Pular para o conteúdo principal

O garoto que chamava um jambeiro de USS Enterprise

Diário de bordo. Data estelar: 1983, um dia qualquer, 15:00. Eu já terminara os deveres da escola e as lições de piano – aquelas que o professor tinha mandado e aquelas que eu gostava. Logo começaria mais um episódio de Jornada nas Estrelas – naquele tempo, a gente não era obrigado a chamar seriado estrangeiro pelo título original. “Voyage to the Bottom of the Sea” era Viagem ao Fundo do Mar, “Get Smart” era Agente 86 e “Star Trek” era Jornada nas Estrelas.

O Capitão Kirk, o Sr. Spock e o Dr. McCoy estão às voltas com mais um ataque de inimigos dos terráqueos após uma expedição perigosa a um planeta desconhecido. Perigo e exploração no espaço: o que mais poderia pedir um garoto de 13 anos que lia Julio Verne como quem saboreava um jambo colhido no pé!

Desligada a TV preto e branco, chega a tripulação, quer dizer, minha turma. Cada um conta o que assistiu: “Você viu quando o capitão Kirk escapou dos tiros?” “E a cara do Spock, sem entender a emoção do dr. McCoy?” “E o teletransporte tirou eles de lá bem na hora!”.

Com esse mesmo espírito de louvor à aventura espacial, subimos na USS Enterprise NCC-1701, quer dizer, o jambeiro em frente de casa. Eu, o maiorzinho da turma e profundo conhecedor do espaço sideral entre as folhas, assumo meu galho de comando:
- Sr. Sulu, acionar a dobra espacial.
- Para onde vamos, capitão?, me pergunta o dr. McCoy, isto é, o Julison, meu irmão.

[Dependendo da necessidade de improvisar roteiro e tripulação, o Julison seria o Scott, o Raulison (o caçula) seria Sulu e o Wilker, McCoy. E até uma enorme escada abandonada no chão poderia servir de Enterprise!]

Logo depois, eu e o Spock, quer dizer, o Rogério, descemos para explorar um remoto planeta no intergaláctico quintal perto da árvore. Ameaçados pelos 2 ou 3 amigos que no episódio de hoje são nossos inimigos, disparamos nossos lasers feitos de sobras da marcenaria e pedimos ajuda da tripulação. E se não é o Scott nos teletransportar para o jambeiro a tempo...

Diário de bordo. Data estelar: 2013, julho. Assistir o novo Star Trek, ouvir o velho tema musical, ver a impulsividade de Kirk, a serenidade de Spock, as piadinhas do McCoy, a impaciência do Scott, a velocidade da dobra, os defletores, Sulu, Checov e Uhura, é como rever velhos amigos. Sou teletransportado de volta ao meu jambeiro num colégio adventista a 80 km de Manaus, corro descalço pela  grama, subo na minha nave, apanho outro jambo e saboreio minha infância outra vez.


Comentários

Muito bom, você escreve muito bem. Parabéns, gosto de seus "passeios" no blog. Nota 10!
Anônimo disse…
Cara, lembrei do nome do cantor norueguês: Ole Borud! Abraço, Dudu.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta