Pular para o conteúdo principal

NINO ROTA VAI À ÓPERA


Neste fim de semana em São Paulo acontecem as últimas apresentações de uma ópera de Nino Rota. Sim, ópera. Para quem conhece o maestro italiano apenas pelas trilhas líricas dos filmes do Fellini (La Strada, A Doce Vida e, principalmente, Amarcord) , não será nenhuma surpresa se o espectador experimentar 4 atos de puro deleite ao assistir Um Chapéu de Palha de Florença.

A ópera de Rota, absolutamente tonal e italianamente buffa, soa como um passeio campestre despreocupado, como um canto matutino de passarinho satisfeito. A história, de origem no teatro cômico francês do século XIX, ajuda, é evidente. Mas o timing de Nino Rota para a sucessão dos quadros e leveza dos personagens é algo que vem do senso cinematográfico adquirido como "trilheiro"-mor do cinema italiano antes da chegada de outro gênio, Ennio Morricone.
Como falei em passarinho, certa vez o poeta Manoel de Barros estava no deck de um barco que margeava devagar e rotineiramente um rio pantaneiro, quando avistou, solitário, o escritor Guimarães Rosa, que assistia o acompanhar vocal de uma revoada de pássaros. Ao aproximar-se do mestre mineiro, o poeta, a fim de uma prosa, mas sem as palavras para começá-la, deixou escapulir: "Passarinho encurta manhã". Começava uma boa amizade.

A ópera de Nino Rota é assim. Encurta o tempo e alarga a alma da gente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta