Pular para o conteúdo principal

Prince: testemunha dos sinais dos tempos

Toca a campainha, você vê que é uma Testemunha de Jeová, mas atende assim mesmo porque vê que é o Prince. Isso mesmo, desde 2001 Prince era adepto da igreja dos Testemunhas de Jeová e tinha o hábito de bater de porta em porta como é costume dos fiéis da igreja. Talvez até entregasse às pessoas um exemplar da revista Sentinela.

Prince disse em entrevistas que começou a "estudar a Bíblia" e a sua "vida mudou bastante". "Foi aí que voltei ao meu nome anterior. Um amigo ajudou-me a olhar para a Bíblia de uma maneira muito prática e ignorar todo o dogma. Apenas queria uma simples e clara ligação com Ele". Prince dizia que essa ligação com Deus o ajudava "em todos os aspectos da vida", incluindo a música.

Ele disse também: "Ela [a fé] vai ajudá-lo em todos os aspectos da vida. [...] e então você vai ser capaz de ver as coisas mais claramente".

Muita gente deve ter estranhado o fato de Prince declarar-se Testemunha de Jeová e ao mesmo tempo ser conhecido por condutas curiosas, como usar figurinos extravagantes, exigir ser chamado por nomes esquisitos (devido a uma batalha judicial com a Warner), por reclamar do preconceito contra as mulheres mas exigir que sua banda fosse composta só de mulheres bonitas que estivessem à disposição 24 horas por dia para ensaios surpresa em horários estranhos.

Seus irmãos de fé também podem ter estranhado certas músicas de Prince que faziam referência à cruz (os jeovistas creem que Jesus foi morto numa estaca): "Logo todos os nossos problemas serão levados pela cruz [...] não chore, ele está vindo / não morra sem conhecer a cruz".

Em outra canção, "Sign o' the times" (sinais dos tempos), Prince aborda um mundo envolvido em guerras, bombas, fome, desespero, depressão, ódio. Um caldeirão de desastres individuais e planetários que aponta para sinais do retorno de Cristo - o contraria a crença jeovista de que Cristo já teria voltado em 1914.


O álbum que contém essas referências cristãs é Sign o' the Times, lançado em 1987. Ao se tornar jeovista, Prince pode ter abandonado essas crenças compartilhadas por evangélicos como os adventistas do sétimo dia. Não por coincidência, Prince frequentou a Igreja Adventista na infância (e mais tarde a Igreja Batista).

Uma indicação de que ele adotou preceitos dos jeovistas é que ele não celebrava datas de aniversários e nem votava: "Não voto porque sou uma Testemunha de Jeová e nós nunca votamos. Mas isso não quer dizer que eu não tenha uma opinião...", disse certa vez, antes de elogiar Barack Obama.

[Outros famosos praticantes jeovistas são as irmãs tenistas Serena e Venus Williams e o guitarrista George Benson. Entre os músicos que frequentaram a igreja na infância estão Janet Jackson, e seu falecido irmão Michael]

Por outro lado, no álbum Planet Earth, de 2007, Prince continuou enviando sinais de sua fé (The One U wanna C – “Aquele que você quer ver”) e falando dos sinais dos tempos, como na faixa “Lion of Judah”:

Como o Leão de Judá
Vou abater meus inimigos
Assim como o meu Deus vive
Certamente a trombeta soará

Muitos popstars americanos tiveram forte ensino religioso na infância. Quando adultos e com a carreira consolidada, alguns deles se voltam contra a religião, talvez por traumas, talvez pela percepção da hipocrisia de tantos religiosos. Para outros, a religião da infância lhes é indiferente. Outros popstars tentam retomar de alguma forma a religião. Com todo o aparato de polêmicas, Prince parece ter pertencido a este último grupo.


(Com informações de "Prince, a mais famosa Testemunha de Jeová", Correio da Manhã; e "Prince: balancing faith and stardom, Religio: http://religiomag.com/prince-balancing-faith-and-stardom/).

Comentários

Geildes Santos disse…
As testemunhas de Jeová acreditam que Jesus voltou de forma invisível, está presente desde 1914, e os sinais da sua presença estão descritos em Mateus cap 24 (Palavras do próprio Cristo).Se alguém tiver interesse em entender pq acreditamos assim é só consultar o livro O que a Bíblia realmente ensina, capítulo 8, e ler as informações adicionais no apêndice linkado com esse capítulo (1914 um ano significativo na profecia bíblica-Titulo da matéria no apêndice), disponível em formato digital no site jw.org
No apêndice deste livro também tem uma pesquisa histórica falando sobre o uso da Cruz (Pq os Cristãos verdadeiros não usam a Cruz na adoração- Título da pesquisa).
Ler nos trás conhecimento sobre várias coisas, e as vezes é bom pesquisar na fonte, bem que seja pra conhecer e criar nossa opinião pessoal.Graças a Deus temos livre arbítrio para crer no que desejarmos. No mais, a matéria no blog foi bem escrita, espero que continue com suas pesquisas pra escrever sempre melhor.Saudações
joêzer disse…
Geildes, muito obrigado pela gentileza da leitura e por indicar as fontes!

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…