Pular para o conteúdo principal

a fé e o amor se encontraram no cinema


Por que os filmes só mostram cristãos fanáticos?, me perguntou um amigo. Acho que pela mesma razão pela qual os filmes evangélicos só mostram ateus arrogantes: a necessidade de estereótipos, foi minha resposta.

Do mesmo modo que o cinema evangélico parece desconhecer a existência de vida feliz e digna entre ateus, o cinema hollywoodiano faz pouco caso da existência de vida inteligente e sensata entre cristãos.

Por isso, a raridade de um filme como A Força do Carinho (Tender Mercies), dirigido por Bruce Beresford e com roteiro premiado de Horton Foote. No filme, o grande Robert Duvall, em papel ganhador de um Oscar de melhor ator, vive um cantor country que não quer mais saber dos tempos de fama. Suas lembranças dessa época lhe trazem a amargura do alcoolismo, do divórcio e da perda de contato com a filha.

Ele vai parar num posto de gasolina de beira de estrada onde pede trabalho e teto para a proprietária, uma viúva que mora com o filho pequeno. Ali, anônimo e sem ilusões, Mac vai buscar a regeneração. Apesar de a história prever todos os clichês de superação e felicidade total, o filme não envereda por essas falsas expectativas. A história transcorre com calma, com poucos momentos de turbulência, como que acompanhando a conscientização do ex-cantor de sua nova vida.

E que papel o cristianismo desempenha na história?

Primeiro, há somente lampejos de cultos e devoção pessoal, mas o filme mostra uma igreja pacata, amistosa e bastante musical. Aliás, Rosa Lee canta no coral da igreja. Ela perdeu o marido na guerra do Vietnã, ele perdeu a esposa para si mesmo em sua guerra particular. A combinação da serenidade religiosa de Rosa Lee com a apresentação musical dela parece tocar Mac Sledge, que vai pedir Rosa Lee em casamento.

Em segundo lugar, Mac percebe que, para mudar completamente de vida e permanecer ao lado da viúva Rosa Lee, ele terá de entender e participar da vida religiosa daquela família.

Quando os personagens oram, eles agradecem pela vida que têm e pedem orientação espiritual para solucionar os problemas da vida. E eis aqui um diferencial desse filme em sua relação com a fé cristã: os personagens não são ridicularizados e nem tudo se resolve do jeito que eles esperam.

Até mesmo uma surpreendente cena de batismo é mostrada com respeito. Na volta pra casa após ser batizado, Sonny, o filho de Rosa Lee, diz que não está sentindo nenhuma mudança interior. Ele pergunta se vai experimentar esse sentimento. Mac sorri e diz: “Provavelmente, sim”.

Aliás, Sonny não é retratado com uma daquelas crianças de cinema que fala como adulto. Suas falas tem a astúcia e a surpresa das perguntas infantis.


Em terceiro lugar, o cristianismo comparece no título original Tender Mercies, uma expressão traduzida no Salmo 145:9 como "ternas misericórdias": O Senhor é bom para todos, e as suas ternas misericórdias permeiam todas as suas obras.

O filme evita o tom de pregação de regeneração pessoal do mesmo modo que evita cair no sentimentalismo romântico. Rosa Lee não se intromete no passado que teima em reaparecer na vida do marido. Ela se interessa genuinamente por ele, mas não o força a nada. Sua noção de que “o amor é paciente” se expressa em tons suaves de paixão e compaixão. São essas atitudes de terna misericórdia que fazem Mac agradecer por ter conhecido Rosa Lee. É o que vai lhe inspirar a procurar pela filha. É o que o motiva a dar tempo e atenção ao enteado Sonny.

Rosa Lee surge na vida de Mac como um tipo de anjo acolhedor, mas também não deixa de ser uma representação humana de Deus, dando abrigo ao perturbado cantor com suas atitudes firmes, gentis e serenas. É a encenação de um amor que não se encontra nos estereótipos humanos de amor. Como diz uma canção de Jader Santos: "O amor pode ser bonito, sincero e genuíno /  mas o amor tem que ser divino pra ser amor".


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…