Pular para o conteúdo principal

O Som da Reforma: a música no tempo dos primeiros protestantes


Este é o livro O SOM DA REFORMA, do qual sou autor e organizador. Este livro trata da música dos primeiros protestantes:

A celebração dos 500 anos da Reforma Protestante é uma grande oportunidade para quem reflete sobre o cenário religioso contemporâneo. É buscar uma iluminação para viver e compreender o presente. Entre as frentes para reflexão está a música, que tem lugar privilegiado na expressão da fé protestante. No movimento da Reforma, os hinos atuaram como veículos propagadores de novas doutrinas, o que se tornou uma prática marcante deste segmento cristão.

No presente, em que a música ocupa lugar cada vez mais destacado no culto evangélico, desta vez em um casamento estreito com o mercado e as mídias, ter acesso à produção contida neste livro é um privilégio. A obra reúne 13 textos de autores que são mestres e doutores, historiadores, músicos e educadores. Por meio deles, é possível aprender sobre a música de Lutero e Calvino, de anabatistas e anglicanos, passando pela Reforma Católica até a música dos luteranos no Brasil de hoje. 

Neste livro, o olhar voltado à música também inclui a liturgia, as fontes musicais de Lutero, a influência protestante sobre compositores como J. S. Bach, os diferentes estilos de música protestante, a teologia nas letras dos cânticos, a educação musical, o uso e a proibição de instrumentos musicais em algumas tradições, as disputas em torno da relação liturgia e música, o impacto da música protestante nas igrejas e no ambiente social.


Uma contribuição para quem vive a fé protestante, para quem se interessa ou trabalha com música e para quem está afinado com a força dos movimentos culturais religiosos ontem e hoje.

Você adquirir este livro no site da editora CRV.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…