Pular para o conteúdo principal

los perfeccionistas musicales #2: uma harpa tem Davi



Naqueles dias, havia diversas pessoas que faziam palestras sobre música sacra, sendo que o povo acorria a tais eventos em grande número, especialmente se o palestrante não tivesse formação musical alguma e se chamasse o pecado pelo nome de bateria.

- Ouviste, mestre, que o palestrante provou biblicamente que se tocarmos a música adequada – a suave – com o instrumento adequado, como a harpa, então os espíritos maus fugirão, tal como na história de Davi ao tocar diante do rei Saul?

- Então, vós e vosso palestrante tens lido somente os trechos bíblicos que vos interessam. Pois se é verdade que está escrito em 1 Samuel 16:23 que “Davi tocava a harpa e Saul se sentia melhor, e o espírito mau se retirava dele”, também está escrito em 1 Samuel 18:10-11 que noutro dia Davi tocava a harpa diante de Saul e este atirou uma lança em Davi. E noutra ocasião, registrada em 1 Samuel 19:9-10, tocava Davi sua harpa e procurou Saul com sua lança matar a Davi, “porém ele se desviou de Saul, o qual feriu com a lança a parede”.

Então, perguntou-lhes o mestre:

- Se imaginais que Davi tocou música adequada com o instrumento adequado para acalmar os nervos do rei ou dispersar os maus espíritos, que música Davi teria tocado, então, para despertar no rei seus instintos mais primitivos? Porventura ele tocou o funk amalequita “Deu Onda no Mar Morto” ou o rock filisteu “Highway to Babel”?

E prosseguiu dizendo-lhes:

- Não lembrai vós que Saul passou a invejar a popularidade de Davi após este matar o gigante Golias? Portanto, não havia música de harpa que pudesse deter a vontade assassina do rei. Esse relato bíblico não é um manual de musicoterapia e nem um guia de estilos musicais sacros; e se prova alguma coisa, nos prova que o efeito da música sobre as pessoas depende da predisposição individual de alguém para envolver-se com a música. Ai daqueles que leem nas Escrituras o texto, mas ocultam das pessoas o contexto.

Os perfeccionistas musicais entreolharam-se, pois nenhuma destas coisas havia lhes falado o palestrante.



*****
As imagens anexadas mostram as diferentes reações de Saul quando Davi tocou a harpa.

Na parte superior: "Saul e David", de Rembrandt, obra de c. 1651

Na parte inferior: "David tocando harpa diante de Saul (1 Sam. 16:23)", de Franz Wulfhagen (1624-1670)

NOTA: repare que o artista Wulfhagen pintou Saul prestes a atirar sua lança em Davi, cena relatada em 1 Sam 18 e 19, mas o título cita equivocadamente a passagem bíblica de 1 Sam 16.

Comentários

Jonathan disse…
Belo texto joezer, continua com essa série porque tá muito boa. Não sabia se ria ou chorava no primeiro parágrafo rsrsrs, infelizmente é a mais pura verdade.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta