Pular para o conteúdo principal

happy birthday to you agora é free

Após 80 anos, encerrou-se um capítulo da batalha pela posse do copyright da canção “Parabéns pra Você”. No dia 22 de setembro, um juiz federal da corte de Los Angeles considerou inválido o copyright que desde 1988 estava sob controle da companhia Warner/Chappel, que lucrava uma média de 2 milhões de dólares anuais com os royalties da famosa “Happy Birthday to You”.

Até agora, os produtores de filmes e programas de TV que queriam economizar um trocado substituíam Happy Birthday por uma canção que ninguém canta em festinha de aniversário: “Fulano é bom companheiro... [For he’s a jolly good fellow...].

O juiz declarou que o copyright, original de 1935, só vale para o arranjo de piano que está nessa partitura, mas não vale para a melodia, visto que Happy Birthday to You emprestou a melodia da canção “Good Morning to All”, que está em domínio público. Essa canção foi composta em 1875 por duas irmãs professoras primárias do Estado do Arkansas para a entrada dos seus aluninhos na escola.

As irmãs Mildred e Patricia Hill só registraram a canção em 1893. Em 1924, a melodia foi publicada com a letra que se tornou o maior sucesso popular de todos os tempos: Happy Birthday to You. Mas Jessica Hill, irmã das professoras, brigou na justiça pela posse dos direitos autorais e venceu a disputa.

A indústria fonográfica não deixaria uma música tão popular circular por aí sem rentabilidade. Então, em 1935 a Summy Company registrou uma versão da música que atribuía a autoria de Happy Birthday ao compositor Preston Ware Orem e à senhora R. R. Forman.

A questão é que não se sabe de quem seria a verdadeira autoria da letra. Embora as irmãs Hill tenham publicado sua canção no livro Song Stories for Kindergarten, em 1893, e que a letra Happy Birthday to You tenha sido publicada com a melodia de Good Morning to All só em 1912, há quem defenda que a letra já existia anteriormente.

No Brasil, a letra de Parabéns a Você é de autoria de Bertha Homem de Mello, que venceu 5 mil concorrentes num concurso nacional organizado pela Rádio Tupi (RJ), em 1942, para escolher a melhor versão de Happy Birthday to You. Bertha faleceu em 1999, aos 97 anos, e sua filha é a herdeira dos direitos autorais.

Aliás, em diversos Estados brasileiros o Parabéns a Você tem uma segunda parte.
No Maranhão:

Hoje é dia de festa
Pra alegrar nossas almas
“a/o fulana/o” faz anos
Uma salva de palmas

Quando fui trabalhar por alguns anos em São Luís, eu achava estranha essa segunda parte. Depois que fui morar em outra cidade, achava estranho ninguém cantar a segunda parte.

Em outros lugares se canta ironicamente uma segunda parte:

A (nome) faz anos
O azar é só dela
Cada dia que passa
Ela fica mais velha

Só não vale dizer que o “para-rá-tim-bum” que se canta ao final é uma expressão de convocação de demônios. Trata-se apenas uma onomatopeia antiga que imita a percussão no final da apresentação de uma fanfarra.

Enfim, parabéns a quem não precisa mais pagar pela canção americana mais famosa no mundo, que ganhou até uma versão para orquestra do compositor russo Igor Stravinski, que escreveu a peça “Greeting Prelude” usando Happy Birthday to You como base para homenagear o maestro Pierre Monteux. Stravinski disse posteriormente que não sabia que a canção era protegida pela lei do copyright: “Achei que essa música estava na categoria das músicas folclóricas”.

Segundo o crítico de música Alex Ross, Stravinski não foi processado, talvez por ter usado somente a melodia, sem a letra.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta