Pular para o conteúdo principal

o que a Europa vai fazer com essa tal liberdade?

Os chargistas da Charlie Hebdo publicaram caricaturas da religião islâmica. Sim, assim como publicaram sátiras do cristianismo, de políticos, economistas e celebridades. Sim, a violência da retaliação, além de injustificável, foi absurdamente desproporcional à publicação das charges. 

Tragicamente, na conta do fervor secularista e da intolerância religiosa, o saldo abominável acaba sendo de escárnio antirreligioso e retaliações brutais.

De fato, a liberdade de expressão é um direito fundamental e uma conquista do nosso tempo. Além disso, não há país livre sem uma imprensa livre e sem liberdade de opinar. 

Mas às vezes eu acho que vivemos no reino encantado da liberdade individual (ou ao menos na ilusão dessa liberdade), e ninguém parece interessado em responder à pergunta do filósofo Alexandre Pires: “O que é que eu vou fazer com essa tal liberdade?”

Parece que os deuses tradicionais foram substituídos pelo reino dos homens e estes entronizaram em seu lugar a liberdade de expressão. Mas calma lá com as propostas de regulação da mídia, faz favor. 

Diante do horror desse atentado, para se entender o injustificável, é preciso enxergar que estão em jogo questões culturais e civilizatórias que ainda dividem Europa e Oriente Médio.

Quando essas distintas sociedades colidem, o resultado é dolorosamente simples: assim como os secularistas mais radicais se valem do direito à liberdade de expressão constituído em seus países para satirizar a religião muçulmana, os muçulmanos mais intransigentes se valem do direito à retaliação constituído em seus países para vingar cruelmente a ofensa à sua religião.

Uma coisa é zombar de cristãos já plenamente experimentados na sociedade da liberdade de expressão (e que inclui sua liberdade de culto). Exemplo: quando o cristianismo é satirizado em charges e filmes, uma pequena turba de ofendidos costuma fazer barulho em entrada de cinemas e jornais, inclusive dando mais publicidade ao "ofensor". Mas, em geral, é só o que fazem.

Outra coisa, porém, é satirizar a fé de religiosos que ainda não vivenciaram o exercício da liberdade de expressão e de imprensa, como nas teocracias árabes.


Felizmente, sentado aqui desse lado “mais livre” do Atlântico, por enquanto posso supor que se um jornal islâmico zombar do Parlamento, do Papa ou da rainha da Suécia, é improvável que um grupo de europeus promova um atentado contra os chargistas muçulmanos – no máximo, espera-se que retruquem com lápis e papel.



As duas ilustrações são homenagens de cartunistas após o atentado.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta