Pular para o conteúdo principal

JÓ E A PÓS-GRADUAÇÃO

Recebi esse e-mail da amiga do mestrado na UNESP, Giselle, que toca no PianOrquestra, um grupo musical que faz um piano à dez mãos incrível.
O texto abaixo me chegou apócrifo, e eu o publico aqui ancorado no copyright. Na melhor tradução (e tradição) discente, copy (cópia) e right (direito), ou seja, "direito de cópia".
O texto se baseia no livro bíblico de Jó, e é a prova inconteste de que aquele tão paciente homem da Antigüidade entrou numa pós-graduação duríssima, mas, para nosso ensino e correção, foi aprovado com louvor. Por isso, desde sempre, caros colegas, é preciso uma paciência bíblica e uma persistência severina.

EVIDÊNCIAS DE QUE JÓ FAZIA PÓS-GRADUAÇÃO

Jó, cap.2, v.11 "Jó tinha três amigos: (...)"TRÊS amigos? Êta vida social...

cap.19, v.14 "Os meus parentes se afastaram; os meus amigos não lembram mais de mim."
Jó, ninguém aguenta mais ouvir falar da sua tese.

cap.19, v.20 "Virei pele e osso; mal consigo ir vivendo."
É Jó, a grana da bolsa só dá pra comprar miojo...

cap.3, v.26 "Não tenho paz, nem descanso, nem sossego; só tenho agitação"
Nem pra assistir um joguinho, bater uma bolinha, ler uns bloguinhos,...

cap 20., v.22 "No ponto mais alto do seu sucesso, a miséria o atacará"
ahha! vira doutor e vai ganhar mixaria fazendo bico até conseguir uma bolsa de pós-doc

DEUS ERA O ORIENTADOR DE JÓ
cap.4, v.17 "Será que alguém pode ser correto diante de Deus?"
Jó, o orientador sempre tá certo!

cap.5, v.8 "Jó, se eu fosse você, voltaria para Deus e entregaria o meu problema a ele."
Seus colegas sempre acham que o orientador vai ter a resposta.

cap.11, v.5 "Eu gostaria que Deus falasse e lhe desse uma resposta"
Às vezes, muito às vezes, o orientador tem a resposta.

cap.5, v.17 "Feliz é aquele a quem Deus corrige."
Às vezes, muito às vezes, o orientador tem a resposta [2].

cap.7, v18 "Por que nos vigias todos os dias e a todo instante nos fazes passar por provas?"
E gosta de uma tortura o tal do orientador...

cap.3, v.23 "Deus os faz caminhar às cegas e os cerca de todos os lados"
E desorienta mais do que orienta...

cap.9, v.3 "Quem se atreve a discutir com Deus? Ele pode fazer mil perguntas a que ninguém é capaz de responder."
hahahah! discute com seu orientador pra você ver!

cap.6, v.4 "(...) Com seus ataques, Deus tem me enchido de terror."
hahahah! discute com seu orientador pra você ver! [2]

JÓ PENSA EM DESISTIR DO DOUTORADO
Cap.7, v.3 "Mês após mês, só tenho tido desilusões, e as minhas noites têm sido cheias de aflição.

cap.7. v.4 "Essas noites são compridas; eu canso de me virar na cama até de madrugada e fico perguntando 'Será que já é hora de levantar?'"
Aparentemente Jó, como eu, não tinha mesa e estudava na cama

cap7., v.8 "Tu me vês agora, porém não me verás mais; olharás para mim, mas eu já terei desaparecido."
Uma ameaça ao orientador costuma surtir algum efeito.

cap.3, v.3-10 "Maldito seja o dia em que nasci! (...) e que sua madrugada nunca chegue, pois ela deixou que minha mãe me desse a luze não me poupou de todo este sofrimento!"

JÓ ANTES DA DEFESA
Jó 9:20 "Ainda que eu seja justo, a minha boca me condenará; embora seja eu íntegro, ele me terá por culpado".

Jó 9:29 "Serei condenado; por que, pois, trabalho eu em vão?"

JÓ INICIANDO A DEFESA
Jó 13:6 "Ouvi agora a minha defesa e atentai para os argumentos dos meus lábios"

A BANCA COMEÇA A ESCULHAMBAÇÃO
Jó 15:9 "Que sabes tu, que nós não saibamos? Que entendes, que não haja em nós?"

JÓ OUVE AS CONSIDERAÇÕES DA BANCA
Jó 16:10 "Homens abrem contra mim a boca, com desprezo me esbofeteiam, e contra mim todos se ajuntam".

Jó 16:13 "Cercam-me as suas flechas, atravessa-me os rins, e não me poupa, e o meu fel derrama na terra".

Jó 16:15 "Cosi sobre a minha pele o silício e revolvi o meu orgulho no pó".

Jó 17:2 "Estou, de fato, cercado de zombadores, e os meus olhos são obrigados a lhes contemplar a provocação".

Comentários

Anônimo disse…
Obrigado por intiresnuyu iformatsiyu

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta