Pular para o conteúdo principal

a autoridade, a ciência e a religião

Duas ou três coisas que eu sei sobre o cancelamento de evento criacionista pela Unicamp em outubro/2013:

- A censura da Unicamp ao evento de debatedores criacionistas foi um atentado à livre discussão de ideias. Os cristãos podem se queixar mesmo. Mas vale perguntar quantas faculdades cristãs sediariam um evento de evolucionistas?

- As primeiras universidades europeias e americanas tinham, em seu quadro de professores, teólogos que traziam a ciência à luz. Agora os religiosos são empurrados para dentro do armário acadêmico.

- Em 1925, o professor John Scopes foi acusado de violar a lei ao ensinar a teoria da evolução em escolas do Tennessee e sua defesa foi impedida pelo "lobby religioso" de trazer cientistas ao julgamento.

- Em 2013, evento criacionista é cancelado por "lobby ateu" e é considerado doutrina anticientífica e seus palestrantes impedidos de apresentar suas ideias.


- O pêndulo da autoridade já foi da religião e agora mudou de lado. Só não mudou a tendência demasiadamente humana de apresentar credenciais autoritárias de senhor absoluto da verdade.

Comentários

Jayme Alves disse…
É fácil reconhecer a intolerância dos "samaritanos" e disparar contra ela, porém a situação se complica quando somos confrontados com a nossa própria intolerância. Um texto vestido de lucidez.
Daniel Costa disse…
O texto mais sucinto, lúcido e corajoso que já vi.

Eram questões que não sabia como verbalizar. É uma alegria você encontrar um articulista que concatena as partes mais importantes de um pensamento que deseja ser verdadeiro, e por querer ser verdadeiro se critica e faz autoanálise de suas próprias dificuldades
Daniel Costa disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
joêzer disse…
Jayme,
Daniel,
obrigado por captarem a crítica dos conceitos e preconceitos que trazemos.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta