Pular para o conteúdo principal

LADY MACBETH NA AMAZÔNIA


A cena operística está consolidada na Amazônia. Embora eu tenha vivido somente até a adolescência na cidade de Cláudio Santoro e Milton Hatoum, é com orgulho manauara que vejo mais um triunfo do Festival Amazonas de Ópera, já em sua XI edição. Este escriba embevecido mas "desmonetarizado", posto que mero professor de marré-de-si, não esteve lá e assim transcrevo artigo do blog do João Sampaio, que esteve no Teatro Amazonas.
João Sampaio - Já estou de volta de Manaus, onde assisti domingo a última récita da “Lady Macbeth” de Shostakovich – mais um triunfo da dobradinha Eliane Coelho/Luiz Fernando Malheiro (o que se diz, aliás, é que a dupla volta à ação no ano que vem com "Manon Lescaut", de Puccini). O resto do elenco também é de alto nível – Martin Mühle, Luciana Bueno, Lucas Debevec-Meyer, Marcos Paulo, Stephen Bronk, Sergio Weintraub.


Gostei da direção de Caetano Villela. A estética, o modelo, digamos assim, é aquele já usado na montagem de “A Queda da Casa de Usher”, de Phillip Glass, no Festival de Campos do Jordão - projeções misturadas aos cenários de corte moderno, ressaltando, neste caso, a opressão, a vigilância sob a qual vive Katerina, alusão clara à repressão política soviética.


Faço um único reparo, ao excesso de referências. Letras do alfabeto cirílico, figuras monstruosas, referências a Stálin e companhia - tudo isso faz sentido dentro do diálogo possível entre a história de Katerina e a vida política soviética. Mas o sobe e desce das imagens acaba, muitas vezes, tirando nossa atenção da música em alguns de seus principais momentos - e não podemos esquecer que é ela quem dá a exata dimensão da transgressão de Katerina e que permite, a partir daí, todos os diálogos possíveis. É essa, afinal, uma das principais qualidades da obra de Shostakóvitch.


Mas no final das contas não acho que isso comprometa o espetáculo, que tem fluência e momentos muito bonitos, antológicos mesmo, como a ária do primeiro ato, exemplo de que é possível utilizar os mais diferentes elementos visuais em conjunto, a serviço da música e não brigando por atenção.


(extraído do blog Pra falar de Música)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta