Pular para o conteúdo principal

happy birthday to you agora é free

Após 80 anos, encerrou-se um capítulo da batalha pela posse do copyright da canção “Parabéns pra Você”. No dia 22 de setembro, um juiz federal da corte de Los Angeles considerou inválido o copyright que desde 1988 estava sob controle da companhia Warner/Chappel, que lucrava uma média de 2 milhões de dólares anuais com os royalties da famosa “Happy Birthday to You”.

Até agora, os produtores de filmes e programas de TV que queriam economizar um trocado substituíam Happy Birthday por uma canção que ninguém canta em festinha de aniversário: “Fulano é bom companheiro... [For he’s a jolly good fellow...].

O juiz declarou que o copyright, original de 1935, só vale para o arranjo de piano que está nessa partitura, mas não vale para a melodia, visto que Happy Birthday to You emprestou a melodia da canção “Good Morning to All”, que está em domínio público. Essa canção foi composta em 1875 por duas irmãs professoras primárias do Estado do Arkansas para a entrada dos seus aluninhos na escola.

As irmãs Mildred e Patricia Hill só registraram a canção em 1893. Em 1924, a melodia foi publicada com a letra que se tornou o maior sucesso popular de todos os tempos: Happy Birthday to You. Mas Jessica Hill, irmã das professoras, brigou na justiça pela posse dos direitos autorais e venceu a disputa.

A indústria fonográfica não deixaria uma música tão popular circular por aí sem rentabilidade. Então, em 1935 a Summy Company registrou uma versão da música que atribuía a autoria de Happy Birthday ao compositor Preston Ware Orem e à senhora R. R. Forman.

A questão é que não se sabe de quem seria a verdadeira autoria da letra. Embora as irmãs Hill tenham publicado sua canção no livro Song Stories for Kindergarten, em 1893, e que a letra Happy Birthday to You tenha sido publicada com a melodia de Good Morning to All só em 1912, há quem defenda que a letra já existia anteriormente.

No Brasil, a letra de Parabéns a Você é de autoria de Bertha Homem de Mello, que venceu 5 mil concorrentes num concurso nacional organizado pela Rádio Tupi (RJ), em 1942, para escolher a melhor versão de Happy Birthday to You. Bertha faleceu em 1999, aos 97 anos, e sua filha é a herdeira dos direitos autorais.

Aliás, em diversos Estados brasileiros o Parabéns a Você tem uma segunda parte.
No Maranhão:

Hoje é dia de festa
Pra alegrar nossas almas
“a/o fulana/o” faz anos
Uma salva de palmas

Quando fui trabalhar por alguns anos em São Luís, eu achava estranha essa segunda parte. Depois que fui morar em outra cidade, achava estranho ninguém cantar a segunda parte.

Em outros lugares se canta ironicamente uma segunda parte:

A (nome) faz anos
O azar é só dela
Cada dia que passa
Ela fica mais velha

Só não vale dizer que o “para-rá-tim-bum” que se canta ao final é uma expressão de convocação de demônios. Trata-se apenas uma onomatopeia antiga que imita a percussão no final da apresentação de uma fanfarra.

Enfim, parabéns a quem não precisa mais pagar pela canção americana mais famosa no mundo, que ganhou até uma versão para orquestra do compositor russo Igor Stravinski, que escreveu a peça “Greeting Prelude” usando Happy Birthday to You como base para homenagear o maestro Pierre Monteux. Stravinski disse posteriormente que não sabia que a canção era protegida pela lei do copyright: “Achei que essa música estava na categoria das músicas folclóricas”.

Segundo o crítico de música Alex Ross, Stravinski não foi processado, talvez por ter usado somente a melodia, sem a letra.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…