Pular para o conteúdo principal

a fé e o amor se encontraram no cinema


Por que os filmes só mostram cristãos fanáticos?, me perguntou um amigo. Acho que pela mesma razão pela qual os filmes evangélicos só mostram ateus arrogantes: a necessidade de estereótipos, foi minha resposta.

Do mesmo modo que o cinema evangélico parece desconhecer a existência de vida feliz e digna entre ateus, o cinema hollywoodiano faz pouco caso da existência de vida inteligente e sensata entre cristãos.

Por isso, a raridade de um filme como A Força do Carinho (Tender Mercies), dirigido por Bruce Beresford e com roteiro premiado de Horton Foote. No filme, o grande Robert Duvall, em papel ganhador de um Oscar de melhor ator, vive um cantor country que não quer mais saber dos tempos de fama. Suas lembranças dessa época lhe trazem a amargura do alcoolismo, do divórcio e da perda de contato com a filha.

Ele vai parar num posto de gasolina de beira de estrada onde pede trabalho e teto para a proprietária, uma viúva que mora com o filho pequeno. Ali, anônimo e sem ilusões, Mac vai buscar a regeneração. Apesar de a história prever todos os clichês de superação e felicidade total, o filme não envereda por essas falsas expectativas. A história transcorre com calma, com poucos momentos de turbulência, como que acompanhando a conscientização do ex-cantor de sua nova vida.

E que papel o cristianismo desempenha na história?

Primeiro, há somente lampejos de cultos e devoção pessoal, mas o filme mostra uma igreja pacata, amistosa e bastante musical. Aliás, Rosa Lee canta no coral da igreja. Ela perdeu o marido na guerra do Vietnã, ele perdeu a esposa para si mesmo em sua guerra particular. A combinação da serenidade religiosa de Rosa Lee com a apresentação musical dela parece tocar Mac Sledge, que vai pedir Rosa Lee em casamento.

Em segundo lugar, Mac percebe que, para mudar completamente de vida e permanecer ao lado da viúva Rosa Lee, ele terá de entender e participar da vida religiosa daquela família.

Quando os personagens oram, eles agradecem pela vida que têm e pedem orientação espiritual para solucionar os problemas da vida. E eis aqui um diferencial desse filme em sua relação com a fé cristã: os personagens não são ridicularizados e nem tudo se resolve do jeito que eles esperam.

Até mesmo uma surpreendente cena de batismo é mostrada com respeito. Na volta pra casa após ser batizado, Sonny, o filho de Rosa Lee, diz que não está sentindo nenhuma mudança interior. Ele pergunta se vai experimentar esse sentimento. Mac sorri e diz: “Provavelmente, sim”.

Aliás, Sonny não é retratado com uma daquelas crianças de cinema que fala como adulto. Suas falas tem a astúcia e a surpresa das perguntas infantis.


Em terceiro lugar, o cristianismo comparece no título original Tender Mercies, uma expressão traduzida no Salmo 145:9 como "ternas misericórdias": O Senhor é bom para todos, e as suas ternas misericórdias permeiam todas as suas obras.

O filme evita o tom de pregação de regeneração pessoal do mesmo modo que evita cair no sentimentalismo romântico. Rosa Lee não se intromete no passado que teima em reaparecer na vida do marido. Ela se interessa genuinamente por ele, mas não o força a nada. Sua noção de que “o amor é paciente” se expressa em tons suaves de paixão e compaixão. São essas atitudes de terna misericórdia que fazem Mac agradecer por ter conhecido Rosa Lee. É o que vai lhe inspirar a procurar pela filha. É o que o motiva a dar tempo e atenção ao enteado Sonny.

Rosa Lee surge na vida de Mac como um tipo de anjo acolhedor, mas também não deixa de ser uma representação humana de Deus, dando abrigo ao perturbado cantor com suas atitudes firmes, gentis e serenas. É a encenação de um amor que não se encontra nos estereótipos humanos de amor. Como diz uma canção de Jader Santos: "O amor pode ser bonito, sincero e genuíno /  mas o amor tem que ser divino pra ser amor".


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta