Pular para o conteúdo principal

a fábula da música com mensagem subliminar

Há três tipos de pessoas quando o assunto é mensagem subliminar.

1) O que não acredita nisso de jeito nenhum; 2) O que não acredita nem em subliminar nem em bruxas, mas que las hay, las hay, e 3) O que acredita que Paul McCartney morreu nos anos 60 e quem anda por aí é um sósia perfeito (e também baixista e canhoto).

Esse último espécime humano tem sido capaz de desmoralizar qualquer pesquisa séria em torno das tais mensagens subliminares. Ele distorce fatos, usa o YouTube como nota de rodapé de palestra, encontra agulha no palheiro e coa mosquito enquanto deixa passar camelos.

As mensagens subliminares estariam em quase todo canto, dizem. Mas hoje só vou falar dos casos que envolvem música. Então, adiante, que o assunto é longo, mas um blog não tem o direito de sê-lo.

Depois da lenda urbana que se comprovou ser a mensagem subliminar das músicas tocadas ao contrário, logo surgiu outro tipo de mensagem subliminar: a inversão da letra escrita da música.

Dois exemplos da surpreendente criatividade humana:

1- A canção “Seguindo num trem azul”, do grupo Roupa Nova, embalou coraçõezinhos apaixonados nos anos 80. Pois os exagerados da mensagem subliminar conseguiram piorar a letra da canção. No refrão que começa com “Só me dará prazer”, alguém inacreditavelmente desvendou que essa frase, se for invertida, diz “Rezar para demos” [demônios], mesmo que os autores da música tivessem pretendido dizer que o que lhes dava prazer, segundo o restante do refrão, era viajar com a pessoa amada, talvez num excêntrico trem azul.

2- O sucesso da apresentadora Xuxa já foi creditado a um pacto com o demônio (vai ver ela cantava ocultamente que “rezava para demos”). Para alguns, aquelas músicas grudentas da época do Xou da Xuxa eram sopradas por entidades sobrenaturais caídas e mal-intencionadas no ouvido dos compositores compactuados. A prova? Na canção em que Xuxa dizia “marquei um x, um x, um x no seu coração”, os fanáticos da mensagem subliminar descobriam que a letra “x” pronuncia-se “xis” em português e que a escrita invertida de “xis” em português é equivalente ao “six” em inglês, sendo que “six” é o número 6. Como o x (ou 6) é repetido três vezes na música (xis, xis, xis), lhes pareceu perfeitamente lógico que o hieróglifo xuxesco na verdade ocultava o diabólico six, six, six, ou 666, o número da besta apocalíptica. E quem ficou de besta nessa história toda foi o público que achava ingenuamente que o singelo “x” era de Xuxa.

Achou complicado? Pois é. A ignorância pode se disfarçar de difícil. Sigamos:

A descoberta abalou o meio infantil e foi um quebra-quebra generalizado de discos no meio evangélico mais apressado e temente a palestrantes sensacionalistas. Todavia, para aqueles que não contavam com a astúcia deste blogueiro aqui, fui investigar a canção da besta, digo, da Xuxa, e descobri que a canção de fato apresenta um teor religioso, mas nada apocalíptico. Como um perito em hieróglifos musicais tão competente quanto os roteiristas da série C.S.I., apresento-lhes o outro lado da realidade:

Quando a música diz “marquei um xis, um xis, um xis no teu coração”, a interpretação está correta – o xis é o six/6 -, mas a metodologia (uia!) está equivocada. Veja que no trecho está grafado “um xis/six”. Ou seja, 1 e 6. Como a repetição ocorre três vezes, então o resultado seria 161616. Utilizando a regra matemática notanapautiana de equações musicais, somamos 1+6 três vezes (1+6=7, 1+6=7, 1+6=7), obtendo o resultado inegável de 777. Sendo que se considera que 7 é o número de Deus, então, pasmem, Xuxa estaria engrandecendo o Senhor pelas vias tortas da música ruim!

Não é fácil fazer malabarismos com os fatos e torcê-los para que caibam direitinho nos nossos argumentos?

Moral máxima: cuide para que ninguém lhe engane com quaisquer numerologia e equações que são contorcionismos de interpretação e não significam nada ; cuide para que ninguém lhe convença de que toda interpretação de números é falsa e que os números não podem, por meio de uma interpretação coerente, representar algo profético ou transcendente.

Moral mínima: os exagerados da mensagem subliminar ou compensam a falta de pesquisa com a criatividade ou faturam sua necessidade de autopromoção em cima da boa-fé alheia.


Comentários

Loren disse…
Muito bons senso e humor, como sempre :)

Obrigada pela postagem.
joêzer disse…
loren,
essas coisas é melhor a gente não levar a sério demais, não é mesmo?
Sara Rios disse…
ontem estava conversando com minha prima sobre isso...e meu questionamento tb é esse..até onde essa idéia de msg subliminar faz sentido??? muita gente é ludibriada por essas histórias...só pedindo misericórdia a Deus msm!

Parabéns pelo blog! Deus te abençoe!
Prof. Kelly disse…
Muito bom!! Na infância eu tinha muito medo disso!! E até hoje ouço as crianças contarem que nos desenhos da Disney, em tal cena, se você der um close, ficar de cabeça pra baixo, é possível ver um chifre na cabeça de um personagem!!!
A lenda continua...
joêzer disse…
kellinha,
sobre a Disney voltarei um outro dia. tem umas coisas "estranhas" ali que são propositais, mas não é msg subliminar.

sara,
muita gente é ludibriada mesmo. a pessoa que acredita ainda tem a desculpa da boa-fé. o problema é o primeiro cara que prepara uma palestra dizendo que tudo aquilo é verdade nada mais que a verdade.
O Ângelo Meirelles me disse uma fr4ase, certa vez, e em outro contexto, mas a máxima vale aqui, também...
"Isso é sério! Mas nem tanto, gente!!!

Mensagem subliminar não é enterro de anão, mas se todo mundo descobrir, não é mais subliminar!!!!

Valeu Joêzer!
Victor Meira disse…
Haha, ótimo!
Anônimo disse…
Achei interessante a sua desmistificação com relação a essa coisa de mensagens subliminares, é bom argumentos contrários a tanta coisa que não existe, mas é preciso prestar atenção como por exemplo o "x", porque quem marca marca alguma coisa em algum lugar, portanto o "um" da musiquinha é artigo e não numeral, e, continuamos com xis, xis e xis. Mas,sou também do tipo que vê coisas boas nas coisas ruins. Continue assim, gostei de você.
Marcos Araujo disse…
Se somarmos 7+7+7 dá 21, e como 2+1 é igual a 3, percebemos aí, de forma subliminar, a machista santíssima trindade.
Que artigo fantástico este! Por favor, permita-me republicá-lo em meu blog.

Grande abraço,

Marcus
joêzer disse…
esteja à vontade para compartilhar, my friend.
Exelente artigo.
Exelente artigo.
Anônimo disse…
Puura verdade!

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta