Pular para o conteúdo principal

qual a sua desculpa para ter medo?


Dá pra desculpar quem tem medo de ladrão, inseto nojento ou medo de não passar no vestibular. E claro, ter medo da morte é natural e conserva os dentes. Outra coisa natural é ter medo da polícia de hoje. Aliás, reparou que só os inocentes têm medo da polícia?

Mas tem gente que leva uma vida baseada no medo.


É gente com fobia do sol, fobia de carne vermelha, fobia de salada, fobia de unha pintada, fobia de gay, fobia de muçulmano, fobia de americano, fobia de presidente negro, fobia de papa argentino, fobia de papa alemão, fobia de igreja evangélica, fobia de galinha preta, fobia de religião, fobia do fim do mundo, fobia da Globo, fobia do PT, fobia de conspiração, fobia de que tudo aquilo em que acredita não passe de uma grande ilusão, fobia de filosofia, fobia de alegria, fobia de ser feliz com o que se tem!

Comentários


Caro amigo Joêzer,

Eu entendo perfeitamente que, com esta mensagem, você talvez estivesse desejando passar uma mensagem reflexiva para os seus leitores - o que é, em si, uma atitude louvável.

Contudo, temo que você tenha sido um pouquinho infeliz em relação ao emprego do termo "fobia" no seu texto, e já explico-lhe o motivo:

Tecnicamente falando, uma fobia difere muito de um simples medo. Ao contrário deste último, uma fobia é considerada como tal justamente pelo fato de a pessoa que a sente não possuir qualquer "desculpa" ou justificativa racional para tê-lo - e, apesar de estar ciente disso, mesmo assim a tarefa de dominá-la simplesmente que extrapola os horizontes de suas forças e de seu desejo de recuperar-se.

Enfim, o fato é que certas patologias - tais como fobias, síndromes e depressão - não são coisas que se sanem por meio de fé nem de mensagens positivas contidas em sermões ou livros de auto-ajuda.

Um abração.
joêzer disse…
perfeito, Vinicius.
De fato, antes eu escrevi tudo com a palavra "medo". Depois me dei ao trabalho de substituir por "fobia", para ter mais impacto. Receio que minha licença poética desnecessária tenha extrapolado o campo das definições científicas.
Acho que vou até alterar o texto e colocar "medo" de novo e citar seu comentário.
Obrigado.
Anônimo disse…
Caro Joêzer,

só para dar um toque de que você não substituiu por "medo" as palavras "fobia" do último parágrafo.

Fora a pequena imprecisão semântica (que eu nem perceberia não fosse o alerta do primeiro comentário) o texto captou muito bem como quase todos hoje não sentem muitos pudores de demonstrar suas intolerâncias.

Gostei.

Abraço


Paulo Roberto
Registro/SP

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta