, um artista não seria simplesmente o sujeito que trabalha com a expressão artística, mas um showman.

5 – Sendo que os “ministros” e “levitas” foram ensinados a se envergonhar do termo “artista”, então eles dizem que têm um ministério. Só que alguns deles se empolgam e vão ministrar em cruzeiros, em rodeios, no carnaval, enfim, “aonde o vento do espírito [do capitalismo?] soprar”. Se se assumirem como artistas, ao menos vão parar de ter que responder sobre seu sucesso, já que serão artistas e pronto.

6 – Em geral, a igreja que contrata um irmão eletricista para consertar a fiação costuma remunerá-lo. Do mesmo modo, um cantor profissional que solicita um cachê pela apresentação não deveria ser visto como um aproveitador, ainda que existam aproveitadores em qualquer profissão e religião e, por isso, as igrejas tenham que estar sempre atentas aos lobos cantando música de cordeiro.

7 – A música é encarada por boa parte da sociedade como um dom natural ou sobrenatural. Por isso, o músico não deveria receber dinheiro algum, já que seu talento teria vindo de graça. Nessa linha de pensamento, se um indivíduo diz que alguém se torna pastor por causa de vocação ou dom divino, então os pastores também deverão viver somente da luz do sol como se propõe aos músicos que vivam?

8 – Você percebe quando um levita é um artista pop enrustido quando ele só levita mesmo na hora de gritar “tira o pé do chão!!!”

9 – Nem todo aquele que canta “Senhor, Senhor” entrará no reino dos Céus. Mas se ele não tiver sido nem mesmo um bom artista, no dia do Juízo isso será o menor dos males.

Comentários

Roberto disse…
Imagino que isso seja um conflito a muitos artistas evangélicos. Conheço muitos e a maioria tem outra atividade para lhe garantir o sustento. Conheço um produtor - não vou falar a denominação por questões obvias - deixou-se deslumbrar e nunca mais foi o mesmo. Portanto em nossas orações devemos orar muito por esses artistas que têm tão importante papel na Obra de Deus.
joêzer disse…
bem lembrado, Roberto. Grato pela leitura.
Anônimo disse…
Só não use esse termo levita para eles, já que nenhum de nós é judeu para usar estes termos.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta