Pular para o conteúdo principal

Steven Spielberg, 70 anos: os 10 melhores filmes

Steven Spielberg acaba de completar 70 anos de idade. Soa estranho que o cineasta que melhor soube mexer com nossas fantasias e medos infantis já seja um ancião. É verdade que ele deixou um pouco suas criaturas fantásticas e seus caçadores de aventuras indestrutíveis e preferiu dar aula de História. Alguns preferem seus ETs, dinossauros e Indiana Jones; outros gostam mais de seus filmes sobre escravidão e II Guerra Mundial. Eu prefiro os bons filmes que ele faz, porque para mim importa sua incrível capacidade de contar histórias, sejam reais ou sobrenaturais.

Seus prós são muitos

- até seus filmes medianos têm enquadramentos incríveis 
- dirige atores infantis como ninguém: ele dirigiu uma Drew Barrymore garotinha em ET e um Christian Bale pré-Batman e pré-adolescente em Império do Sol
- chamou John Williams para compor as trilhas dos seus filmes
- os efeitos visuais de seus filmes servem à trama e não ao exibicionismo tecnológico
- tem pleno domínio na filmagem de cenas de ação ou suspense: os 20 minutos iniciais de Resgate do Soldado Ryan, os três primeiros Indiana Jones, as explosões em Munique

Mas é humano e tem problemas

- escorrega para o dramalhão na parte final de vários de seus filmes: quando a gente já entendeu que é pra chorar, ele prolonga demais a cena e manda aumentar a música.

*****

Nos seus filmes históricos, ele parte do painel amplo de uma tragédia coletiva para chegar ao drama individual de pessoas arrastadas pelo turbilhão da História: em Soldado Ryan, ele não fala de combate, e sim de caráter; em Amistad, é a dignidade do escravizado.


Nos filmes de fantasia, ele se nivela ao mundo infantil: em ET, sua câmera está quase sempre na altura das crianças protagonistas; em Contatos Imediatos, os adultos são docemente infantis. Spielberg também fica com a pureza da resposta e da fantasia das crianças.

Um top 10 possível dentro de uma filmografia tão boa:


10. Prenda-me se for capaz


Não se divirta se for capaz.

9. Minority Report


Continua atualíssimo.


8. O Resgate do Soldado Ryan


A bandeira americana tremulando quase atrapalha. Mas o que é importa é a nobreza de atitudes.


7. Munique


O olho por olho israel-palestina cega todo mundo.


6. Império do Sol


Filmaço dolorido e otimista.

5. A Lista de Schindler


Sem palavras. Toquem a trilha.


4. Contatos Imediatos do 3º Grau


Spielberg revela ser um adulto genialmente infantil.



3. E.T., o extraterrestre


Terno, divertido e extraordinário.


2. Os Caçadores da Arca Perdida


A obra-prima dos filmes escapistas.


1. Tubarão


Spielberg, 28 anos, na boca do seu tubarão que revolucionou o cinema. Depois dele, ritmo, música, suspense e até o marketing nunca mais foram os mesmos.


Comentários

Eusper Pereira disse…
Olá Joêzer!
Filmes são produto do avanço da química no século XIX e mais recentemente, do avanço da tecnologia digital. Mas, não são apenas isto. Estão repletos de tecnologia da chamada "engenharia do consentimento". O filme, o resgate do soldado rayan - isso mesmo, em tudo em minúsculo - é uma poderoso arma cognitiva contra a fé cristã. Assisti pequenos trechos, porque o estômago mal suportou alguns minutos de exposição crua de materialismo repugnante e violentamente anticristão.Relevante, entretanto é o ápice da história. Entrei em contato com o trecho do filme através de um amigo. O homem - ryan - tipicamente uma vítima, da guerra, do estado, da vida, é reconhecido pelas testemunhas como "merecedor' do sacrifício do pelotão que foi em seu resgate. Esse pelotão era formado por 11 homens. Ao morrer, o líder do pelotão pronuncia suas últimas palavras: "mereça". As testemunhas, que o confirmam merecedor, são os membros de sua bela família. A inteligência bruta, sutil e maligna dos roteiristas e produtores do filme sugerem que esta família, nem existiria. Enfim, encerro aqui o comentário. A análise, não sou especialista no assunto, pode ser extensa. Não, não sou um taliban, fundamentalista, primitivista. Saudações cordiais. Excelente o seu blog.

http://www.ip.usp.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=1927:v3n1a09-a-engenharia-do-consentimento&catid=340&Itemid=91
Olá, Eusper,
o início do filme é brutal mesmo, como são as guerras. Também achei mais relevante o fim da história e a questão de fazer merecer o resgate e a sobrevivência. Obrigado pelo comentário e pela sugestão de leitura do link.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta