Pular para o conteúdo principal

Not Today: filme da conscientização espiritual e social

Quando os créditos finais de um filme listam o “coordenador de oração” antes das equipes de figurino e maquiagem, você sabe que se trata de uma produção religiosa. Not Today [Hoje não] estreou nos Estados Unidos em 12 de abril e custou 1, 6 milhão de dólares bancados pela Friends Church, igreja de Yorba Linda, Califórnia.

A ideia para o filme veio durante uma viagem à Índia, onde, em 2002, a igreja construía escolas para os “Dalit”, classe de indianos considerada a mais baixa no sistema de castas, que não tem direito à educação nem tem acesso aos tribunais.

O pastor do Ministério de Artes da igreja, Brent Martz, conta que a situação de pobreza extrema do povo Dalit tem levado famílias a venderem suas filhas para a prostituição. Isso motivou a igreja a fazer um filme que servisse de alerta contra a rede internacional de tráfico de menores e contra um sistema de separação social semelhante ao antigo apartheid na África do Sul.

“A mídia é a linguagem da nossa cultura, por isso um filme é a melhor maneira de comunicar a história de uma grande tragédia global como o tráfico de seres humanos. Que melhor maneira de motivar os religiosos, às vezes protegidos e distantes dessas situações, que não uma boa história que os encoraje a se envolver?”.

O elenco inclui atores conhecidos da TV americana como John Schneider, Cody Longo e Cassie Scerbo. Mas o destaque é Persis Karen [foto acima], intérprete de Annika, uma menina de 7 anos de idade vendida como escrava em Hyderabad, na Índia. Como a personagem, Persis Karen pertence à casta Dalit, mas é aluna de uma das escolas mantidas pela Friends Church na Índia.

O filme conta como Annika e seu pai, que vivem em Hyderabad, acabam conhecendo o jovem Cade Welles, americano que viaja à Índia com os amigos. Annika é vendida para o tráfico de menores pelo pai que não tem como sustentá-la nas ruas. Welles, que foi à Índia somente para frequentar as festas, reconcilia-se com Deus na tentativa de resgatar a menina. Sua viagem espiritual é também uma tomada de consciência social ao procurar por Annika no mundo sombrio da prostituição infantil.

Sem dinheiro para a construção de sets em estúdio, a produção foi filmada nas ruas e favelas da Índia durante 21 dias, o que garantiu mais autenticidade. Isso permitiu ao ator Cody Longo, que interpreta o jovem Cade Welles, experimentar o mesmo que seu personagem: viajar para a Índia e tomar um choque de realidade.

"Isso mudou minha vida", disse ele. "Me tirou da bolha em que vivia. Nós nos acostumamos a viver nessa bolha e ninguém percebe até chegar o dia de ver o que está acontecendo no resto do mundo. Naquele momento da minha vida [o filme foi rodado em 2010], eu estava lutando com a minha fé e com o rumo a seguir", disse Longo. "Eu sinto que Deus colocou isso na minha vida no momento perfeito".



Aqui, o site oficial do filme.

O filme “Not Today” ainda não tem data prevista para estreia no Brasil. Talvez seja lançado diretamente em DVD.

A reportagem original da CNN você lê aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta